segunda-feira, 26 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Opinião / Por que a reforma da Previdência se tornou a reforma da discórdia?

Por que a reforma da Previdência se tornou a reforma da discórdia?

Matéria publicada em 16 de abril de 2019, 22:37 horas

 


Há tempos o mercado vem precificando uma reforma da Previdência para o nosso regime público. Podemos dizer que desde Fernando Henrique, passando por Lula e Dilma e, mais recentemente, por Michel Temer, esse assunto esteve em pauta em algum momento durante os seus mandatos.
Porém, por mais debatido que foi, o tema não chegou a evoluir, hora por descuido da base, hora por ser muito impopular para determinado momento, ou hora ainda por ter baixa adesão da opinião pública. Desculpas não faltaram ao longo desses anos, o que nos levou ao atual abismo fiscal que estamos vivendo.
Embora já explanados de maneira exaustiva, os números desse cenário é que nos recordam do senso de urgência do assunto. O rombo fiscal causado pela Previdência em 2018 chegou a mais de 290 bilhões de reais, somando o INSS e RPPS (Regimes Próprios dos Servidores Públicos da União), o que significa um déficit 8% maior do que o registrado em 2017, finalizando o pior resultado da série histórica no Brasil.
Junto a esse panorama, soma-se ainda a tendência de piora desses dados ano após ano. Segundo o próprio governo, o déficit primário do ano passado foi de 120 bilhões de reais, quinto ano consecutivo desse resultado ruim. Assim, como um País que busca estabilidade fiscal, é evidente que não conseguimos mais seguir da mesma forma e, justamente por isso, a reforma da Previdência é tão essencial para esse novo ciclo político que se iniciou após as eleições.
No entanto, mesmo diante de números tão claros, por que a aprovação da reforma é tão difícil? Por que a votação no Congresso a na Câmara parecem tão distantes?
Na segunda quinzena do mês de março tivemos uma forte demonstração de como a política e as disputas de poderes influenciam na volatilidade do mercado financeiro. Até o dia 20/03 o Ibovespa estava acumulando uma alta de 2,57% e, na mesma semana, após declarações divergentes do governo, de partidários e, principalmente, de Rodrigo Maia, chegamos no dia 22/03 com uma perda acumulada de – 1,93%, ou seja, uma variação de mais de 4,5% em apenas dois dias.
Isso demonstra como nós brasileiros estamos suscetíveis a essa disparidade de ideias em relação a economia futura do País. Nessa turbulenta semana de oscilação, por exemplo, a governabilidade do atual presidente foi testada e, infelizmente para ele e para aqueles que o apoiam, ficou evidente que o homem com o poder atualmente no Brasil chama-se Rodrigo Maia. O presidente da Câmara ameaçou sair da articulação da reforma da Previdência e deixar que o presidente e seus ministros tomassem o rumo dessa negociação com a casa legislativa. Além disso, ainda tivemos a declaração do ministro da economia, dizendo que pode deixar o governo se entender que seus esforços não são de mais valia para o Brasil. Resultado: volatilidade, oscilação e susto no mercado.
A habilidade de estancar a crise política foi posta à prova nos dias seguintes aos episódios. Houveram conversas envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia, Onix Lorenzoni, o próprio Paulo Guedes e até Sérgio Moro, e dessas conversas todas vieram anúncios de paz, de conflitos resolvidos, páginas viradas e fotos estampadas nos jornais, com o claro intuito de demonstrar que as divergências haviam ficado para trás e que de agora em diante haveria uma sinergia maior para que a reforma fosse melhor trabalhada e, consequentemente, aprovada.
Aliás foi designado que o próprio Paulo Guedes tomaria a frente da articulação política para a aprovação da PEC e que Rodrigo Maia lhe daria apoio. Com isso, quase que de imediato tivemos uma recuperação do mercado e a bolsa fechou março com um negativo de apenas – 0,18%.
Por outro lado, creio que ainda não temos o cenário perfeito para que a reforma ande sem mais problemas. Isso porque esses últimos acontecimentos deixaram a mostra a falta de sinergia entre os poderes e nos mostraram o quão frágil é, e pode ser ainda mais, essa democracia que estamos vivenciando no início desse novo governo. O Brasil tem um regime presidencialista e precisa de apoio nas casas que compõem o poder legislativo para que o País caminhe.
De uma maneira geral, o ambiente político já esteve mais calmo, mas nada que assuste e acabe afastando a possibilidade da reforma ser aprovada de alguma maneira. O que esperamos é que venham novas articulações, novas conversas, extensas negociações e tudo o que já vimos funcionar tantas outras vezes nesse mundo obscuro chamado política para resolver o entrave que nos encontramos.
O que precisa ser feito agora não é voltar a velha política, como dizem de maneira generalizada, e nem taxar que a política é negativa, seja ela nova, velha, antiga ou ultrapassada. O Brasil precisa de uma reforma nova para que possamos ter um horizonte promissor e aproveitarmos da melhor maneira possível a nossa velhice.

Rodrigo Franchini é head de produtos da Monte Bravo, empresa de assessoria de investimentos que figura entre as três principais do país.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. Avatar

    Marcelo Bretas não perca seu tempo com esse desqualificado, já ouviu falar em TOC(transtorno obsessivo compulsivo) é o diagnóstico desta anta.

  2. Avatar

    Eu como militar adorei esta reforma, fiquei muito satisfeito com a proposta de reestruturação da carreira, que em alguns casos vai mais que dobrar o salário final de nós militares, em troca concordamos em ficar mais 5 anos nos quartéis tomando conta de soldado arrancando grama, todos teem que se sacrificar e nós estamos fazendo a nossa parte.

  3. Avatar

    Era uma vez um caipira gay que escrevia nos comentários do DV, ele defendia o governo fascista na época.
    Um gay que citava o filósofo Boris Casoy e o físico Albert Einstein , enquanto seu ânus ficava excitado, pois
    necessitava de movimentos de vai e vem.
    Ele aguardou durantes décadas até que um dia um príncipe chamado Jair lhe deu um beijo e eles viveram felizes para sempre.

  4. Avatar

    Se o PT está contra a Reforma da Previdência, logo essa Reforma deve ser boa para o Brasil, pois o PT sempre votou contra coisas para o Brasil como a Constituição de 1988; o Plano Real, que acabou com a alta inflação no Brasil; o Plano de Responsabilidade Fiscal; o PROER; etc…
    O que dizer de um partido como o PT que sempre vota contra planos bons para o Brasil?!
    Como diria o jornalista Boris Casoy: “Isso é uma vergonha!”…

    • Avatar

      Mirian Leitão do DV, você realmente é um caso singular. Você sabe o que foi o PROER? Sabe quem exigiu a lei de responsabilidade fiscal? PT foi contra a constituição de 1988? Pesquise na rede antes de destilar seu preconceito. O PROER foi o uso de dinheiro público para salvar bancos privados e todos os banqueiros continuaram bilionários, a lei de responsabilidade é a versão inicial da PEC -55 que congela investimentos na saúde,educação e segurança. Vá estudar e para de fabricar notícias falsas.Somente esse agrupamento que se elegeram na cola do despreparado querem essa reforma desumana. Acorda!!!

Untitled Document