segunda-feira, 25 de outubro de 2021 - 08:43 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Os erros do cinema no espaço

Os erros do cinema no espaço

Matéria publicada em 31 de julho de 2017, 13:06 horas

 


Falta roupa e bom senso em muitos filmes de sucesso

Os filmes de aventuras espaciais não param de fazer sucesso. Semana que vem teremos as aventuras de Valerian e sua companheira Laureline no filme do francês Luc Besson. Com um orçamento de mais de 200 milhões de dólares, Besson caprichou nos detalhes e até equipou seus heróis com roupas adequadas para o vácuo do espaço sideral. O que é coisa rara no gênero space opera. Vide o Starlord dos “Guardiões da Galáxia”, cujo traje espacial se resume a uma jaqueta de couro e uma máscara com óculos infravermelhos. Na vida real ele morreria em poucos minutos se saísse da nave com uma roupa assim.

Os “Guardiões da Galáxia” pertencem a uma linha de filmes onde o diretor diz “dane-se o realismo, a plateia não entende nada mesmo”. Uma tradição que começou no século passado quando George Lucas declarou que “Guerra nas Estrelas” não era ficção científica e, portanto, podia jogar a ciência pela janela. Prestem atenção na imagem, do filme “Guerra nas Estrelas: O Império Contra-Ataca”. Han solo e a princesa Leia saíram da Millenium Falcon para o interior de uma caverna dentro de um asteroide, no vácuo do espaço, usando simples máscaras de oxigênio!

Por que será que a Nasa não faz a mesma coisa, economizando milhões em complexos trajes espaciais? Simplesmente porque na ausência de atmosfera a temperatura em que a água ferve cai para menos de 37 graus centígrados. Mesmo com máscara de oxigênio o sangue de um astronauta ferve e ele morre em poucos minutos se não usar uma roupa hermética e totalmente pressurizada (sangue é 90% água).

Por que George Lucas e o diretor do filme, Irvin Kerchner, não equiparam Han e Leia com trajes adequados? Por achar que a plateia é burra e não vai reparar. Afinal, Lucas alugou várias roupas espaciais antigas para a sequência da cantina no filme anterior. Era só pegar duas delas e dar para o Harrison Ford e a Carrie Fisher vestirem. Para sobreviver em um asteroide, que não tem atmosfera, eles precisariam de um traje igual ao que o Bruce Willis usou no “Armageddon.” E depois falam mal do Michael Bay.

“Gravidade”, a aventura espacial da Sandra Bullock, também ignora algumas realidades do voo espacial. Bullock é uma astronauta moderna, trabalhando para a Nasa, mas fica rodopiando sem controle no espaço quando um acidente com o ônibus espacial a deixa a deriva no espaço. Todo astronauta da Nasa usa uma mochila chamada Safer com jatos de nitrogênio que estabilizam o usuário se ele se soltar da nave e ficar rodopiando. Outro erro do filme é mostrar a Estação Espacial Internacional e a Tiangong chinesa compartilhando da mesma órbita.

Quando Bullock tira a roupa espacial dentro da estação descobrimos que ela está de short e camiseta. Errado, por baixo do traje o astronauta da Nasa usa uma malha com tubos de refrigeração. O problema é que o diretor, Alfonso Cuaron, queria mostrar as pernas da atriz e dane-se o realismo.

Se os diretores não ligam para o realismo, os roteiristas não se incomodam com o bom senso. Os heróis espaciais dos filmes modernos fazem todo o tipo de tolices, como se fossem adolescentes entediados. Como os exploradores do filme “Prometheus”, que tiram os capacetes dentro de uma pirâmide alienígena cheia de formas de vida estranhas e potencialmente perigosas. Ou o biólogo do recente “Vida” que brinca com uma criatura desconhecida como se fosse seu bichinho de estimação.

“Valerian e a Cidade dos Mil Planetas” não ganhará nenhum prêmio por originalidade. Afinal, é a mesma ideia por trás das peripécias do Buck Rogers americano e sua parceira Wilma. Mas pelo menos Besson teve o bom senso de criar trajes e equipamentos adequados para seus heróis usarem no espaço. Até hoje, nos filmes modernos, os tripulantes da Millenium Falcon se vestem como se estivessem em um avião comum.

 

Han e Leia: De máscara de oxigênio em um asteroide

Han e Leia: De máscara de oxigênio em um asteroide

Bruce Willis: Adequadamente vestido para o espaço

Bruce Willis: Adequadamente vestido para o espaço

Bullock: Sem mochila e sem refrigeração

Bullock: Sem mochila e sem refrigeração

Valerian: Melhor equipado do que o Han Solo

Valerian: Melhor equipado do que o Han Solo

 

Por Jorge Luiz Calife

[email protected]


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Apesar dos erros científicos, dou um desconto se a história for boa. Nesta onda de filmes e séries do espaço, dou destaque para “Perdido em Marte” e a série da Netflix “The Expanse”, ambos baseados em séries literárias. Nesta última é interessante a preocupação dos autores em especular sobre a economia e a política da colonização humana do Sistema Solar. Outro ponto muito legal é mostrar os efeitos no corpo humano de períodos longos em alta aceleração e falta de gravidade. Pena que moramos no Brasil, senão poderíamos ter uma adaptação da série de ficção científica hard “Padrões de Contato”, lançado em um encadernado muito bonito pela editora Devir há alguns anos.

Untitled Document