segunda-feira, 29 de novembro de 2021 - 20:22 h

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / Lewandowski concede habeas corpus para internação de Abdelmassih

Lewandowski concede habeas corpus para internação de Abdelmassih

Matéria publicada em 24 de novembro de 2021, 09:43 horas

 


Ministro determinou avaliação completa de saúde do ex-médico

médico Roger Abdelmassih

Brasília – O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu ontem (23) um habeas corpus ao ex-médico Roger Abdelmassih, de 78 anos, determinando que ele seja internado no Hospital Penitenciário do Estado de São Paulo.

Lewandowski atendeu a pedido da defesa do ex-médico, que havia solicitado uma avaliação médica. Os advogados querem que o ex-médico vá para prisão domiciliar humanitária, ante seu quadro de saúde debilitada.

Abdelmassih, que já foi um dos maiores especialistas em reprodução humana do país, cumpre pena de 181 anos de prisão pelo estupro de 37 de suas pacientes. No regime regime fechado, o ex-médico fica preso no Complexo Penitenciário de Tremembé, em São Paulo.

Desde que foi preso para cumprimento de pena, em 2014, Abdelmassih teve a prisão domiciliar concedida e revogada diversas vezes. A última foi neste ano, quando a Justiça de São Paulo concedeu e depois revogou o benefício
Na decisão de ontem (23), Lewandowski reconheceu a gravidade dos crimes cometidos por Abdelmassih, mas disse haver conflito entre laudos médicos sobre o real estado de saúde do ex-médico.

O ministro determinou a realização de avaliação clínica “completa e exauriente” do ex-médico, a ser feito no Instituto Médico, Social e de Criminologia de São Paulo (Imesc). Após a perícia, o juiz de execução penal responsável deve proferir nova decisão sobre a situação prisional, ordenou Lewandowski.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. EDMUR FERREIRA DA SILVA

    Tratamento médico humanitário na prisão, tem problema nenhum. Não será o primeiro criminoso encarcerado a morrer na prisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document