quarta-feira, 27 de maio de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / Governo exonera secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde

Governo exonera secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde

Matéria publicada em 22 de maio de 2020, 10:37 horas

 


Brasília – O governo federal exonerou o médico e biofísico Antonio Carlos Campos de Carvalho do cargo de secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde. A exoneração, “a pedido”, está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 22, em portaria assinada pela Casa Civil da Presidência.

Carvalho assumiu o cargo no início do mês, em 4 de maio, ainda na equipe do então ministro da Saúde, Nelson Teich.

A secretaria que Carvalho comandava é responsável, entre outras atribuições, pela coordenação do processo de incorporação, alteração ou exclusão de medicamentos, tecnologias e inovações ao Sistema Único de Saúde (SUS). A área também coordena políticas de fomento e pesquisa, incluindo estudos sobre a aplicação da cloroquina no tratamento do novo coronavírus.

A saída de Carvalho ocorre dois dias depois da mudança no protocolo de uso do medicamento contra casos da doença. Na quarta-feira, o Ministério da Saúde divulgou novas instruções que liberam a cloroquina e a hidroxicloroquina no SUS para todos os pacientes de covid-19, desde os primeiros sinais da infecção.

A orientação anterior previa a prescrição da substância apenas para casos graves. O novo entendimento da Saúde foi formalizado depois de pressão do presidente Jair Bolsonaro, mesmo a pasta e o próprio presidente reconhecendo que não existe eficácia comprovada da droga para combater o vírus.

No novo protocolo, a orientação do ministério é pela prescrição de cloroquina ou sulfato de hidroxicloroquina, ambos combinados com azitromicina, até para casos leves. As doses dos medicamentos se alteram conforme o quadro de saúde.

O documento avisa que cabe ao médico prescrever e que o paciente deve assinar um termo de “Ciência e Consentimento” sobre o uso da droga. O protocolo inclui declarar conhecer que o tratamento pode causar efeitos colaterais que podem levar à “disfunção grave de órgãos, ao prolongamento da internação, à incapacidade temporária ou permanente, e até ao óbito.”

“Apesar de serem medicações utilizadas em diversos protocolos e de possuírem atividade in vitro demonstrada contra o coronavírus, ainda não há meta-análises de ensaios clínicos multicêntricos, controlados, cegos e randomizados que comprovem o beneficio inequívoco dessas medicações para o tratamento da covid-19. Assim, fica a critério do médico a prescrição, sendo necessária também a vontade declarada do paciente”, diz um trecho do documento.

O uso ampliado da cloroquina para tratar pacientes com covid-19 foi uma das divergências que pesaram para o pedido de demissão do então ministro Nelson Teich no último dia 15 e também para a saída de seu antecessor na pasta, Luiz Henrique Mandetta.

O presidente Jair Bolsonaro é favorável ao uso de cloroquina em casos leves


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar
    Capeta da grota do Santa cruz

    …mais um pulando fora desse barco furado chamado governo bolsonaro . Será que colocarão mais um general

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document