domingo, 19 de setembro de 2021 - 02:55 h

TEMPO REAL

 

Capa / Opinião / Valente

Valente

Matéria publicada em 4 de janeiro de 2021, 14:42 horas

 


Foto: Rede Social

Alguns textos são muito difíceis de serem escritos. Nós, jornalistas, nos deparamos com essa dificuldade de forma corriqueira: o assunto é árido, faltam informações, o dia está atribulado ou simplesmente a inspiração não vem. Talvez poucas vezes juntar palavras e concatenar ideias tenha sido tão difícil quanto nesse momento: escrever uma homenagem à altura da nossa amada Ananda Valente.

Ainda que a gente tente olhar com olhos de Ananda, não dá para negar que a vida ficou mais triste no primeiro dia do ano. Os olhos de Ananda, pelo menos assim ela nos fazia pensar, enxergavam tudo alegre. Só assim para ter o sorriso tão sempre disponível para um mundo que não era recíproco com ela. Ainda assim ela sorria, muito. E fazia sorrir.

Valente, Ananda. Um nome que continha tudo o que era: mãe incrível, mulher admirável, jornalista respeitada. Infelizmente, nem sua força, que tivemos privilégio de conhecer, resistiu a essa doença que nos pegou de surpresa e levou tantas pessoas especiais ao longo dos últimos meses. Logo você, Ananda, que amava viver, vivia com intensidade, sempre com um sorriso no rosto, sempre notada por onde passava.

Valente, como o sobrenome, saiu de Vassouras sozinha para conquistar seu espaço em Volta Redonda, no jornalismo. Conquistou muito mais que isso, mas é bom ressaltar, alcançou seu objetivo de forma muito bonita: estudante querida por professores e colegas; estagiária neste Diário do Vale; assessora de imprensa dedicada e sempre disponível, área que era sua paixão.

É preciso dizer que essa é uma história que sempre nos inspirou. Ananda falava com orgulho da mulher mais importante de sua vida, a mãe Deise, e revelava um dos maiores sonhos da vida, ser mãe, dar continuidade a esse legado. E então ela, que deu ao mundo muitos sorrisos, gerou muitas gargalhadas, muita amizade e muita admiração, também gerou o Álvaro, seu “bombom”. Álvaro, que carrega o seu DNA: sua força e sua alegria. Pensando nele não há coração que não se aperte.

Mas o Álvaro vai ter muito do que se orgulhar. Vai contar para todos os amigos que sua mãe era uma mulher corajosa. Empoderada antes mesmo do termo ganhar destaque. Dona de uma autoestima transformadora. Era uma pessoa muito verdadeira. Amiga carinhosa. Que tinha uma gargalhada capaz de mudar o humor do dia. Irradiava alegria e contagiava a todos com sua presença. Vai poder dizer com muita convicção: era impossível ser indiferente a ela. Ananda era um sol que iluminava tudo ao seu redor.

Álvaro terá muito orgulho de contar a história da sua mãe. E nós, temos uma alegria imensa de termos vivido ao seu lado. Esperamos, após as lágrimas inevitáveis desses dias, conseguirmos manter esse seu ensinamento, de sorrir para o mundo; e redobraremos o esforço para olhar com os olhos de Ananda. A vida é melhor porque você esteve aqui, querida amiga. Sentiremos muita saudade.

De todos os seus amigos do jornalismo e da publicidade.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. RE AO DIÁRIO DO VALE

    DEIXAI OS MORTOS DESCANSAREM EM PAZ. SERÁ QUE VOCÊS NÃO TEM NOTÍCIAS PARA SUBSTITUÍREM? SE,MPRE A MESMA COISA? RENOVA DIÁRIO DO VALE FAÇA DESTE UM SITE NO QUAL TEMOS O PRAZER DE ABRR E NAVEGAR COM NOTÍCIAS ATUALIZADAS. FICA A DICA!”

  2. Bonita homenagem a nossa querida Ananda!!! que Deus a proteja com muita luz e amor, proteja também a familia , ao filho tão pequeno, que ele sempre lembre da guerreira que foi sua mãe Ananda.
    Abraços a toda familia
    Amiga

  3. MARIANE BITTENCOURT

    Linda homenagem a nossa amada Ananda. Alegrou vidas por onde passou, com sua risada, sua alegria de viver, seu amor pela vida. Gratidão por ter ganhado esse presente nessa vida.
    Pra sempre em nossos corações. ❤️

  4. Bela homenagem!

    Tão nova!

    Precisamos da vacina para o covid para toda população.

    Inimaginável morrer Tão nova.

    Ninguém está livre, esse covid é uma roleta russa.

    Pessoas iluminadas morrendo, enquanto seres desprezíveis vivem.

Untitled Document