sexta-feira, 14 de maio de 2021 - 10:12 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / O robô rebelde do Neill Blomkamp

O robô rebelde do Neill Blomkamp

Matéria publicada em 16 de agosto de 2015, 12:00 horas

 


Fugitivo: Robô policial se torna um fora da lei (Foto: Divulgação)

Neill Blomkamp é aquele diretor sul-africano que adora fazer filmes sobre um futuro caindo aos pedaços. Ele ficou famoso com “Distrito 9”, filme de 2009 onde extraterrestres chegam na Terra e vão morar nas favelas da África do Sul. Em 2013 ele criou “Elysium”, onde o mundo inteiro virou uma favela e os ricos foram morar em uma imensa estação espacial em órbita da Terra. “Chappie” é o novo filme do diretor onde robôs policiais cuidam do combate ao crime e as desordens em Joanesburgo. Um desses robôs adquire consciência própria e foge, sendo ajudado por um grupo de dissidentes.
Curiosamente outros dois filmes, sobre robôs renegados, chegaram aos cinemas na mesma época. “Ex-Machina” e “A Máquina”. A diferença é que nesses dois os robôs são humanoides. Em “A Máquina” o androide fugitivo tem as formas de uma bonita loira. Não é o caso do “Chappie” que mostra robôs de metal mais clássicos, no estilo dos Transformers. Sharlto Copley, o ator favorito do Neill Blomkamp faz o herói da história. Em “Elysium” ele foi o vilão. Sigourney Weaver e Hugh Jackman são os malvados que querem destruir o robô renegado a qualquer custo.
Quando uma máquina adquire consciência própria ela cria uma situação que os especialistas em inteligência artificial chamam de “singularidade tecnológica”. Imagina-se que nesse caso o robô ou computador não obedeceria mais aos seus criadores. O que é visto como algo muito perigoso. No clássico “2001: Uma Odisseia no Espaço” o computador Hal 9000 tenta matar toda a tripulação da nave Discovery. Nos filmes do Exterminador do Futuro uma rede militar de computadores, a Skynet, também se torna independente e declara guerra aos humanos.
Mas alguns autores acham que uma inteligência artificial poderia conviver pacificamente com os seres humanos. É o caso do “Chappie”. Ele só quer sobreviver e fugir dos humanos que decretaram a sua extinção. Blomkamp deve ter visto aquele filme “Um Robô em Curto Circuito”, de 1986, que tinha um robô militar que também fugia e era adotado por uma família. “Chappie” é um filme rotineiro que serve para passar algumas horas.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document