domingo, 21 de julho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Opinião / Não é justo!

Não é justo!

Matéria publicada em 12 de julho de 2019, 22:12 horas

 


José Maurício de Barcellos

Logo que a proposta do governo Bolsonaro referente à nova previdência começou a ser aprovada na Câmara por uma inimaginável margem de votos, o antigo establishement apeado do poder já saiu gritando, através da nefanda extrema imprensa, que o mérito de tudo era do tal “Rodrigo Mala” – mais conhecido como “botafogo” das planilhas da Odebrecht e da OAS – e de seus aliados do “Centrão Malvadão” que, por conta disto, estavam dando uma lição ao “despreparado” Bolsonaro no sentido de que daqui para frente deveria se render àquela classe abjeta, tornando-se mero coadjuvante do Congresso. Isto é tudo que aqueles patifes gostariam que acontecesse porque ato seguinte estariam prontos para garrotilhar o Capitão, colocando um fim às suas manias “fascistas” de não tolerar a dilapidação dos cofres públicos e de não consentir o aparelhamento da máquina governamental.
Em síntese, eles querem que acreditemos que a tal classe política que o povão escancara nas ruas chamando de bandidos para baixo – omissa e vendida há mais de trinta anos – é quem deve colher os louros da primeira grande vitória do Brasil dos novos tempos. Convenhamos isto só ocorre porque se trata de Bolsonaro, pois se fosse qualquer dos execráveis presidentes corruptos dos últimos governos civis – de Sarney a Temer – aí nestes casos o acontecimento histórico seria atribuído à liderança deles e o povo, no mínimo, teria que agradecer de joelhos. Ora, me poupem! Grande parte deste Congresso que aí está só tem feito alguma coisa por causa do pavor que tem do tranco que vem das ruas, em defesa de Bolsonaro e de seu governo.
Além de tudo o mais, aquele condenável procedimento vem revestido de um grau de injustiça sem precedentes e de canalhice sem par. Senão vejamos. Vamos rememorar como as coisas aconteciam até a chegada do atual governo. Lembro muito bem do cenário que surgia nos primeiros seis meses depois da posse dos presidentes civis, a partir de 1985. Loteados os ministérios e entregues para o desfrute da “cacicalhada” dona dos partidos políticos, se sucedia, então, o assentamento dos incontáveis feudos, que a partir daí passavam a dividir a grana preta dos cofres públicos e a engendrar meios e esquemas para desviar mais ainda as verbas do erário. O Partido tinha direito incontestável a um determinado número de ministérios. Os senadores e os deputados federais da tal agremiação tinham, como recompensa, a posse (quase o direito de uso) dos cargos e das funções da administração pública, direta ou indireta, nos três poderes da República para gerenciar e deles usufruir como melhor lhes aprouvesse.
Posto que o número dos comensais da máquina governamental era (e ainda é) incomensuravelmente maior do que os dos cargos à disposição, a divisão do butim tornou-se disputadíssima ao ponto de a direção ou a gerência de um órgão do governo ou de uma estatal ter que ser dividida por gente originária de diferentes quadrilhas e, sendo desta forma, não conseguia nem ao menos conversar entre si, muito menos trabalhar em equipe. Daquele quadro decorreu a mais completa disfunção das atividades essenciais da respectiva repartição, mas curiosamente não impedia que todos roubassem ou malversassem sua parte na verba alocada. Tudo isso, que restou sistematizado pela gentalha de Lula e Dilma, deu origem ao maior roubo da coisa pública da história contemporânea e, em seguida, à total e indiscutível falência do poder civil instalado até janeiro de 2019. A Nação demorou, mas reagiu.
Ante o caos iminente, o povo sozinho impôs uma nova ordem para romper com tudo que lá estava encastelado e das trevas representada por uma democracia apodrecida, nociva e bolorenta nasceu o movimento revolucionário popular que trouxe a esperança e a luz. Falo assim porque quero realmente afrontar, desafiar e fulminar a vermelhada que tanto nos explorou e nos subjugou nos últimos 30 anos. Digo isso porque quero esfregar na cara dos energúmenos que existe sim uma Revolução Popular em marcha no Brasil. É desta maneira, também, que, de passagem, deixo ardendo de raiva, por exemplo, um canastrão do Sistema Goebbels – “capaxildo” dos Ursos Marinhos – que há bem pouco tempo acabou com a cara no chão, justo quando ousou numa entrevista do Mestre Olavo de Carvalho lhe perguntar acerca do Movimento Revolucionário ao qual me referi. De plano o grande filósofo – terror dos “uspinianos” – com outras palavras, largou na bochecha do idiota o seguinte: “é claro que existe uma revolução popular em marcha no Brasil, pena que tenha custado muito a chegar”.
“È vero”. De janeiro deste ano para esta parte as ruas tingidas de verde e amarelo deram inimagináveis demonstrações do tanto quanto nossa gente está disposta a manter aberta essa estrada, esse caminho, essa jornada de luz e de esperança que se chama “Governo Bolsonaro”. Conquanto concorde que não se deve subestimar o inimigo, acho que, embora petulantes, são pífios, desordenados, simplórios e, sobretudo, risíveis, os atos e os factoides engendrados pela esquerdalha com objetivo de flanquear a “Coluna Bolsonaro”, que avança e avançará inexoravelmente.
Avançará porque o novo modelo econômico proposto pelo Professor Paulo Guedes se situa a muitos anos luz de distância de todo imbróglio proposto pela porcariada de entendidos que o antecederam, desde 1985. Não terá retorno porque a Operação Lava Jato e o mais fantástico plano de combate à corrupção e ao crime organizado que vêm liderados pelo herói Sérgio Moro, somente vai retroceder se for para buscar algum bandido do colarinho branco que escapou do primeiro arrastão cívico. Por fim, mas sem esgotar o tema, digo que a Revolução do Povo não vai admitir a soltura de qualquer petralha já condenado e muito menos do “Analfa de Garanhuns”. Se essa gente do mal e seus acólitos insistirem em retornar ao poder, os homens de honra da Nação Verde e Amarela, a exemplo do que um dia prometeram os caminhoneiros do Brasil, vão cercar os palácios dos três poderes da República e, na base de tapas e de tabefes, os colocarão no olho da rua. Neste passo cumpre advertir e, com coragem, dizer à extrema imprensa que estão no caminho equivocado. Parem de esticar a corda e de reverberar a sordidez, como estão fazendo agora em relação à atuação de Bolsonaro e de sua fantástica equipe. Depois dos castelos dos mandarins, dos príncipes e dos nababos de Brasília o povo revolucionário vai buscar a turma dos famosos e dos milionários que está homiziada nos bunkers da propagação do comunismo, da destruição da família e da cultura judaico cristã, do estatismo corrupto e atrasado, do desmando e da roubalheira, que o povão costuma chamar nas ruas de “globo lixo”, de “foice de são Paulo”, etc.
Deixem que eu diga uma coisa para essa vermelhada desqualificada. Vocês não têm tutano, competência e coragem para enfrentar ou contornar os militares que estão no Planalto e muito menos para abalar as ações de Sérgio Moro que os pegará, mais cedo ou mais tarde. Muito antes que qualquer de vocês retorne ao poder nas próximas eleições municipais, o MRP de 2018 já os terá abatido antes de alçar voo. Vou falar de uma hipótese que certamente se multiplicará por todo Brasil, mandando um recado, que é quase um vaticínio. Aviso ao “Sistema Goebbels de Comunicação”: assim como ocorreu ao terem que engolir o Capitão eleito Presidente da República, podem começar a amargar o fato de que não terão, daqui a dois anos, a Prefeitura do Rio de Janeiro para desfrutar e dominar porque a Municipalidade não cairá nas mãos espúrias da quadrilha de Lula e Dilma ou de suas facções, elegendo a tal “chapa terror carioca” composta por Freixo do PSOL e por Benedita do PT, ambos inimigos do nosso Paladino da Justiça, envolvidos na Operação Lava Jato e ferrenhos defensores da marginalidade ou dos sanguinários do tráfico dos morros e das favelas.
Há quem diga que gente de Lula, de Dilma, do PSOL ou do PCdoB foi realmente a responsável por quase tirar a vida do Capitão. Eu acredito que a verdade está por aí. Fugir disto é acreditar em conto de fadas ou pura covardia. Fala-se que a banda podre do Supremo e o lado negro do Parlamento tramam, noite e dia, a exoneração de Moro e sonham com sua prisão. Não são só loucos, são patéticos.
Freixo (PSOL-RJ) e um petista covardão da cabeça branca (cuja desprezível referência é desinfluente), abomináveis e desclassificados mequetrefes, tentaram durante o depoimento do ministro Sérgio Moro na Câmara dos Deputados, pegá-lo numa burra armadilha imaginando que poderiam dar voz de prisão ao grande Moro por mentir perante o Parlamento. Com um peteleco Moro aniquilou os patifes. Vão amargar a vergonha que passaram (se é que possuem) pelo resto de suas vidas.
Ninguém espera que os contra procedam com dignidade ou que tenham senso de justiça. Vão, isto sim, se referir aos sucessos do atual governo como um ganho ou uma realização dos maus. Isto, entretanto, não tem a menor relevância para o cidadão de bem. Inobstante os incautos não devem esquecer que para tudo há limites. Se mexerem com Moro, por exemplo, ou se tentarem soltar o “Ogro Encarcerado” ou barrar a mudança, aí o Capitão, na hora que bem entender, reúne, com certeza, todas as condições para, com uma só convocação, levantar o povão que há muito está em cócegas para fechar as falidas instituições deste País. No fundo todo vermelho e todos os oportunistas que agora querem ter a paternidade das realizações do atual governo sabem e tremem de medo desta verdade. Foi isso que as ruas disseram e o que eles ouviram ao vivo.

José Maurício de Barcellos, ex Consultor Jurídico da CPRM-MME, é advogado. (Email: bppconsultores@uol.com.br)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

12 comentários

  1. Avatar

    Divulgar idéias golpistas em jornais, revistas , tv e rádio é crime. Olhem no google.

  2. Avatar

    O capitão expulso do EB, era um mal militar segundo Geisel, Moro mão grande desmascarado, só poderia dar nisso aí .
    O pior vem por aí, quando o banqueiro Guedes, que tem rolo na justiça por causa da gerência fraudulenta de fundos de pensão, implantar todo o liberalismo que lhe foi passado pela escola de Chicago; privatizações em troca de bananas, terceirizações , previdência capitalização, fim do que resta dos direitos trabalhistas. Os eleitores do lixo, que são pobres e classe média, irão chorar; mas, pena que os não votaram no desgraçado, arremedo de mussolini, também vão penar.
    Cadê o Queiroz miliciano? Quem mandou matar Mariele e por que mandou? Por que não descobrem? Será que querem descobrir?

  3. Avatar

    Gugu vai de Dorinha Malvadeza quando o barco do capitão começar a afundar,os primeiros a pular do navio são os ratos!!!!!

  4. Avatar

    Esse nazifascista deveria estar preso, desgraçado, maldito, fdp.

  5. Avatar

    Seu tucaninho enrustido ,esqueceu de FHC !!!!!Sai do armário , vivandeira angustiada!!!!!

  6. Avatar

    Kkkkkkkkkkkkkkkkk o povo pediu nas ruas você é um lunático,o povo está deitado em berço esplêndido!!!!!

  7. Avatar

    Vcs não vão publicar meus comentários????????

  8. Avatar

    As ruas pediram o impeachment da Dilma Roussef e ela foi embora!
    Agora, os brasileiros pediram a Reforma da Previdência nas ruas e a Reforma saiu!
    Lula, Dilma e Temer tentaram fazer a Reforma da Previdência… contudo não conseguiram!
    Esses três ex-presidentes articulavam com o presidente da Câmara para que alguns cargos, ou seja, para que o loteamento da máquina pública servisse de respaldo, de colchão para se levar a cabo e aprovar a Reforma da Previdência… Bolsonaro disse não a essa polítca do toma-lá-da-cá, pois ele foi eleito para atender ao eleitorado brasileiro que não queria mais isso!
    O que dizer dos últimos três governos federais que usavam o loteamento da máquina pública como instrumento de convencimento dos deputados federais?!!!
    Como diria o jornalista Boris Casoy: “Isso é uma vergonha!”…

  9. Avatar
    Escritório do crime

    A nova política agora é liberar mais de um bilhão de reais em emendas para aqueles que apoiarem com voto na reforma da previdência.

  10. Avatar

    Advogado conspirando para fechar o STF é caso análogo a pobre de direita!

  11. Avatar

    É muito engraçado este senil chamar a classe política de omissa , vendida e colocar o capitão expulso num lado oposto: ué ele veio de marte? Não ficou na política por vinte e oito anos e nem colocou a família toda??
    Ele disse que depois do regime ditatorial , houve uma ” democracia apodrecida, nociva e bolorenta” : ué então não houve eleição nessa democracia? O lixo radiativo foi eleito na democracia apodrecida ? Tem razão este senhor, só uma democracia podre poderia parir um arremedo podre de Mussolini, como este presidente fakenews. Ele fala em Revolução Popular em marcha?? Sim é verdade e o líder fascista só vai em eventos militares, só gosta do cheiro dos quartéis, é uma vivandeira, volta e meia tá lá ele socado dentro de um quartel, por isso ele deveria ter tentado ser um militar decente; mas não , queria explodir bombas para protestar contra os soldos, excluído dos quadros ativos do Exército foi mamar na política.
    É difícil ler toda essa maluquice escrita neste artigo, como em outros do mesmo personagem.
    Moro paladino da justiça???kkkkkk. Já caiu a máscara dele.
    Este senhor está louco, mas é perigoso assim mesmo. Vai que isso seja contagioso?
    Se eu entendi ele está pregando um golpe de estado e isto é crime, atentar contra as instituições é crime e ele como advogado deveria saber. O DV não devera mais publicar estes impropérios desta criatura.
    Cadê o Queiroz? Quem mandou matar a Mariele e por quê?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document