terça-feira, 13 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Opinião / Moro superministro: elites bandidas estão perplexas ou enfurecidas

Moro superministro: elites bandidas estão perplexas ou enfurecidas

Matéria publicada em 6 de novembro de 2018, 21:58 horas

 


Moro imitou o célebre juiz espanhol Baltazar Garçon (aquele que mandou prender Pinochet): deixou a magistratura para ocupar um superministério no governo. Muita gente censurou duramente sua decisão. Cuida-se, de fato, de uma operação de alto risco, mas que pode dar bom resultado para o País.

Nós queremos limpeza na vida pública (nos negócios público-privados guiados por laços bandidos) por meio de instrumentos jurídicos civilizados. Sua coragem pode ser decisiva para o Brasil sair do atoleiro do subdesenvolvimento. Se errar, a crise vai se aprofundar.

Ao STF compete dar a última palavra sobre seus eventuais abusos enquanto juiz. Que não seja omisso. Que se investigue se Moro agiu ou não seletivamente (com parcialidade) em suas decisões, que ainda não fizeram (em sua grande maioria) coisa julgada. Os tribunais estão aí para isso. Tudo precisa ser passado a limpo porque não queremos nem um Estado policial-fascista nem juízes parciais.

A nomeação do Moro para o Ministério da Justiça gerou muito medo na bandidagem (de esquerda, centro ou direita). É o seguinte: e se ele, agora como superministro, resolver promover o império da lei contra todos (“erga omnes”), como sempre defendemos no nosso movimento Quero Um Brasil Ético?

Isso representaria o fim da impunidade de todas as castas perversas que sempre roubaram o Brasil. É tudo que queremos. Queremos o fim da corrupção sistêmica, mas é preciso ir mais fundo, chegar nas engrenagens do capitalismo de compadrio, de laços, que agrava a cada dia a desigualdade brutal na nação.

Moro nos deixaria um bom legado se enfrentasse os dois estágios da cleptocracia brasileira (cleptos = ladrão; cracia = governo ou poder). No primeiro está a corrupção sistêmica (já bastante atingida). No segundo está o capitalismo de compadrio, de laços bandidos. Chegar nesse segundo patamar é o grande desafio.

As elites bandidas, vigaristas ou privilegiadas (de todas as colorações ideológicas), ou seja, elites do mundo econômico, financeiro e político que buscam riquezas a qualquer preço por meio dos monopólios, oligopólios, carteis, privilégios ou corrupção, ficaram perplexas com a nomeação do Moro. Algumas, enfurecidas.

E se de repente a lei começar a valer para todos de verdade? E se esse blá-blá-blá (cheio de boas intenções) de que a lei vale para todos virar realidade?

Nas redes vassálicas, que são as que protegem os senhores neofeudais, antigamente conhecidos como barões-ladrões (estamos falando de setores da política, dos partidos, da Justiça, do fisco, da mídia, da intelectualidade, dos órgãos de controle, da polícia, das igrejas etc.), o impacto não foi menor.

E se a Lava Jato começar a pegar também juízes, promotores, bancos, jornalistas, as grandes mídias e os donos de igrejas?

Com Moro no superministério da Justiça vamos ter muitas novas operações da Polícia Federal? Eu espero que sim. Elas respeitarão o Estado de Direito? Eu penso que o STF, na sua nova função de autocontenção e dique de contenção dos abusos alheios, colocará as locomotivas nos trilhos da lei e da Constituição. Tudo que é feito de forma errada deve ser anulado (conduções coercitivas, invasões de universidades etc.).

Outros Moros virão? É tudo que o Brasil precisa, mas que a atuação desses juízes não extrapole a legalidade. Não é preciso defender o estado de exceção para acabar com a impunidade dos grandes ladrões do País. É fundamental respeitar e aprimorar as instituições.

Que o exemplo venha de cima. Sem abusos, precisamos recuperar o dinheiro roubado e levar os grandes ladrões, quando o caso, para a cadeia. Mas não existe ninguém com liberdade total. Todos temos limites. Nós somos nós e nossas circunstâncias (Ortega y Gasset) assim como nós e nossos circunstantes.

O monitoramento do dinheiro em tempo real (via Coaf, via Banco Central e auditorias) é imprescindível para se acabar com a impunidade da bandidagem poderosa plutocrata (o poder da riqueza bandida). Quase todo dinheiro roubado em seguida é lavado nos bancos aqui instalados. Onde está a responsabilidade dos bancos?

A morosidade do Judiciário que garante a impunidade das elites bandidas deve ser devidamente investigada. Quem tem dinheiro ilícito nas Ilhas Cayman, Panamá, Luxemburgo, Mônaco, Singapura ou Suíça, que coloque suas barbas de molho.

Que o maior legado da era Moro seja o combate efetivo ao grande crime organizado no Brasil, que envolve a corrupção sistêmica assim como o capitalismo de compadrio, isto é, capitalismo de laços bandidos entre alguns servidores do Estado e os agentes influentes e sem caráter do mercado privado.

De outro lado, que Moro não perca de vista que a corrupção sistêmica não se combate apenas com medidas repressivas. Fortalecimento das instituições, alterações legislativas pontuais, educação e o ensino diário da ética também são fundamentais.

 

LUIZ FLÁVIO GOMES, jurista e deputado federal eleito por SP


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

19 comentários

  1. PQP. O que essa turma tem na cabeça???? lula esta preso com 290 paginas de provas em um processo de 500 páginas. O hospital Regional custou R$ 62 milhões com mais de 900 leitos( Só para esses imbecis enxergarem o quanto essa quadrilha roubou e o que poderia ter sido feito pela população). Gleisi, presidente do pt, já falou na tribuna do congresso que o pt roubou pouco da petrobrás em vista do que ela dá de lucro( Sói pode achar seus eleitores uns idiotas para assumir publicamente) e, ainda tem um bando de IDIOTAS que ainda defendem esse bandido do lula e toda essa quadrilha do pt? Esse povo tem que F….mesmo.

  2. É o Edson Albertassi vai ficar um bom tempo na cadeia,por desvio de dinheiro que poderia ter ido para o hospital, educação,quantas crianças morreram por causa dessa grana seu Albertassi?

  3. Eu sei o que você fez no verão passado

    Qual Moro vai ser? O da lava jato ou do Banestado?

  4. Bolsominion de cidade-operária

    Imagino a perplexidade dos colegas de ministério do juizeco tucano: Frota, Alberto Fraga, Julian Lemes, Paulo Guedes… e o Onyx Lorenzoni então, coitado, teve até que pedir desculpas por sua corrupção (mas foi perdoado)

  5. Miriam leitão,angustiada ,tu tens nome social,sai do closed,sua suposta onisciência é de deixar qualquer um embasbacado,suas afirmações são de alguém que não tem compromisso com a verdade, você pode estar doente,estou lhe diagnosticando com mitomania, não pare de tomar os seus faixa preta.

    • E olha q ela está aposentada, conseguiu sair do aluguel, conseguiu comprar esse computador q ela não larga, por não ter mais nada p fazer, com os consignados e as taxas de juros aplicadas pelo governo patista. Agora cospe no prato q comeu. Essa Miriam Leitão do DV é muito mau agradecida.

  6. Moro ainda vai dar muita dor de cabeça para os bandidos.

    • Vai sim. Como deu dor de cabeça p Aecinho Snow. Beto Richa, Grupo Triunfo, Geraldo Alckmin, , Exonorte. Tá bom p vc ?

  7. Não é de confiança as sua aparições públicas com o Aécio e Dória deixam a sua credibilidade em xeque.

  8. Coração do homem é terra que ninguém pisa.

  9. Fiscal do Bom Senso

    Parei de ler no trecho que dizia “fim da impunidade”. Exaltação quase mitológica de uma figura que é tido como heroica, mas que no fundo é polêmica dentro de um contexto de “caça as bruxas”. Sim, cada vez mais mergulhamos na obscuridade o fascismo. Queria que 1984 voltasse a ser ficção.

  10. Sérgio Moro é seguidor de Cristo, logo experimentará na sua própria carne que aqueles que deviam amá-lo o tratam de uma maneira que vai da desconfiança à hostilidade, da suspeita ao ódio. Olham-no com receio, como a um mentiroso, por não acreditarem que possa haver relação pessoal com Deus; vida interior; em contrapartida, com o comunista e com o indiferente, ordinariamente rebeldes e desavergonhados, desfazem-se em amabilidades e compreensão.
    Os que sustentam uma teologia incerta e uma moral relaxada, sem freios; os que praticam a seu talante uma liturgia duvidosa, com uma disciplina de hippies e um governo irresponsável, não é de estranhar que propaguem, contra Moro que só fala da Verdade, ciumeiras, suspeitas, falsas denúncias, ofensas, maus tratos, humilhações, falatórios e vexames de toda espécie!
    Como diria o liberal Edmund Burke: “The only thing necessary for the triumph of evil is for good men to do nothing.” Traduzindo: “A única coisa necessária para o triunfo do mal é os bons homens não fazerm nada.”

    • Mirian leitão do DV, você continua em evolução, sempre superando o inimaginável. Torço realmente para que ele seja apenas um pouco parcial, mas a história desse juizeco não me permite sonhar. Sua única função foi desestruturar o estado de direito e ter influenciado diretamente na eleição dessa caricatura. Vai usar a mesma ferramenta mostrada até agora, que é sua arrogância na fala e nos modos . Enquanto tiver criminalizando a política e os movimentos sociais será venerado, mas quando avançar na estrutura de exploração feita pela nossa elite política e econômica será defenestrado e correrá sérios riscos de alcançar o objetivo maior que é a vaga no STF daqui a dois anos.

    • Detectado falso Marcelo Bretas, o verdadeiro juiz Marcelo Bretas elogiou Bolsonaro por ter escolhido o juíz Sérgio Moro para ser Ministro da Justiça!

  11. Me desculpa mas na hora que entrar realmente para a politica vai pensar como os outros politicos nele proprio vem dizer que estou mentindo todos são assim não e ele que vai ser diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document