quarta-feira, 19 de junho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Opinião / Um novo pacto social

Um novo pacto social

Matéria publicada em 15 de abril de 2019, 21:31 horas

 


Os desempregados no Brasil somam 13 milhões de trabalhadores. Para 2020, a projeção é de 12,7 milhões. Dados da Organização Internacional do Trabalho. Pelo visto, não haverá grande mudança no painel do emprego. E mais: especialistas demonstram que o desemprego tende a crescer no mundo ante a expansão da automação nos parques fabris e a revolução a que já se assiste no setor de serviços.
A hipótese, que ganha o foco de estudiosos, é de que teremos cada vez menos emprego. E, em contrapartida, a escalada da informalidade, com o aumento de “bicos” e trabalhadores exercendo atividades sem vínculo contratual, físico e temporal. O impacto sobre as economias será de monta, tornando defasada a rede de proteção social aos trabalhadores, pois os salários pagos pelo sistema produtivo, que servem de referência tanto para cobrança de contribuições quanto ao pagamento de benefícios – aposentadoria, seguro desemprego – darão vez a ganhos não fixos, obtidos pelo tipo e tempo de serviço prestado.
Veja-se o risco de ficar obsoleta uma reforma da Previdência estruturada sobre o eixo do trabalho fixado no emprego e no salário. Nasce envelhecida. Esse é, aliás, o alerta que faz o economista José Roberto Afonso em recente texto acadêmico. O professor José Pastore também tem desenhado com mestria o futuro do trabalho. Infelizmente, os nossos homens públicos ainda não perceberam que mudar o sistema previdenciário sem considerar a nova moldura do trabalho no mundo não equacionará o ajuste das contas do país. Por mais que se considere essa reforma como a mais importante do governo, o fato é que ficará caduca logo, logo, exigindo, mais adiante, uma reforma da reforma, com a inserção de nova ordem de fatores.
Pior é constatar que, por nossas plagas, o emprego com carteira assinada tem espaço cativo na mente nacional. Parece ser a única forma de alguém conservar a auto-estima: “eu tenho um emprego”. E se o emprego estiver na órbita do Estado, melhor. A árvore do patrimonialismo tem sido responsável pelo conjunto de mazelas que contribuem para avolumar o chamado custo-Brasil: o cartorialismo (a burocracia), o empreguismo/nepotismo, o desleixo, a incúria, a anomia, a improvisação, entre outras. O empreendedorismo ainda está longe de se consolidar como ferramenta de alavancagem dos setores produtivos.
O homo brasiliensis espera que o braço estatal seja seu protetor. E assim, a livre iniciativa, o desbravamento de novas áreas, a produtividade acabam cedendo espaço para a acomodação, a protelação de tarefas (“vamos deixar para amanhã”), o ócio, a preguiça, o acobertamento da ilicitude e, por consequência, a formação de teias de corrupção pela malha da administração publica nas três esferas da Federação.
Urge, portanto, um choque de ações, a começar pela reformulação das estruturas que dão formação à nossa mão de obra, com atualização das abordagens de treinamento e um direcionamento para nichos de serviços não tradicionais. Temos de abandonar as velhas práticas e a noção de que as oportunidades do mercado de trabalho caem sobre nossas cabeças como o maná que caiu do céu quando Deus tirou seu povo do Egito rumo à Terra Prometida.
Temos de substituir em nossas cabeças emprego por trabalho. Direito ao salário pelo ganho proporcionado por novas funções, tarefas e serviços na seara de um mercado de trabalho que se diferencia de suas antigas estruturas.
Sob essa paisagem, a rede de proteção ao trabalhador há de prover outras modalidades que não apenas a carteira assinada. Sindicatos trabalhistas carecem redirecionar rumos e ações. A velha luta de classes será substituída pela construção de um diálogo estreito entre patrões e trabalhadores, com identificação de seus interesses e maior parceria.
O alvo passa a ser, portanto, um novo pacto social, cujo escopo abrigue pilares do trabalho em suas múltiplas facetas – tempos determinados e indeterminados, contratos individuais e plurais, serviços prestados à distância etc. As metamorfoses do mundo do trabalho precisam ser analisadas à luz do fenômeno da globalização, que tem puxado o carrossel de mudanças nas frentes política, econômica, social e jurídica.
Fechar os olhos ao universo em transformação é ter a atitude da avestruz.

Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter@gaudtorquato


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

10 comentários

  1. Avatar
    Conjo do Laranja tchutchuca

    Pobre de direita é uma merda. Parece que tem cocô no cérebro. MITOOOOOOO !

  2. Avatar

    Ele ficou com os tucanos até os santos serem descobertos,agora ele vai de capetão até virar bagaço!!!!!!!!!

  3. Avatar
    Seu futuro é duvidoso

    O que você acha de pessoas que querem mudar a regra aos 40 do segundo tempo?Seriam pessoas recalcadas,burras ou doentes?

  4. Avatar
    Farinha pouca meu pirão primeiro

    Estamos no caminho do estado mínimo,OS na saúde,escolas públicas fechando com grande evasão escolar e segurança sendo terceirizada devagarinho,com milícias ,firmas de segurança e porte de arma liberado, o final desta saga todos sabem,quem tem money se safa os outros vão ficando pelo caminho.

  5. Avatar

    ‘Marcelo Bretas’ do Paraguai, as mudanças que estão sendo feitas na Reforma da Previdência tem a força de acabar com Privilégios, pois isso é mais importante! Não é razoável que nós tenhamos tanta diferença entre as aposentadorias do setor público das aposentadorias do setor privado!!!
    Olhe bem: 700000 servidores públicos consomem 1/3 do que é gasto com aposentadoria e 29 milhões de aposentados do setor privado ficam os outros 2/3! Isso é um absurdo!
    Em alguns órgãos públicos a aposentadoria é de 30000 reais, enquanto no setor privado a aposentadoria é de 1500 reais! Ou seja, há uma diferença BRUTAL entre o setor público e o setor privado!
    No setor privado o valor máximo da aposentadoria é 5531 reais enquanto um deputado, juíz de direito, promotor e diversos outros funcionários públicos recebem uma aposentadoria de 33000 reais, isso é injusto, isso é errado! Todos os brasileiros tem que ter um teto igual de aposentadoria!
    O que dizer do “Marcelo Bretas” que defende a nata dos Servidores Públicos, mesmo que vá prejudicar milhões de brasileiros pobres?!
    Como diria o jornalista Boris Casoy: “Isso é uma vergonha!”…

    • Avatar

      O Guto é comunista, quer igualar todo mundo, na m…rda. kkkkkkkkkkkkkk ignaro e obtuso. Por que não dar a capitalização do Guedes pros militares? Já que é tão boa?

  6. Avatar

    O próprio partido Laranjal não está fechando com os projetos do minto,o que dizer daquelas pessoas que não possuem capacidade de serem aprovadas em concurso público ,o qual no edital consta os direitos e obrigações aos quais o candidato se submeterá ?

  7. Avatar

    Essa de generalizar o servidor público faz parte das campanhas de setores que tem interesse em reformas a qualquer preço,nada está tão ruim que não possa piorar.

  8. Avatar

    Essa Reforma da Previdência, que já nasce fraca e deformada, não leva em conta o fato narrado pelo autor Gaudêncio Torquato, ou seja, por mais que se corte os privilégios da alta casta dos funcionários públicos, verdadeiros marajás tupiniquins, essa Reforma já nasce natimorta!
    O que dizer daqueles partidos que vão votar contra essa Reforma da Previdência?
    Como diria o Einstein: “Há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana…”

    • Avatar

      Mirian leitão do DV, essa desumana reforma já nasce morta por ser justamente inverso de tudo que está falando. Ela ataca fortemente apenas a faixas sociais que não tem impacto no controverso deficit da previdência. Deixa de fora os inadimplentes, os militares,os sonegadores, o sistema financeiro que nada paga e vai buscar na redução da pensão da viúva, na ajuda dos idosos, trabalhadores rurais e pensionistas. A reforma do despreparado junto desse Chigaco boy que nunca produziu um parafuso e que se enriqueceu no mercado financeiro é tão ruim que partidos que sempre alimentaram a desigualdade que nos mata preferiram não participar desse golpe na previdência.E você mantendo seu padrão de desconhecimento e complexo de Estocolmo. Essa reforma é uma vergonha!!!!

Untitled Document