sexta-feira, 3 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Fotografias raras encontradas no lixo inspiram campanha de preservação da memória em Resende

Fotografias raras encontradas no lixo inspiram campanha de preservação da memória em Resende

Matéria publicada em 22 de fevereiro de 2020, 09:05 horas

 


Resende – Um episódio inusitado deu origem a uma campanha de preservação da memória de Resende. Cerca de 10 álbuns de fotografia foram resgatados do lixo por um munícipe e foram entregues à prefeitura. Com isso, a Fundação Casa da Cultura Macedo Miranda, através do Arquivo Histórico de Resende, resolveu iniciar a campanha informativa para instruir a população sobre a preservação e a entrega de documentos, fotos e materiais de importância histórica para o município.
De acordo com o presidente da Casa da Cultura Macedo Miranda, Thiago Zaidan, o Arquivo Histórico de Resende possui um vasto acervo com fotos, documentos, periódicos e outros itens, que ajudam a contar a história da cidade. Ele falou sobre o objetivo da campanha e a importância do que pode estar escondido, muitas vezes, em locais como os porões das próprias residências.
– É importante que façamos uma ampla divulgação do local exato para o descarte desse tipo de material e, com certeza, não é no lixo! Cada morador da cidade tem sua própria história. Uma festa de casamento, um baile de Carnaval ou um batizado registrado em foto, também é um pouco da história da nossa cidade. E a campanha acontece para que incidentes como este dos álbuns descartados no lixo não voltem a acontecer e a população saiba o local exato para se desfazer de documentos, fotos e materiais de importância histórica para o município – diz Zaidan.
O Arquivo Histórico de Resende funciona na sede da Casa da Cultura Macedo Miranda, na Rua Luiz da Rocha Miranda, 117, no Centro Histórico. Fotos, jornais, documentos, e outros materiais de cunho histórico podem ser doados de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h. O Arquivo também pode digitalizar fotos e documentos que o morador de Resende não queira se desfazer.

Álbuns encontrados

No último dia 17 de fevereiro, a Casa da Cultura Macedo Miranda recebeu um telefonema da ouvidoria da cidade informando sobre dez álbuns de fotografias que foram encontrados no lixo e resgatados por um morador da cidade, que percebeu a importância histórica das imagens e as salvou de um trágico destino.
As raras fotografias retratam o período dos anos 60 e 70 em Resende. Entre os momentos registrados estão desfiles cívicos, inaugurações de espaços públicos e paisagens da zona rural. Pensando no risco de perda deste e de outros tantos elementos históricos espalhados pelo município, a Casa da Cultura Macedo Miranda, através do Arquivo Histórico de Resende, resolveu iniciar a campanha.
Para o diretor do Arquivo Histórico, Angelo Tramezzino, o que ocorreu na última semana não é novidade.
– Volta e meia famílias se desfazem de seus acervos pessoais por vários motivos. Falta de espaço ou desconhecimento da importância do material são os principais – diz o diretor, que também lembrou que o Arquivo Histórico de Resende é o órgão que faz a guarda, conservação e divulgação de todo material histórico doado para a instituição.

Serviço

O Arquivo Histórico de Resende funciona na sede da Casa da Cultura Macedo Miranda, na Rua Luiz da Rocha Miranda, 117, no Centro Histórico. Fotos, jornais, documentos, e outros materiais de cunho histórico podem ser doados de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h.
Mais informações pelo telefone (24) 3354-6927.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    “Brasil tem baixa taxa de escolarização superior…” Matéria do DV. As consequências da baixa escolarização são estas: desprezar a história de um povo e até de seus antepassados.

    Essa prática de apagar o passado já vem de longe, por motivos diferentes, na minha visão: Por falta de capacidade mental (neste caso), por querer destruir por destruir e por ideologias. Loucos eles não são pq não queimariam dinheiro.

    Quantos e quantos documentos do Brasil Império e de antes do período militar não foram destruídos para apagar essa parte da história? Meses atrás foi a queima do Museu Nacional vinculado à UFRJ por falta de administração e conservação de incompetentes esquerdistas que os eleitores de esquerda colocaram na função pública.

Untitled Document