>
terça-feira, 5 de julho de 2022 - 21:02 h

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Supergirl ganha uma nova temporada

Supergirl ganha uma nova temporada

Matéria publicada em 27 de junho de 2016, 09:30 horas

 


Série da Warner resgata o estilo da ‘era de prata’; Melissa Benoist criou um estilo próprio para a personagem

Correta: Supergirl com o Flash na sede da DEO

Correta: Supergirl com o Flash na sede da DEO

 

A nova Super-moça da televisão cumpriu sua missão e terminou com sucesso uma primeira temporada de vinte episódios. E com a popularidade dos filmes de super-heróis a moça de aço ganhou o direito de continuar salvando o mundo em mais uma temporada. Só vai mudar de canal lá nos Estados Unidos, saindo da CBS TV e indo para a CW. Tomara que não mudem o estilo da série, cuja primeira temporada foi bem no estilo dos quadrinhos da chamada “era de prata”.

Melissa Benoist, 27 anos, criou um estilo próprio para a personagem. Entre a versão ingênua da Helen Slater no filme “Supergirl”, de 1984, e o estilo agressivo, quebrando tudo, da Laura Vandervoort, que interpretou a personagem na série “Smallville”, entre 2009 e 2011. A Supergirl da Melissa Benoit é animada, entusiástica e parece achar uma maravilha a rotina de uma super heroína. Ela é a antítese do super-herói neurótico e amargurado, estilo Batman, e não vive preocupada em esconder sua identidade secreta. Até o Jimmy Olsen já sabe que a loirinha veio de Kripton.

“Supergirl” recuperou o prazer de se assistir a um seriado de super-heróis. Em parte isso se deve ao fato de a série ter começado em uma grande rede de televisão. Onde os roteiristas precisam criar uma atração que agrade a família inteira e não apenas ao adolescente nerd. A situação do seriado, criado por Greg Berlanti, é semelhante ao da série “Lois e Clarke” nos anos de 1990. Que também buscava atingir um público amplo, das crianças aos adultos. Ela é o contrário do Superboy de “Smallville”, que vivia complexado, achando-se culpado de tudo que acontecia de ruim. A Kara Danvers da Melissa Benoist vive de bem com a vida e até curte uma festinha sempre que os supervilões dão uma trégua.

A história básica da personagem não foi mudada. Kara tinha 12 anos quando seu planeta, Kripton, explodiu. Ela foi salva pelos seus pais, Alura e Zor-El, que colocaram a menina em uma cápsula espacial. Era um costume de família já que o primo da menina, Kal-El, foi mandado para a Terra ainda bebê na mesma época. O problema é que a cápsula com a jovem Kara ficou presa na zona fantasma durante 24 anos. E teria ficado lá para sempre se a androide Índigo (Laura Vandervoort no melhor papel de sua carreira) não tivesse empurrado o casulo espacial na direção da Terra.

Chegando ao nosso planeta a menina é encontrada pelo Super-Homem, que já se tornou adulto no tempo em que ela ficou congelada no espaço. Ele entrega Kara para o casal Danvers. Interpretados pelo Dean Cain (o Superman de Lois e Clarke) e Helen Slater (a Supergirl de 1984). Aos 24 anos a jovem vai trabalhar em uma empresa jornalística, a CatCo, dirigida por uma ex-colunista do Planeta Diário. O jornal onde o primo dela trabalha. Seus planos de viver uma vida tranquila acabam quando ela descobre que a Terra está cheia de criminosos do planeta Kripton. Que fugiram para cá quando o planeta explodiu.

Kara forma uma dupla com sua irmã de criação Alex, que trabalha para o Departamento de Operações Extra-Normais. Uma organização semi secreta que protege nosso planeta de alienígenas. Entre os melhores episódios da primeira temporada tivemos “Para a garota que tem tudo” onde Kara sofre os efeitos daquela planta que atacou o seu primo na graphic novel do Alan Moore. E imagina como seria a sua vida se Kripton não tivesse explodido.

Entre os supervilões o destaque é a tia dela, Astra, irmã gêmea de Alura, que veio para a Terra com o marido Non. E a androide azul Índigo, que é uma versão feminina do Brainiac dos quadrinhos.

Mas o melhor de tudo é o estilo do seriado. Que vai de encontro a moda do super-herói violento e neurótico. Kara não fala palavrão, não tenta matar ninguém e adora seus pais adotivos. O que é uma raridade hoje em dia. Os 20 episódios vão sair em DVD ainda este ano.

Perigo: Enfrentando a andróide azul

Perigo: Enfrentando a andróide azul

 

Por Jorge Luiz Calife

[email protected]

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Parabéns pela matéria, os fãs agradecem matérias sobre tv e cinema como essa.

Untitled Document