quinta-feira, 6 de agosto de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Mosaico / Confiança pós pandemia

Confiança pós pandemia

Matéria publicada em 19 de junho de 2020, 20:09 horas

 


A pandemia provocou uma queda de atendimentos em 50% no hospital da Unimed Volta Redonda.
***
Mesmo assim, a cooperativa optou por não tirar o pé do acelerador e manteve em andamento projetos como a expansão do seu hospital e a estruturação do centro oncológico, que representam um investimento de R$ 90 milhões.
***
O presidente da cooperativa, Luiz Paulo Tostes Coimbra, explica que vai haver uma retomada por serviços de saúde e a Unimed vai sair fortalecida e preparada para atender essa demanda.

Limpeza

O Palácio 17 de Julho, sede da prefeitura de Volta Redonda, passou por serviços de sanitização e higienização contra a Covid-19, o Novo Coronavírus, nesta sexta-feira, dia 19. Os prédios onde funcionam o Furban (Fundo Comunitário de Volta Redonda) e a Seplag (Secretaria Municipal de Planejamento e Modernização da Gestão), e a Rodoviária Municipal também receberam a limpeza.

Produtos

A lavagem dos locais é realizada com uso de água clorificada e pulverização do produto bactericida. Por isso, o atendimento ao público nesses locais ficou suspenso durante o dia. Cerca de 40 pessoas estão envolvidas na limpeza dos prédios, com o auxílio de dois carros pipa.

Suspenso

O prefeito Samuca Silva comentou que por conta dos produtos químicos o atendimento teve que ser suspenso. “Precisamos cuidar da saúde dos nossos servidores. E assim como os demais pontos que passam pelo processo de higienização, a prefeitura é um local de muita circulação de pessoas”, disse o prefeito.

Período

As equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura fazem a sanitização da cidade, em pontos estratégicos de comum aglomeração, todos os dias. Os hospitais, Centros de Triagem de Covid-19 e agências bancárias recebem o serviço uma vez por semana, enquanto os centros comerciais são sanitizados quinzenalmente.

Em caixa

O Governo do Estado repassou nesta semana R$ 168 milhões para os 92 municípios fluminenses. O depósito feito pela Secretaria de Fazenda refere-se ao montante arrecadado no período de 08 a 12 de junho. Os valores correspondem à distribuição dos tributos IPI, ICMS e IPVA às administrações municipais.

Valor

O total depositado no mês de junho foi de R$ 279 milhões. Desde o início deste ano, ao adicionar as cotas-parte e os repasses relacionados às transferências federais e à receita diretamente arrecadada pelo Estado, os municípios receberam um total acumulado de R$ 5,52 bilhões.

Depósitos

Os depósitos semanais são feitos por meio da Secretaria de Fazenda, conforme prevê a Lei Complementar nº 63, de 11 de janeiro de 1990. As consultas dos valores dos exercícios anteriores podem ser feitas no Portal do Tesouro do site da Fazenda (www.fazenda.rj.gov.br).

Legislação

Os valores semanais transferidos aos municípios fluminenses variam em função dos prazos fixados na legislação vigente. Dependendo do mês, pode haver até cinco datas de repasses. As variações destes depósitos oscilam conforme o calendário mensal, os prazos de recolhimento tributário e o volume dos recursos arrecadados. A agenda de recolhimento tributário pelos contribuintes está concentrada no dia 10 de cada mês.

Índice de Participação dos Municípios

Os repasses aos municípios da arrecadação de Royalties do petróleo e dos tributos IPI e ICMS são liberados de acordo com os respectivos Índices de Participação dos Municípios (IPM), apurados anualmente para aplicação no exercício seguinte, conforme determina a Constituição Federal e observado o disposto na Lei Complementar Federal nº 63, de 11 de janeiro de 1990, nas Leis Estaduais nº 2.664, de 27 de dezembro de 1996, e nº 5.100, de 04 de outubro de 2007, e no Decreto Estadual nº 46.889, de 20 de dezembro de 2019.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar
    30% de desconto já e retroativo

    Tem mais que construir mesmo, só na minha casa tem duas pessoas que juntas pagam R$3.500,00 de plano devido a faixa etária e não usam a 4 meses porque tem de fazer isolamento social enquanto outros ficam pra cima e para baixo nas ruas, lojas, até bares etc.. Só aqui no meu convívio são R$14.000,00 sem retorno e sem despendio para a operadora de plano de saúde, isso é muito injusto um verdadeiro absurdo. Em tempo, quantos casos igual ao meu nesses momento de isolamento está rendendo dinheiro as operadoras de planos de saúde?

    • Avatar

      Idoso paga muito porque usa muito. O problema são os altos valores pagos por quem usa pouco em muitos anos de pagamento. Pessoas mais jovens e mais saudáveis que pagam pelos doentes para equilibrar essa “balança solidária” que compõe todo tipo de fundo cumulativo, de seguro a plano de previdência…

  2. Avatar

    Acho que está garantido para os próximos meses os pagamentos dos RPA e Comissionados com a chegada dessa verba af af.

Untitled Document