domingo, 11 de abril de 2021 - 18:41 h

TEMPO REAL

 

Capa / Plantão da redação / Novo calendário de vacinação no Estado do Rio inclui agentes de segurança e profissionais de educação e saúde

Novo calendário de vacinação no Estado do Rio inclui agentes de segurança e profissionais de educação e saúde

Matéria publicada em 30 de março de 2021, 14:22 horas

 


Rio – O governo do Rio de Janeiro lançou hoje (30) o calendário único de vacinação da covid-19 para o estado. O governador em exercício, Cláudio Castro, disse que a unificação do calendário foi um pedido dos prefeitos.

“A gente estava percebendo uma grande migração de pessoas de um município para outro [para se vacinar]. Os prefeitos solicitaram que o governo estadual fizesse um decreto criando esse calendário único. A intenção dele não é criar obrigação, é criar um balizador para que isso possa ser dialogado com os municípios”, afirmou Castro.

Três categorias serão priorizadas na imunização: profissionais de saúde abaixo de 60 anos, das áreas de segurança pública e da educação.

De acordo com o governador, o primeiro grupo abrange 324 mil profissionais de saúde que ainda não foram vacinados. Na área de segurança, serão imunizados, a partir de 12 de abril, agentes das polícias Militar, Civil, Federal, Rodoviária Federal, Corpo de Bombeiros, agentes penitenciários, Guarda Municipal, Defesa Civil, além de oficiais de Justiça.

“Além de as forças de segurança não terem parado em momento algum, há preocupação enorme de serem vetores de transmissão”, acrescentou Castro.

Na terceira categoria estão os profissionais da área de educação. “Precisamos de uma escola absolutamente segura. Precisamos tanto que os profissionais tenham tranquilidade para ir trabalhar quanto os pais de levar seus filhos para a escola sabendo que os trabalhadores da área de educação já estarão imunizados”.

O governo estadual ainda vai divulgar as datas do calendário único de vacinação.

As informações são da Agência Brasil.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. Avatar

    Morador de rua , presidiário na frente da mãe e pai de família que tem que sair trabalhar.

    Esse estado é uma piada.

    Beneficia os errados .

    Também com um governador fura decreto .

  2. Avatar
    Classes de fura fila

    Na ordem definida pelo Ministério da Saúde, a vacinação do grupo com comorbidades começa após a etapa de imunizar idosos a partir de 60. Em seguida vêm pessoas com deficiência permanente, pessoas em situação de rua, população privada de liberdade, funcionários do sistema de privação de liberdade, professores do ensino básico, trabalhadores da educação, forças de segurança e salvamento, forças armadas, trabalhadores do transporte, caminhoneiros, portuários e trabalhadores industriais.

    Cada dia que passa é uma classe furando fila.

  3. Avatar

    Na ordem definida pelo Ministério da Saúde, a vacinação do grupo com comorbidades começa após a etapa de imunizar idosos a partir de 60. Em seguida vêm pessoas com deficiência permanente, pessoas em situação de rua, população privada de liberdade, funcionários do sistema de privação de liberdade, professores do ensino básico, trabalhadores da educação, forças de segurança e salvamento, forças armadas, trabalhadores do transporte, caminhoneiros, portuários e trabalhadores industriais.

    Vacinação injusta.

    Quem decide quem é mais importante ?

    Quem decide quem vale mais?

    Presidiário com vacina e a empregada doméstica, o comerciario não?

  4. Avatar

    Quem merece mais a vacina?

    O veterinário, o professor, o personal, o policial, o nutricionista merecem mais serem vacinados?

    E os comerciarios, industriarios, donas de casa, trabalhadores da construção civil, jornalistas,domesticas, etc?

    Vacinacao por idade é a forma mais igualitária.

    Vacinacao classista , parece época do clero e burguesia.

  5. Avatar

    Continuamos com a vacinação classista.

    Tirando profissionais de saúde da linha de frente do covid, a vacinação teria que ser por idade, meio mais justo.

    Alunos não estarão seguros por professores estarem vacinados, pois vacinados também pegam e transmitem covid , mas de forma assintomatica ou com sintomas mais leves, sem contar que o maior meio de contaminação são as próprias crianças que não cumprem protocolos direito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document