domingo, 19 de maio de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Quando Hollywood vai para Marte

Quando Hollywood vai para Marte

Matéria publicada em 6 de agosto de 2018, 07:49 horas

 


Filmes mostram a evolução do conhecimento sobre o planeta

Conquista do Espaço: A beleza da jornada em technicolor

Marte, o planeta vermelho, sempre fascinou os produtores de cinema. Só Hollywood já mandou seus personagens para Marte uma dezena de vezes. Os melhores filmes sobre expedições ao planeta vermelho estão disponíveis em DVD. E são uma boa opção para reunir a família diante do home theater numa noite chuvosa. Quando as nuvens impedem a visão de Marte no céu.
Um dos primeiros filmes modernos sobre viagem a Marte é “Conquista do Espaço’, de 1954. Que saiu em DVD no Brasil, há um ano, pela coleção “cult classics”. “A conquista do espaço” começou como uma série de artigos publicados pela revista americana Colliers. Tentando prever como seriam as viagens espaciais os editores da Colliers consultaram os maiores especialistas da época, como o alemão Werner Von Braun. Depois ilustradores de renome deram forma as previsões dos cientistas. Que incluíam uma estação espacial giratória, em forma de roda e um ônibus espacial com asas delta.

Robinson Crusoé: Índios e alienígenas em Marte

A Paramount transformou tudo neste filme de aventuras. Como se imaginava na época, a viagem a Marte é uma operação militar. A estação espacial é um “clube do bolinha” onde as mulheres só aparecem nos vídeos transmitidos da Terra. Num deles vemos a cantora Rosemary Clooney, tia do George Clooney, cantando e dançando com um grupo de bailarinas.
Os efeitos visuais foram feitos com maquetes, já que não existiam efeitos de computador naquela época. As cenas espaciais tem uma beleza onírica com destaque para o pouso em Marte e o encontro fatal com um asteroide.
Outro clássico é “Robinson Crusoé em Marte” filmado em 1964, em plena corrida espacial. O filme esta disponível em Blu-Ray da Criterion collection. E foi dirigido pelo mesmo Byron Haskin da “Conquista do espaço” aí em cima. A fita é uma versão espacial do clássico romance de aventuras de Daniel Defoe. Só que aqui o naufrago é um astronauta americano, o coronel Christopher Draper, que fica preso em Marte depois de um acidente com sua nave espacial. O filme foi rodado no Vale da Morte, no deserto do Arizona, que fornece um ambiente realmente extraterrestre para a história. No lugar dos piratas da história original nosso herói é perseguido por alienígenas. Mas o que torna o filme um clássico são os cenários espetaculares que transmitem a sensação de se estar em outro mundo, totalmente inexplorado.
Outro filme empolgante sobre uma expedição problemática ao planeta vermelho é “Missão Marte” que Brian de Palma dirigiu para a Disney no ano 2000. “Missão Marte” foi baseado no projeto “Mars Direct” do engenheiro espacial Robert Zubrin. E serviu para divulgar uma atração do parque Disneyworld, onde os visitantes entravam num simulador de viagem a Marte. A trama tem muitos elementos em comum com o clássico “2001” do Stanley Kubrick como a busca de vida extraterrestre e a origem da vida na Terra. E pelo menos duas cenas que deixam o espectador sentado na beira da poltrona.

Missão Marte: Astronautas enfrentam o desconhecido

E finalmente temos o moderno “Perdido em Marte” que o Matt Damon estrelou em 2015. A história é muito semelhante a do “Robinson Crusoé em Marte”, só que desta vez não temos extraterrestres. Quando o filme foi produzido, há três anos, os robôs da NASA já tinham vasculhado a superfície marciana e eliminado de vez todas as fantasias sobre faces, marcianos e discos voadores.
Mesmo assim a história do astronauta que cultiva batatas para sobreviver em Marte prende a atenção do espectador. Como em “Missão Marte” as cenas “marcianas” do filme foram rodadas no deserto da Jordânia. Se tudo correr bem, os astronautas devem descer de verdade, em Marte, na próxima década e teremos documentários rodados no Marte real. Que não vai ser tão empolgante quanto o Marte do cinema.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document