quarta-feira, 8 de dezembro de 2021 - 09:13 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Sara Bentes divulga primeiro CD solo de sua carreira, álbum ‘Invisível’ será lançado hoje na internet

Sara Bentes divulga primeiro CD solo de sua carreira, álbum ‘Invisível’ será lançado hoje na internet

Matéria publicada em 25 de fevereiro de 2015, 06:22 horas

 


Canções trazem a versatilidade da cantora

Ano de realizações: Além do novo CD, Sara pretende lançar livro sobre sua aventura na Tailândia  (Foto:Divulgação)

Ano de realizações: Além do novo CD, Sara pretende lançar livro sobre sua aventura na Tailândia (Foto:Divulgação)

Depois de discos promocionais, um disco infantil em grupo e projetos paralelos, O CD “Invisível” foi esperado por anos e, é o primeiro disco solo da cantora e compositora Sara Bentes. Entre a MPB e o pop, o disco não se define facilmente, traz a versatilidade peculiar de Sara, mas sem perder a identidade de um som elegante e alto astral, com suas doses de molecagem e ousadia.

– É, um disco que é bom para sentir, bom para pensar, bom para dançar, bom para só ouvir – define a própria artista.

O primeiro lançamento, online, acontece hoje, no Itunes e demais sites oficiais de venda de música. Sara tem buscado apoios para os shows de lançamento que estão sendo programados. Tanto o CD quanto o mp3 poderão também ser adquiridos pelo link (www.sarabentes.com.br/page/loja/).

O novo álbum traz na ficha técnica nomes de peso como os do saxofonista Josué Lopes, do guitarrista Fernando Caneca, do arranjador e saxofonista Marcelo Martins e do trompetista Jessé Sadoc. O “Invisível” nos brinda com uma canção do Marcelo Camelo, uma parceria de Sara com o maestro italiano Giovanni Allevi, outra com o rapper paulistano Billy Saga e outra com o guitarrista Júlio Ribeiro, além de sete composições assinadas somente pela cantora, que assina também, ao lado do compositor multi-instrumentista Luiz Otávio, a produção musical.

A diversidade temática e instrumental, os criativos arranjos vocais e arranjos de cordas da Sara, os instrumentos acústicos em contraponto com a presença sutil de batidas eletrônicas aqui ou ali, canções melodiosas e uma interpretação vocal dinâmica e cheia de emoção, dentre outras surpresinhas, já dão a dica do sabor que o disco deixa na razão e no coração.

 

Trechos do CD

 

Versos como “Cada dia, minha história, compondo o quebra-cabeça do infinito quadro que sou eu”, de “Todo dia”, faixa que abre o CD e que já chega com um solo de guitarra cantado junto pela voz de Sara, ou como “Espera, espera, eu chego aí pra gente cantar no banco de uma praça fria; choro uma nota, chora a outra, e nosso pranto vira melodia”, do primeiro single do disco, a faixa “Pra te ver dançar”, ou como “Quero entender o que pensa você, diz minha onda telepática que acabou de passar por aí e você nem viu, tava aí, já tá aqui, olha agora, já passou…”, do pop-rock “Invisível”, faixa que dá o nome ao disco, ou como “Canção que toca no teu peito eu quero ouvir, pra ver se cabe o meu canto de amor aí”, da romântica “Acolhendo”, que esbanja paixão no solo de sax do Josué Lopes, ou como “Se eu posso enxergar além de imagens, luz e cor, me faz voltar à casa uma música de amor, que me afaga o peito e depois já quer voar, então canto e mais forte ela retornará”, de “Back to life (Voltar à casa)”, uma das faixas que traz um intenso diálogo entre piano acústico e quarteto de cordas, e como “Perfume que te alegra lembrando alguém, é quem te faz rir às 6 da manhã, parceria em que não se sabe mais que nota é de quem, em tudo que for melhor ou tão bonito, eu acredito”, da faixa “Acredito”, que fecha o trabalho no mesmo tom positivista do início, traduzem bem toda a poesia provocante e revigorante de Sara e a alma do novo trabalho. Uma produção independente, o projeto traz ainda como destaque o samba “Choro sara”, o baião “O mundo fala”, ambas composições premiadas da artista, e, é claro, a própria voz da Sara, uma intérprete premiada no Brasil e no exterior e que carrega na bagagem atuações no teatro, na literatura e no circo. Sobre o título, “Invisível”, a autora declara.

– Quis que este trabalho nos remetesse a algo muito bom, já que o melhor que há no mundo e nas pessoas é invisível – fala.

 

Sara na Tailândia

 

As experiências vivenciadas nessa aventura estão sendo escritas

pela cantora e o relato pode virar um livro

 

Depois de já ter levado nossa música brasileira para os Estados Unidos, Inglaterra, Itália e Argentina. Sara agora soltou a voz e levou as mensagens de suas canções para o outro lado do planeta e se apresentou na Tailândia. Concorrendo com músicos de todo o mundo, Sara foi selecionada, ao lado de artistas da Suécia, Indonésia, Camboja, Laus, Itália, Quênia e outros, para participar do “The III Thailand International Blind Music Festival – rhythm and blind”, e foi à única representante do nosso país. Promovido pela Tahiland Association of the Blind – TAB, o festival aconteceu em três etapas: a primeira na capital Bangkok, a segunda em Phuket e a terceira em Chiang Mai, onde Sara se apresentou, nos dias 13 e 14 de fevereiro. Os dois shows aconteceram ao ar livre, em um parque público, e Sara, acompanhada pela banda tailandesa Jazz Bacanus, formada por grandes apreciadores da música brasileira, interpretou algumas de suas composições e algumas das mais conhecidas canções brasileiras em todo o mundo. Para Sara, a participação no festival e os shows na Tailândia representam uma experiência muito particular, já que ela viajou sozinha. Por problemas de patrocínio, o festival não conseguiu bancar as passagens de um acompanhante para a cantora, que decidiu encarar o desafio mesmo assim, sem nenhum conhecido no país distante.

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. ariela lenzi weiss

    é isso! prata (ou ouro) da casa, da cidade de volta redonda!
    cantora, compositora, arranjadora.
    parabéns, sara, parabéns, volta redonda!

  2. Parabéns Sara Bentes

    Muito bom! A Sara Bentes canta muito e tem uma voz para colocar muitos cantores no bolso. E o melhor: ela é voltaredondense! Ela não merece ser taxada de ÊTA POVINHO

Untitled Document