>
quinta-feira, 26 de maio de 2022 - 22:21 h

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / MPMG acompanha situação de barragens, diz procurador-geral

MPMG acompanha situação de barragens, diz procurador-geral

Matéria publicada em 25 de janeiro de 2022, 17:39 horas

 


Órgão atua em conjunto com governos estadual e federal

O Ministério Público trabalha com os órgãos ambientais do estado e com órgãos federais na fiscalização das mineradoras – Foto: Divulgação Corpo de Bombeiros.

Brasília- O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou hoje (25) que acompanha a situação das barragens das mineradoras que atuam no estado. Em entrevista coletiva, o procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Júnior, declarou que tem atuado em conjunto com os governos estadual e federal para evitar novas tragédias como o rompimento da Barragem de Brumadinho, ocorrida há três anos.

De acordo com o Jarbas Soares Júnior, os problemas ocasionados pelas atividades de mineração no estado são antigos, mas as tragédias em Brumadinho e Mariana deixaram a população e as autoridades mais preocupadas com a situação.

Segundo o procurador, o Ministério Público trabalha com os órgãos ambientais do estado e com órgãos federais na fiscalização das mineradoras para coibir que as empresas prestem informações equivocadas sobre a situação das barragens.

“Há um sinal de alerta para as empresas, para as autoridades, para o Ministério Público em relação às barragens. Não estamos seguros de que nada vai acontecer, mas as autoridades e o MP têm cobrado, tanto que todas as empresas tiveram que certificar a situação das barragens”, disse.

O MPMG também informou que, devido ao período chuvoso no estado, solicitou às mineradoras relatórios sobre a situação de 25 barragens em todo o território mineiro.

Em outubro do ano passado, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que cabe à Justiça Federal julgar o processo criminal que apura a responsabilidade pela tragédia. Dessa forma, o processo, que teve início na Justiça estadual, voltou à estaca zero. O MP informou que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para manter a competência para julgamento no estado.

Fonte Agência Brasil*.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document
close