terça-feira, 20 de outubro de 2020 - 17:28 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Grifes apostam na beleza de mulheres mais velhas em campanhas publicitárias

Grifes apostam na beleza de mulheres mais velhas em campanhas publicitárias

Matéria publicada em 25 de março de 2015, 06:47 horas

 


Por Folhapress

 Os padrões de beleza no mundo da moda mudam de tempos em tempos, mas sempre apoiados na idealização da juventude, uma estética baseada na batalha inglória pela pele e o corpo perfeitos. Não nesta temporada.

Em fevereiro, durante a semana de moda de Nova York, as bancas exibiam a palavra “fashion” em letras garrafais e a imagem da cantora Joni Mitchell, 71, estampada na capa da revista “New York”.

Estrela da campanha do projeto musical da Saint Laurent Paris, a canadense é uma lenda da música folk rock, famosa por hits como “Both Sides Now” e “Big Yellow Taxi”.

– Quero fixar meu legado. Tem sido massacrante – disse à revista, sobre a dificuldade de preservar sua imagem numa cultura musical efêmera.

Phoebe Philo, estilista da grife francesa Céline, foi uma das que apostaram na beleza um tanto à moda antiga. Ela escolheu a escritora e ensaísta americana Joan Didion, 80, para aparecer de óculos escuros e em pose glamorosa na atual campanha da marca.

A decoradora americana Iris Apfel, 92, referência de estilo desde 2011, quando o Metropolitan Museum, em Nova York, organizou uma mostra de seu guarda-roupa, aparece na nova peça publicitária da grife Kate Spade New York.

Beirando os 70, a artista performática sérvia Marina Abramovic é uma das modelos da atual campanha da marca francesa Givenchy.

– É apenas uma beleza diferente. Existe a beleza dos 30, dos 40. Por que não haveria a dos 70, porra? – dispara Elke Maravilha, que aos 70 anos estrela a única campanha nacional com um modelo velho, a do estilista mineiro Lucas Magalhães, uma das grandes promessas da moda.

Como top dos anos 1960 e 70, Elke desfilou para estilistas como Zuzu Angel (1921-1976), de quem era amiga.

– Estou velha, sim, e acho horrível quem procura a juventude a todo custo, essa história de ‘sou velha, mas tenho espírito jovem’. A beleza de envelhecer é provar tudo o que a vida pode oferecer em diferentes momentos. Talvez seja essa a mensagem que os estilistas querem passar – afirma.

A coleção de cores vivas, inspirada no Nordeste, diz o estilista Lucas Magalhães, tinha tudo a ver com Elke.

– Minha geração cresceu vendo Elke na TV [como jurada do “Show de Calouros”, do SBT] e trabalhar com ela é resgatar memórias. Afinal, nós estilistas sempre estamos olhando o passado para ressignificar o presente – diz.

Para Zé Macedo, dono da agência One2One e responsável por gerir a carreira de tops como Alessandra Ambrósio, Carol Trentini e Lea T., esse movimento na moda é reflexo do crescimento da expectativa de vida das pessoas.

– Antes dizia-se que a vida acabava nos 50 anos. Na moda, era ainda pior. Uma modelo terminava a carreira com 30, no máximo – diz Macedo.

– Modelos, atrizes e músicos estão buscando outros meios para tornar sua carreira perene – afirma. – Nosso trabalho, hoje, é descobrir habilidades que mantenham essas pessoas no imaginário da cultura pop – finaliza.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document