;
segunda-feira, 30 de novembro de 2020 - 23:03 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Hollywood se prepara para um retorno triunfal em 2021

Hollywood se prepara para um retorno triunfal em 2021

Matéria publicada em 13 de julho de 2020, 19:03 horas

 


Novas produções falam de aventura na selva e impérios galácticos

Duna: Enfrentando os gigantescos vermes da areia

Encarando um prejuízo bilionário com a pandemia do coronavírus, os estúdios de Hollywood se preparam para correr atrás do público em 2021. Várias superproduções de aventuras e ficção científica encontram-se em fase final de produção e devem chegar as telas no ano que vem. Os produtores contam com a reabertura dos cinemas na China, um dos mercados mais importantes do mundo inteiro. E não se esqueceram também da telinha e daqueles que preferem ver filmes dentro de casa.
Dwayne Johnson, que se especializou em filmes de aventura para toda família, será o herói de “Cruzeiro na Selva” (Jungle Cruise), filme que devia chegar aos cinemas em dezembro, mas que agora teve sua estreia adiada para 30 de julho de 2021. O filme é uma produção da Disney baseada em uma antiga atração do parque temático Disneylândia. Onde as pessoas entravam em um barquinho a vapor e percorriam um rio de uma floresta tropical, cheio de animais perigosos como jacarés e cobras imensas. Na versão para o cinema, Johnson é o capitão do barquinho a vapor e sua passageira é a loira Emily Blunt. O clima é de um filme daqueles do Indiana Jones, com animais fabulosos e perigos fantásticos.
Embora não tenha os músculos do Dawyne Johnson, Gerard Butler é outro ator que se especializou em filmes de ação. Ele é o astro de “Groenlândia”, filme catástrofe que tinha sua estreia prevista para agosto deste ano. Mas, aqui no Brasil ele não tem a menor chance de ser exibido em 2020. Os trailers disponíveis na internet mostram que “Groenlândia” é uma mistura de dois filmes: “Impacto Profundo” de 1998 e “2012” exibido em 2009. Butler é um pai de família que vê o mundo ser arrasado pelo impacto de um cometa interestelar. Como o John Cusack em “2012”, ele descobre que o governo construiu um abrigo na Groenlândia, onde um grupo selecionado de famílias poderá sobreviver ao cataclisma. Ele tenta levar a mulher e o filho para lá.
Já o cineasta Denis Villeneuve encontra-se dando os retoques finais em mais uma adaptação para o cinema da saga “Duna”, de Frank Herbert. “Duna” se passa em um império galáctico milhares de anos no futuro. Onde os cidadãos dependem de uma droga, chamada melange, para viajarem pelo espaço e prolongarem suas vidas. O problema é que a melange só pode ser encontrada no planeta deserto Arrakis. Habitado pelos gigantescos vermes da areia. Uma das obras primas da ficção científica, “Duna” teve a sua primeira versão para o cinema em 1984, em uma produção dirigida pelo cineasta David Lynch. Depois virou uma minissérie de televisão estrelada pelo William Hurt no ano 2000. A nova versão tenta ser ainda mais fiel aos romances de Herbert e escapar da ira dos fãs, que sempre criticaram alguns aspectos das versões anteriores.
“Duna” vai estrear em dezembro, mas apenas no Canadá. A distribuição para o resto do mundo fica condicionada ao fim da pandemia e a reabertura dos cinemas. O que só deve acontecer depois da vacinação em massa da população, no ano que vem. Antes disso poderemos ver a primeira versão cinematográfica de outro romance clássico da ficção espacial. Trata-se de “Fundação”, do escritor Isaac Asimov, que está virando uma série produzida pela empresa Apple, aquela que fabrica computadores pessoais. A Apple esta criando um canal de filmes por streaming e pretende conquistar o público com uma série futurista que terá grande apelo para o público nerd. Afinal, “Fundação” foi um dos romances que inspiraram George Lucas a criar sua “Guerra nas Estrelas”.
Como Star Wars, “Fundação” fala da decadência e queda de um império galáctico que abrange milhares de mundos da nossa Via Láctea. Como “Duna”, trata-se de uma saga contada em vários livros e o formato de série de TV é mais adequado para cobrir uma história que se estende por mais de mil anos. E como se trata de uma produção para TV, não teremos que esperar a reabertura dos cinemas para vê-la.

Aventura: Dwayne Johnson e Emily Blunt na selva

 

Jorge Luiz Calife

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document