quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / O Farol, o judeu em Paris e o novo nível do Jumanji

O Farol, o judeu em Paris e o novo nível do Jumanji

Matéria publicada em 16 de janeiro de 2020, 10:38 horas

 


Dwayne Johnson retorna ao mundo fantástico de Chris Van Allsburg; livro virou filme em 1995

A única novidade no circuitão é a nova aventura do Dwayne Johnson no universo do escritor Chris Van Allsburg. “Jumanji: Próxima Fase” é a quarta sequência do Jumanji de 1995, aquele estrelado pelo saudoso Robin Williams. O fortão Dwayne Johnson parece estar se especializando nesse tipo de filme de aventuras. No Cine Gacemss temos duas produções interessantes que não se encaixam no rótulo de “cinema pipoca”. “Synonymes” é baseado na história real de um israelense que tenta se instalar em Paris para fugir da loucura de seu país de origem. Já “O Farol” tem Robert Pattinson e o experiente Willem Dafoe em uma história sobre dois homens isolados em uma ilha inóspita.
Mas, voltemos ao Jumanji. Chris Van Allsburg é um conhecido autor americano de livros ilustrados para crianças. Há trinta anos ele teve uma ideia baseada em um antigo jogo de mesa sobre aventuras na África. Não a África real, mas aquela África mágica dos filmes do Tarzan e dos livros do Rider Haggard. No livro duas crianças começam a jogar o jogo e libertam um homem que ficou preso durante décadas naquele universo mágico. E como Jumanji é um jogo mágico a pequena cidade onde os meninos vivem é invadida por todo o tipo de criaturas vindas da selva mítica do game.

Jumanji: Da selva para as geleiras

O livro virou filme em 1995 com o Robin Williams no papel do prisioneiro do jogo. E foi um sucesso tão grande que Allsburg criou uma espécie de continuação. “Zathura: Uma Aventura Espacial”, que chegou aos cinemas dez anos depois, em 2005. Em “Zathura” dois meninos acham um velho jogo que também transporta as pessoas para um outro mundo mágico. Só que o mundo de Zathura é o espaço sideral, com alienígenas, robôs e um buraco negro. “Zathura” lançou a futura estrela Kristen Stewart e foi considerado por muitos críticos como um Jumanji 2.
Mas, como os produtores de Hollywood não perdem a oportunidade de reciclar sucessos antigos, um novo Jumanji, o terceiro filme baseado no livro original, chegou aos cinemas em 2017. “Jumanji: Bem-vindo à Selva” introduziu novos personagens interpretados pelo Dwayne Johnson, Jack Black e a ruiva Karen Gillan, a Nebula dos “Guardiões da Galáxia”. O antigo jogo de tabuleiro ficou obsoleto e agora Jumanji é um jogo de computador, que suga os participantes para um mundo virtual, ideia que os produtores copiaram de “Tron: Uma odisseia eletrônica”.
No novo filme, o quarto da série, os personagens precisam “entrar no jogo” para libertar um amigo que ficou preso lá dentro. A novidade é que além do cenário da selva africana agora temos um deserto e uma região de montanhas geladas que lembra o Nepal ou o Tibete. Não há muitas novidades, mas quem gostou do filme anterior vai se divertir com esse aqui.

O Farol: Os faroleiros e a sereia

Cine Gacemss

“Synonymes” ganhou o Urso de Ouro do Festival de Berlim e aborda os problemas modernos criados pela migração na Europa. Ele é baseado na experiência real do diretor-roteirista Nadav Lapid. Yoav é um jovem israelense que abandona seu país e tenta começar uma vida nova em Paris, na França. Ele quer apagar suas origens hebraicas e se tornar um cidadão francês. E passa a estudar um dicionário enquanto conta com a ajuda de um amigo que representa para ele a promessa da fraternidade francesa.
“O Farol” é um drama psicológico sobre dois faroleiros que ficam isolados em uma ilha inóspita depois de uma tempestade. O veterano e o novato não se relacionam muito bem e mergulham em alucinações provocadas pela bebida. Pattinson é aquele ator que ficou conhecido interpretando o vampiro do “Crepúsculo”. Ao lado da Kristen Stewart do “Zathura”. E seus únicos companheiros de elenco são o Willem Dafoe e a jovem Valeria Karaman que faz o papel de uma sereia criada pelas alucinações dos personagens.

Synonymes: O israelense que queria virar francês

 

Jorge Luiz Calife

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document