>
sexta-feira, 24 de junho de 2022 - 19:42 h

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / Bolsonaro pede que novos diplomatas trabalhem por ‘um Brasil aberto’

Bolsonaro pede que novos diplomatas trabalhem por ‘um Brasil aberto’

Matéria publicada em 3 de maio de 2019, 18:30 horas

 


Presidente afirma que o governo manterá concurso para a carreira diplomática

Bolsonaro participa de solenidade e cobra atuação de diplomatas mais alinhada ao governo
(Foto: Agência Brasil)

Brasília- O presidente Jair Bolsonaro participou nesta sexta-feira (3) da formatura dos novos diplomatas brasileiros, em cerimônia no Palácio Itamaraty, em Brasília. Em seu discurso, Bolsonaro orientou que trabalhem por um Brasil aberto aos grandes fluxos econômicos, conectados aos centros tecnológicos, e na defesa da democracia.
– Estudem as correntes de comércio e como aumentá-las, mas estudem também as correntes de pensamento. O mundo é um grande fluxo de bens e mercadorias, mas também é cada vez mais um grande fluxo de ideias, e são as ideias que determinarão as estruturas do poder político e econômico no futuro – disse.
Bolsonaro pediu ainda que os novos diplomatas tenham humildade de reconhecer as limitações do Brasil e ousadia para trabalhar a fim de superá-las. “Busquem compreender o Brasil e defendê-lo e não permitam que nosso país seja definido de fora, com base em conceitos e interesses alheios”, orientou.
O Ministério das Relações Exteriores celebra nesta sexta-feira o Dia do Diplomata, quando relembra o nascimento do Barão do Rio Branco, patrono da diplomacia brasileira.
O presidente afirmou ainda que o governo manterá o concurso público anual que seleciona alunos para o Instituto Rio Branco, órgão de formação de diplomatas do ministério. A turma 2017-2019 do Instituto Rio Branco é composta de 30 diplomatas brasileiros, aos quais se somam sete diplomatas da Argentina, Cazaquistão, Guiné Bissau, Japão, Moçambique e Timor-Leste.
A patrona escolhida pela turma é Aracy de Carvalho Guimarães Rosa, conhecida como o “Anjo de Hamburgo”, por ter salvado a vida de dezenas de judeus, aprovando seus pedidos de visto ao Brasil, durante a 2ª Guerra Mundial. Por seu gesto de humanidade, Aracy foi reconhecida como “Justa entre as Nações”, título conferido pelo Museu do Holocausto, em Jerusalém, aos não judeus que arriscaram a vida na segunda guerra. Seu nome figura ao lado de Oskar Schindler e do embaixador do Brasil em Paris no período de 1922 a 1943, Luiz Martins de Souza Dantas.
– Sigam o exemplo da patrona de vocês, Aracy Guimarães, que foi além de dever burocrático e assumiu seu dever moral, salvando centenas de judeus da morte do Holocausto, movida por seus valores profundos e não por regras abstratas. Mostrou que aqueles que fazem a política externa precisam olhar o ser humano em sua realidade concreta – disse o presidente Bolsonaro aos formandos.
A paraninfa da turma é a embaixadora Eugênia Barthelmess, atual diretora do Departamento de América do Sul do Itamaraty. Em seus 30 anos de serviço ao Brasil, Eugênia serviu na missão do Brasil junto à Organização dos Estados Americanos em Washington, na embaixada em Quito e na missão do Brasil junto à União Europeia em Bruxelas.

Venezuela

Em seu discurso aos formandos, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que a política externa brasileira ajudou “de maneira decisiva a criar uma marcha irreversível rumo à democracia na Venezuela e na região”.
Ele lembrou que o Brasil participa do esforço diplomático do Grupo de Lima, que volta a se reunir hoje, na capital peruana, para discutir os desdobramentos da crise política venezuelana. “O mundo todo tem hoje os olhos postos na Venezuela, porque ali se dá um combate entre a democracia e a opressão, entre a verdade e o cinismo”, afirmou o chanceler.
O Grupo de Lima divulgou nota na terça-feira (30) pedindo que as Forças Armadas venezuelanas apoiem Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e autoproclamado presidente interino do país. A Venezuela vive dias de conflitos nas ruas após Guaidó convocar protestos contra o atual presidente Nicolás Maduro.
O Grupo de Lima é formado por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela.
O presidente Jair Bolsonaro também comentou a situação no país vizinho e reafirmou que há fissuras nas patentes mais baixas do Exército venezuelano, que ele espera que subam para os altos escalões dos generais. “Se não enfraquecer o Exército da Venezuela, o Maduro não cai”, disse. “Não temos o que conversar com ele [Maduro], o que nós queremos, no meu entender, ele não vai ceder”.
Bolsonaro mostrou ainda preocupação com o futuro político da Argentina. “Além da Venezuela, a preocupação de todos nós deve voltar-se um pouco mais ao sul, para a Argentina, para quem poderá voltar a comandar aquele país. Não queremos, acho que o mundo todo não quer, uma outra Venezuela mais ao sul do nosso continente”, disse.
A ex-presidente Cristina Kirchner lidera as pesquisas para as eleições na Argentina deste ano, à frente do atual presidente Mauricio Macri. Por Andreia Verdélio e Ana Cristina Campos, da Agência Brasil.

Ordem de Rio Branco

Além da formatura dos novos diplomatas, Bolsonaro participa da imposição de insígnias da Ordem de Rio Branco, que reconhece a atuação de brasileiros e estrangeiros nas mais diversas áreas. Entre os agraciados em diversas ordens estão governadores, parlamentares, ministros e militares.
O vice-presidente Hamilton Mourão, os ministros da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e da Economia, Paulo Guedes, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o escritor Olavo de Carvalho foram admitidos no quadro suplementar da Ordem de Rio Branco em seu grau mais alto, o Grã-Cruz.
Instituída em 1963, a condecoração é dividida em dois quadros: ordinário, composto por diplomatas da ativa; e suplementar, que reúne diplomatas aposentados, pessoas físicas e jurídicas nacionais ou estrangeiras. A Ordem de Rio Branco tem cinco graus: Grã-Cruz, Grande Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro, além de uma Medalha anexa. Seu conselho é constituído pelo Presidente da República, Grão-Mestre da Ordem; pelo ministro das Relações Exteriores, chanceler da Ordem, pelos chefes das Casas Civil e Militar da Presidência da República e pelo secretário-geral do ministério.

:::::::::::::::::::::: Box

Presidente diz que dinheiro retirado
de universidades vai para a base

O presidente Jair Bolsonaro disse que o dinheiro retirado das universidades federais será investido na educação básica. Ele disse que a educação no Brasil é como uma casa com um “excelente telhado e paredes podres”. Na última terça-feira (30), o Ministério da Educação (MEC) anunciou um corte de 30% do orçamento das universidades federais.
“A gente não vai cortar recurso por cortar. A ideia é investir na educação básica. Ouso dizer até que um número considerável não sabe sequer a tabuada. Sete vezes oito? Não vai sabe responder. Então pretendemos investir na base. Não adianta ter um excelente telhado na casa se as paredes estão podres. É o que acontece atualmente”, disse Bolsonaro em entrevista ao SBT.
A informação do corte orçamentário foi dada à TV Globo pelo Secretário de Educação Superior do MEC, Arnaldo Barbosa de Lima Júnior. O corte, inicialmente, seria restrito a três universidades, Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal Fluminense (UFF) e Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em seguida, foi ampliado a todas as instituições federais do país.
A informação sobre o corte na verba das universidades federais surge ao mesmo tempo em que abre o período para as instituições públicas de ensino superior aderirem ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) . O Sisu é um sistema informatizado do Ministério da Educação pelo qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas a candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Tem que ser aberto igual ao Queiroz,o moço do rolo.

  2. Na época do PT os diplomatas eram aconselhados a fazer amizade e fortalecer as relações do Brasil com TODAS AS DITADURAS NO MUNDO!
    Esperemos que agora, com o governo Bolsonaro, nossos diplomatas reforcem nossas ligações com países democráticos como o Chile, a Colômbia, a Finlândia, a Alemanha, Canadá, etc… e não como faziam os embaixadores de Lula-Dilma que fortaleciam nossas ligações com países não democráticos como a Venezuela, Cuba, Coréia do Norte, Turquia, Rússia, etc…
    O que dizer dos petistas que ainda apoiam o governo ditatorial de Maduro na Venezuela?!
    Como diria Albert Einstein: “Há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana…”

  3. O PREFEITO DE NY É ESQUERDALHA, IGUAL AOS ZUMBIS PETISTAS SERVOS DO CHEFE MOLUSCO CACHACEIRO PRESIDIÁRIO KKKKKK.

  4. Paneleiro Chifrudo

    O Pulha foi Enxotado de Nova York. Kkkķkkkķ ninguém o quer por lá, só os coxinhas analfabetos funcionais aqui do Brasil batem palmas pra esse tipo de gente.

Untitled Document