>
terça-feira, 5 de julho de 2022 - 22:35 h

TEMPO REAL

 

Capa / Mosaico / Discussão de diretrizes para a Cultura

Discussão de diretrizes para a Cultura

Matéria publicada em 31 de outubro de 2017, 22:30 horas

 


REUNIÃO CULTURA RIO DE JANEIRO (2)

A diretoria do Fórum Estadual de Secretários e Dirigentes Municipais de Cultura do Estado do Rio de Janeiro se reuniu na última segunda-feira, dia 30, na Associação dos Antigos Funcionários do Banco do Brasil, em Duque de Caxias.

***

O objetivo do encontro foi dar continuidade aos trabalhos que vêm sendo desenvolvidos desde a reativação do Fórum, em maio de 2017.

***

Regulamentado na Lei 7.035/2015, ele possibilitará a participação e atuação dos Gestores Municipais, em especial os dirigentes de Cultura, na formulação de diretrizes de uma política cultural comum, respeitando as características e a diversidade cultural de cada região fluminense.

 

Presenças

Estiveram presentes o presidente do Fórum e superintendente da Fundação Cultura Barra Mansa, Marcelo Bravo; a vice-presidente Daniele Marques, de Duque de Caxias; o segundo secretário Luis Claudio Oliveira, de Guapimirim; a diretora de comunicação Denise Assis, de Resende e a Deputada Estadual Fatinha, também membro da Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa, que se comprometeu em levar as pautas do Fórum para conhecimento da Alerj. O Secretário de Cultura de Petrópolis e Diretor de Integração do Fórum, Leonardo Randolfo, participou da reunião por meio de vídeo conferência.

 

Opinião

Para o superintendente da Fundação Cultura Barra Mansa, o Fórum dinamizará o tema no estado. “Há mais de dez anos os gestores públicos de cultura do Estado do Rio de Janeiro não se reuniam para debater o setor de forma organizada e democrática. Com a formação desse grupo, o Fórum se consolida como um importante espaço para debate, articulação e intercâmbio das políticas culturais desenvolvidas em todo o estado, com função consultiva e opinativa sobre as políticas regionais do setor”, afirmou Marcelo Bravo.

 

Pauta

Durante a reunião, a pauta discutida incluiu a campanha de incentivo aos municípios para a criação das secretarias autônomas, revisão da carta sobre o Fundo Nacional de Cultura ao Ministro da Cultura, o acompanhamento das comissões regionais, além da convocação para a próxima assembleia geral do Fórum, prevista para o dia 24 de maio de 2018, em Petrópolis. Foi criada ainda a campanha “Na minha cidade, cultura é cultura!” que será lançada no dia 18 de janeiro de 2018 em Campos.

 

Bens indisponíveis

Após ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ), a Justiça Federal em Barra do Piraí (RJ) determinou a indisponibilidade de bens dos então vereadores Salvador de Souza e Genaro Eurico Rocha, esse último ex-presidente da Câmara Municipal de Valença, e do ex-secretário municipal de saúde, Sérgio Gomes da Silva, por suspeita de liberarem indevidamente doses da vacina contra a gripe Influenza H1N1 para benefício pessoal e de familiares, em detrimento do grupo prioritário taxativamente definido pelo Ministério da Saúde.

 

Valores

Salvador de Souza e Genaro Eurico da Silva tiveram a indisponibilidade de bens determinada em cerca de R$ 98 mil, e Sérgio Gomes da Silva em cerca de R$ 89 mil, valores referentes ao custo das vacinas mais multa de 10 vezes a remuneração de cada um.

 

Ações

O MPF propôs ação civil pública por ato de improbidade administrativa após apurar que, entre os dias 13 e 19 de abril de 2016, os réus teriam autorizado indevidamente a aplicação da vacina contra a gripe Influenza H1N1, fornecidas pelo SUS, a parentes de vereadores, servidores da Câmara Municipal de Valença e funcionários do Hospital Universitário – pessoas não inseridas no grupo prioritário da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, formado por crianças entre 6 meses e 5 anos, gestantes e portadores de doença renal crônica.

 

Gravidade

Na ação, o MPF destaca que a gravidade dos atos é ainda maior, já que, à época, foram pessoas identificadas pessoas infectadas com o vírus da doença na cidade de Valença, ocorrendo inclusive uma morte. Além disso, os três acusados se utilizaram do poder hierárquico dos cargos que ocupam para constranger as enfermeiras e um motorista a praticar suas ordens ilegais, configurando, segundo interpretação do procurador da República Lucas Horta, autor da ação, “nítido assédio moral”.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Não entendi. São dois assuntos divergentes na mesma matéria?

    • Rapaz, vc não entendeu por pura limitação cognitiva e intelectual. Os assuntos distintos, e não “divergentes” (putz tem dicionário online 0800, viu?), estão na mesma coluna (Mosaico) e não na mesma matéria.

Untitled Document