Relembrando bons tempos - Diário do Vale
sábado, 25 de setembro de 2021 - 20:39 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Relembrando bons tempos

Relembrando bons tempos

Matéria publicada em 11 de novembro de 2014, 18:58 horas

 


Exposição ‘ETPC: Marcas de Uma Vivência’ pode ser conferida até dia 20 no Centro Cultural Fundação CSN, em Volta Redonda

Visitantes podem ver fotografias, objetos, documentos e uniformes

Visitantes podem ver fotografias, objetos, documentos e uniformes

Como encerramento das comemorações especiais pelos 70 anos da Escola Técnica Pandiá Calógeras, o Centro Cultural Fundação CSN, em Volta Redonda, está apresentando a exposição “ETPC: marcas de uma vivência”. A mostra serve para relembrar as sete décadas de funcionamento da escola, suas histórias, sua evolução e, principalmente, as pessoas que passaram por suas salas de aula e ajudaram a transformar a instituição em uma instituição que sempre primou pela inovação.
A exposição reúne peças importantes que contam muito do que a ETPC representa para quem conviveu com a escola, além de sua importância para o desenvolvimento de Volta Redonda e região. Os visitantes podem ver fotografias, objetos, documentos, uniformes, entre outras peças, que, de forma poética, ilustram “as marcas deixadas pela escola na vida das pessoas que por lá passaram, e passam, durante o período de formação educacional, de trabalho e, principalmente, de vida”.
O supervisor cultural da Fundação CSN, Helder Oliveira, destaca o espírito e o sentimento com que a exposição foi pensada e o que os visitantes poderão absorver.
– As histórias, as lembranças vividas por alunos, professores e funcionários traduzem uma ETPC como um espaço palimpsesto, que guarda marcas sobrepostas de inúmeras ações ali vivenciadas. As marcas das gerações passadas estão presentes por todo o espaço da escola e, principalmente, no imaginário de cada um. A geração atual não apaga tais marcas, e sim as sobrepõem com novas ações, novos desejos, novas iniciativas, novas vivências – diz.
O diretor da ETPC, Rogério de Paiva Lima, garante que a exposição emociona todos que a visitam, em especial aqueles que tiveram suas vidas influenciadas pela vivência no dia a dia da escola.
– Essa exposição de 70 anos da ETPC busca eternizar, através da memória, um pouco do muito que ela já passou. Rostos, imagens, objetos, lembranças e outras marcas contribuem para celebrar e jamais esquecer uma história tão bonita. É um momento muito especial desse ano tão importante na história da escola e vai ficar marcado para sempre – comenta Rogério.

Interatividade é destaque

“É uma exposição diferente”. Dessa forma que o estudante Carlos Henrique Ranieri definiu a exposição “ETPC: marcas de uma vivência”. A exposição fecha a programação especial montada para comemorar os 70 anos de fundação da escola técnica.
O que chama a atenção do estudante e também de muitas outras pessoas que visitam a mostra, é a forma interativa com a qual os visitantes se relacionam com toda a atmosfera criada para destacar o papel de cada pessoa na trajetória de sete décadas da ETPC. Além disso, há o incentivo para que as pessoas que fizeram parte da história da escola também interajam com a exposição ao emprestar itens ou objetos que tenham um simbologismo para si ou para a própria instituição.
A exposição segue aberta ao público até o dia 20 de novembro e até lá, todo visitante que já fez parte da escola de alguma forma pode deixar no espaço da galeria uma foto, objeto ou documento do período em que fez parte da instituição. O visitante também é convidado a gravar um depoimento em vídeo para ser exibido dentro da galeria durante o período de exposição.
– Essa é uma forma de fazer com que cada pessoa ajude a contar mais dessa história bonita que a ETPC tem na região. Isso torna a exposição mais humanizada e a faz ficar mais viva, com coisas novas e diferentes a cada visita. Além disso, desperta ainda mais o orgulho naquelas pessoas que vivenciaram parte dos 70 anos da escola e que fazem questão de demonstrar esse carinho e respeito que sentem – destaca a arte-educadora da Fundação CSN, Giane de Carvalho.
Além das peças expostas, o visitante conta com um espaço de audiovisual onde pode assistir aos depoimentos gravados pelos visitantes e a projeção de trechos de um vídeo-documentário criado pelos alunos do curso de Comunicação Social do UniFoa (Centro Universitário de Volta Redonda). O vídeo traz, além de depoimentos, imagens históricas contando momentos importantes dos 70 anos de serviços prestados pela escola.
A versão completa do vídeo segue sendo exibida na programação do Cine Clube, todas as quintas-feiras, com sessões às 9h e 15h, durante o período em que a exposição permanecer em cartaz, e para turmas em visitas mediadas e agendadas previamente.

Serviço

A exposição ‘ETPC: Marcas de Uma Vivência’ pode ser conferida no Centro Cultural Fundação CSN, na Rua 21, Vila Santa Cecília, Volta Redonda, até dia 20 de novembro. O horário de visitação é das 9h às 12h30 e das 14h às 18h. Sábado sob agendamento. A entrada é gratuita. Mais informações pelo telefone (24) 3343-3990.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document