quinta-feira, 15 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / História de Volta Redonda contada através da Floresta da Cicuta

História de Volta Redonda contada através da Floresta da Cicuta

Matéria publicada em 12 de setembro de 2018, 09:00 horas

 


Mostra “Revisitando um Estado de Sonho e Liberdade”, da artista plástica Jorgete Gac, pode ser conferida até esta quinta-feira (13)

Jorgete Gac tem a Floresta da Cicuta como inspiração – Foto: Divulgação

A Floresta da Cicuta é um patrimônio ambiental de Volta Redonda não apenas no que se refere à sua diversidade, mas também em razão do caráter imaterial para todos os cidadãos. Mas para a artista plástica Jorgete Gac, a Floresta é fonte de inspiração.
A artista está apresentando sua mostra “Revisitando um Estado de Sonho e Liberdade” no Espaço das Artes Zélia Arbex, na Vila Santa Cecília, até esta quinta-feira (13), com horário de visitação é das 8h às 18h. A exposição conta com obras em nanquim, fotos, computação gráfica e desenhos, resultado de cerca de 20 anos de trabalho.
– Meus trabalhos retratando a Mata da Cicuta tiveram início a partir da minha chegada em Volta Redonda, por volta de 1979. Eu fixei residência no bairro Sessenta e durante as minhas caminhadas, para exercitar e explorar o local me vieram as inspirações – explica a artista.
Jorgete explica que o nome da mostra foi escolhido por ela mesmo, que também foi responsável pela curadoria.
– A Mata me trazia um certo medo, todos nós temos medo do desconhecido, mas com o tempo fiz boas descobertas e o sonho vem da vontade de querer conhecer mais sobre a Floresta e a liberdade é o que ela me dá, em poder explorar sempre mais. É uma “Revisita”pois eu fiz essa volta e pude perceber as transformações do tempo – comenta.
A exposição conta com mais de 50 obras, novas e antigas, que retratam a evolução da cidade e as transformações ocorridas no decorrer dos anos.
– A mostra apresenta o passado e o presente de Volta Redonda a partir da Floresta da Cicuta e todo o seu entorno. Meu trabalho tem uma tendência expressionista e nele o público verá a humanização da floresta, com todo o seu movimento e transformação – conta.
Durante toda a exposição, Jorgete está presente acompanhando os grupos e o público em geral, dessa forma, segundo ela, o trabalho é apresentado de forma mais ampla.
– Temos recebido muitos grupos, principalmente das escolas do município, nesse período pude perceber que muitas das nossas crianças não conhecem a Floresta. Essa minha exposição está sendo a porta de entrada para muitas delas, isso é nítido no olhar e na curiosidade de cada uma delas – lembra.
Jorgete destaca que essa sua exposição contribui para enaltecer e mostrar para as novas gerações um pouco da história do lugar em que elas vivem.
– Temos que valorizar o que há de bom na cidade em que vivemos, ter um olhar diferente para o nosso bairro e ruas. Temos que aprimorar nosso olhar, perceber a natureza e a cultura da nossa cidade, isso gera crescimento em todas as áreas da educação, cultura e história – diz.
A artista conta ainda que os professores que acompanham os alunos destacam a importância de exposições como essa no desenvolvimento dos estudantes.
– Conhecendo o nosso local e a nossa cultura o crescimento é muito grande, tanto como alunos quanto cidadãos. Eles ampliam o conhecimento e isso se reflete dentro de sala de aula – afirma.
Ainda sobre a experiência de estar presente na exposição, Jorgete diz que está sendo prazeroso receber o feedback do público.
– Dou ao público a oportunidade de mostrar seu olhar sobre a minha obras, nisso eu consigo perceber a sensibilidade de cada um. Dessa forma fazemos uma troca, pois muitas vezes eles me mostram um olhar diferente do meu sobre a minha obra e isso é enriquecedor, tanto pra mim quanto pra eles – finaliza.
Sobre Jorgete Gac
Nascida em Três Rios, Rio de Janeiro, iniciou seu percurso artístico em 1987. Participou dos grupos de pesquisa Klee, Elas e aprofundou suas pesquisas em artes com Ronaldo Auad, Clécio Penedo, Iole de Freitas e Paulo Pasta. Atualmente faz parte do ateliê da Lia, na cidade do Rio de Janeiro e do grupo de discussão e pesquisa em arte, sob a coordenação de Joanice Vigorito.
Serviço:
A exposição “Revisitando um Estado de Sonho e Liberdade” pode ser conferido até esta quinta-feira (13) das 10h às 18h, no Espaço das Artes Zélia Arbex – Rua 14, Vila Santa Cecília, Volta Redonda.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

10 comentários

  1. Moradora de V. Redonda

    Gravura feia essa da foto. A floresta da Cicuta merecia homenagem melhor.

  2. E o fogo que queima a floresta duas vezes por ano, no mínimo, trazendo prejuízos para a fauna e a flora?!

  3. A Floresta e importante para toda regiao, Capoeirao de magnitude impar entre BM e VR. valeria a pena trabalhar um bom projeto de preservacao e ocupacao sustentavel entre a mata e as duas cidades. Um refugio e abrigo para passaros e bichos…..santuario verde ….um retiro espiritual que poderia ser integrado ao novo ZOO como um bercario genetico de fauna e flora regional. Linda floresta de nossa infancia e passeio com as naroradas….Eita Floresta boa.

  4. Gostava de ir a sede da fazenda ao lado do zoológico andar de bicicleta e pedacinho quando criança. Volta redonda precisa reaver essa joia. Não existe um local de lazer como esse na cidade.

  5. A mostra poderia ter sido perfeita se tivesse sido mesclada como o belíssimo e dedicado trabalho desenvolvido pela equipe da arie floresta da cicuta. Pesquisas de ponta tem sido desenvolvidas na floresta e os muitos grupos, principalmente das escolas do município que visitaram a mostra poderiam ter a oportunidade de ver além das obras expressionistas , ver também a realidade e a importancia de nossa floresta que não é somente um floresta e sim uma unidade de conservação federal administrada pelo Instituto Chico Mendes, ICMBIO. A ideia da mostra foi boa, mas faltou comunicação/conexão com a equipe da que certamente teria muito para enriquecer.

    • AQUELA floresta era administrada pelo SR JOÃO GUARDA FLORESTAL QUE MORAVA DENTRO DELA.MORADORES DE VOLTA REDONDA E REGIÃO RESPEITAVAM ELE E TINHA MUITO CARINHO POR ELE. ERA AREA DE LAZER DA NOSSA VIDA .

  6. Jornal está desinformado pois a maior parte da floredta da cicuta situa-se em território de Barra Mansa cerca de 85%.

Untitled Document