sexta-feira, 22 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Feira das ‘Mina Preta’ acontece neste domingo em Volta Redonda

Feira das ‘Mina Preta’ acontece neste domingo em Volta Redonda

Matéria publicada em 8 de abril de 2017, 08:40 horas

 


Volta Redonda – Com novidade até no nome, a tradicional feira realizada pelo grupo Meninas de Lenço chega à sua sexta edição neste domingo, dia 9, no Memorial Zumbi dos Palmares, na Vila Santa Cecília, em Volta Redonda. A Feira das Meninas agora é Feira das Mina Preta e promete agitar a cidade das 11h às 20h, com extensa programação cultural e educativa.

Segundo a fundadora, Renata Ferreira, o público que comparecer ao evento vai encontrar maior número de expositores da região, especialmente de Volta Redonda. Com fomento à cultura afro, a feira contará com stands de acessórios e lançamentos. E pela primeira vez, haverá um stand com acessórios feitos de fibra de bananeira, do Rio de Janeiro.

A mulherada pode se preparar para a maquiagem especial para valorizar ainda mais a pele negra feita por Anna Dias. E o público pode ir preparado para encontrar também artesanato e se entreter com músicas de qualidade, com grupo de pagode G-Samba e discotecagem de Carol Oliveira, Laís Conti e Nathália Carvalho. Uma oficina de bolha de sabão, “Bolhãozão”, também está na programação.

A estrutura do som e a participação do grupo de capoeira da mestra Arara e o grupo de dança D’Danda são por conta do apoio oferecido pelo Instituto Dagaz. “A ONG está muito feliz em poder apoiar a Feira das Mina Preta, uma vez que a gente defende e valoriza a cultura afrobrasileira em todos os projetos”, disse a coordenadora geral, Clarisse Netto.

E foi por conta da conquista de um edital do Favela Criativa, em dezembro de 2016, que o grupo Meninas de Lenço modificou a Feira das Meninas para Feira das Mina Preta. A fundadora, Renata, contou que ganhou o edital devido ao trabalho voltado para o jovem de periferia e, por isso, o nome do evento foi segmentado. No entanto, ela deixa claro que não é um ambiente restrito, mas sim, de valorização.

– Chegar à sexta edição é resultado de muita resistência e muita insistência. Lutamos muito para conseguir juntar, no mesmo momento, cultura, educação e empoderamento do jovem negro. O nosso objetivo é que esse público reconheça as nossas raízes, para poder, também, valorizar lá na frente. O momento também é interessante para estimular o comércio do produto afro – explicou Renata Ferreira.

Outras três edições da Feira das Mina Preta estão programadas para acontecer ainda este ano, em julho, setembro e novembro. Para este domingo, as Meninas de Lenço contam com parceria das secretarias municipais de Cultura e de Ação Comunitária, e aguarda a presença da secretária de Políticas Públicas para as Mulheres, Dayse Penna.

Diversidade: Evento contará com extensa programação cultural e educativa (Foto: Divulgação)

Diversidade: Evento contará com extensa programação cultural e educativa (Foto: Divulgação)

Meninas de Lenço

O grupo Meninas de Lenço surgiu com o diagnóstico de câncer de mama da produtora Renata Ferreira. O incentivo partiu de sua mãe e amigas, que queriam motivá-la a superar a luta. Foi a partir daí que todas começaram a usar o lenço, em solidariedade. E conforme o movimento foi crescendo, em pouco tempo já havia conquistado 100 adeptas.

Com a realização de eventos, reuniões e rodas de conversa, nasceu o projeto da feira, destinada a todo o público. Agora, com a reformulação da feira, o objetivo é ir além do vínculo da luta contra o câncer, e promover a exaltação da cultura negra, sobretudo com o público jovem e feminino.

 

Serviço

A Feira das Mina Preta é gratuita e será realizada neste domingo, dia 9, das 11h às 20h, no Memorial Zumbi dos Palmares, Rua Vinte e Três – A, Vila Santa Cecília, em Volta Redonda.

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Se fizessem a Feira das “mina branca” seria racismo….

    • Avatar

      À primeira vista parece estranho, mas imagina só como seria uma “marcha dos héteros”, “feira das mina branca”, “100% branco com orgulho”, “sou bonito e tô na moda”, “marcha pelo direito dos ricos”, “jovem, a melhor idade”?…
      Ficaria ainda mais bizarro, né? Quem chora é quem não mama, simples assim…

Untitled Document