sábado, 19 de outubro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Plantão da redação / Dicas podem ajudar na hora de socorrer vítimas de acidentes

Dicas podem ajudar na hora de socorrer vítimas de acidentes

Matéria publicada em 14 de julho de 2019, 09:30 horas

 


Caminhoneiro ajudou colega em decisão rápida e que salvou a vida do companheiro de estrada (Foto: Cedida pela PRF)

Barra Mansa – O fluxo de veículos que circulam pela Rodovia Presidente Dutra diariamente é intenso e não é incomum nos depararmos com acidentes em alguns trechos da estrada no Sul Fluminense. No último dia (3), no entanto, uma cena chamou atenção. Foi quando uma carreta tombou e pegou fogo no KM 280, próximo a Fábrica FMC, em Barra Mansa. Ele foi ajudado por um outro caminhoneiro, que arriscou a própria vida para salvar o colega de profissão.

No momento do acidente, apenas o motorista estava no interior no veículo e não houve vítimas. Isso tudo graças a atitude heroica de um homem, identificado como Leandro Nogueira Guinalz, de 43 anos, de Itapeva, MG. Leandro estava transportando uma carga do Rio de Janeiro para São Paulo no momento do acidente. Ao se deparar com a cena, não hesitou em ajudar o motorista da carreta tombada, identificado como Luiz Pereira da Silva, de 54 anos, de São Paulo.

Luiz estava transportando móveis de São Paulo para Vitória, no Espírito Santo. Em questão de segundos após o resgate, o veículo começou a pegar fogo e, não fosse a nobre atitude de Leandro, Luiz poderia ter morrido. Por outro lado, ficou claro que Leandro também arriscou a própria pele. Pensando nisso, o DIÁRIO DO VALE procurou um agente da PRF e um bombeiro civil para entender melhor o que deve ser feito em ocasiões como esta.

Segundo o bombeiro civil Jean Patrique Elizeu Berto, a única coisa que se deve fazer nesses casos é não colocar a mão na vítima, até para evitar mais traumas.

– É importante solicitar o atendimento do Samu ou do Corpo de Bombeiros. Nesse caso, o rapaz que fez a retirada do carreteiro não se machucou, mas poderia ter acontecido algo mais grave. Havendo risco, quem está resgatando o acidentado deve se colocar em primeiro lugar. Se a pessoa perceber que o veículo vai explodir, além de se colocar em risco, pode se tornar uma segunda vítima. Se não há risco eminente e o veículo não tiver riscos de explosão, o correto é não tocar na vítima, até que o resgate chegue – disse.

Segundo o agente da PRF Carlos André Nogueira Fernandes, uma atitude como a de Leandro é louvável. No entanto, ele alerta que se quem estiver socorrendo não tiver o preparo adequado, o resultado final pode ser o inverso do esperado. Nogueira ressaltou que um resgate mal feito pode causar lesões permanentes na vítima ou até levá-la a morte. Em outra ponta, o próprio altruísta pode acabar como vítima. “Se não houver atenção, a pessoa pode se esquecer de sinalizar o local. Dessa forma, outro veículo pode se chocar com o que já estava acidentado na pista, aumentando a gravidade do acidente e vindo a piorar a situação da vítima. Ou atingindo o socorrista, que acabará se tornando outra vítima do acidente – destacou.

O agente alerta sobre os riscos de cargas perigosas. “Outra situação grave que pode ocorrer é o acidente com veículo transportando produtos perigosos (tóxico, inflamável, radioativo, etc). Caso o socorrista não tenha noção do tipo de produto, pode colocar sua vida em risco também. Por isso, o melhor é fazer contato com as equipes ou órgãos responsáveis pelo socorro (resgate da concessionária, CBMERJ, ou com a PRF) e aguardar a ajuda especializada. Claro que muitas vezes, dependendo da situação, do risco no qual a vítima se encontra, é melhor e mais seguro, retirá-la do veículo o quanto antes, como foi no caso desse acidente. Neste caso, a espera pelo resgate iria prejudicar a vítima. Apesar do caminhoneiro ter saído mancando, ele praticamente não sofreu qualquer ferimento, facilitando o resgate. Se a vítima estivesse presa nas ferragens não seria possível tê-la resgatado tão rápido e o pior teria acontecido. Quem chegar no local primeiro, terá que avaliar e tomar a decisão”, afirmou.

Carreta pegou fogo poucos minutos após o tombamento (Foto: Cedida pela PRF)

 

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Esperar o SAMU, infelizmente a vítima vai morrer, são raros casos que eles chegam rápidos.

  2. Avatar

    Muitas vezes a atitude de socorrer alguém é por puro reflexo e sem reflexão…. E só nos damos conta quando já foi feito.
    Ainda bem que neste caso deu tudo certo!

Untitled Document