domingo, 25 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Plantão da redação / Postes em Quatis se tornam mais um espaço para arte

Postes em Quatis se tornam mais um espaço para arte

Matéria publicada em 21 de julho de 2019, 14:00 horas

 


Jussara Maria tornou o Centro de Quatis um pouco mais colorido
(Foto: Divulgação)

Quatis- Quem passa pelas ruas do Centro de Quatis já deve ter notado que alguns postes que sustentam cabos de energia e telefonia, estão diferentes. Isso porque uma mulher tem realizado um trabalho artístico, com pinturas à base de tintas de parede, no local. A pintora ‘desconhecida’ se chama Jussara Maria Ferreira de Carvalho, de 62 anos. Jussara é costureira e realiza esse trabalho na cidade há aproximadamente duas semanas.
Segundo Jussara, a prática da pintura é um hobbie que começou a fazer parte do seu dia a dia há aproximadamente 12 anos, com pinturas em quadros de parede; e além de quadros e postes, hoje em dia, ela ornamenta, de forma artesanal, decorações para festas familiares, também como hobbie.
– Gosto de pintar. Tenho o costume de fazer reproduções de quadros famosos, como um hobbie mesmo. Quadros de Portinari, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti estão entre os que gosto de reproduzir. Faço isso como uma válvula de escape também. Quando vi um poste na rua, pintado por uma loja, achei legal e diferente, e comecei a pintar também. Já pintei uns três e tem uma porção de gente querendo que eu continue – comenta, ressaltando que buscou informações sobre uma possível restrição da prefeitura sobre a prática, e segundo ela, não houve nenhum impedimento do órgão público.
– Busquei informação. A prefeitura deixa. A Light a gente não buscou saber, mas acredito que não tem problema, até porque em outras cidades existe isso.
A costureira e também artista plástica, diz que tem vontade em comercializar suas obras, mas menciona que sente resistência da população, pela procura de obras de arte. Ela ressalta que hoje em dia suas costas não ajudam tanto por causa do hábito de costurar por muitos anos, mas não pensa em deixar a pintura de lado.
– No período da manhã, trabalho com a costura. Na parte da tarde, trabalho com a pintura. Já pensei em tentar vender meus quadros, que ao todo, somam uns 15; mas por ser um trabalho demorado e às vezes, caro, é difícil encontrar pessoas que tenham interesse em pagar por uma obra. Pinto para mim e acabo presenteando algumas pessoas, às vezes. Todo material é comprado por mim, como telas e tintas a óleo, que permitem que o sombreamento da imagem fique melhor, por exemplo. Hoje em dia, minha coluna está um pouco comprometida, mas não deixo de fazer esse trabalho porque é algo que me faz bem. Com os postes, por exemplo, uso tinta de parede e resina na finalização. Muitas pessoas estão gostando e estou conseguindo até um patrocínio de uma loja de tinta – diz.

Repercussão

Durante a semana, algumas fotos do trabalho de Jussara circularam em uma rede social. Isso porque uma acupunturista, e amiga de Jussara, divulgou o registro, feito em uma manhã de domingo. Segundo a amiga da artista, atos como esse devem ser divulgados e valorizados. Após o compartilhamento, diversas pessoas deixaram comentários positivos, enaltecendo a atitude de Jussara e comentando que a ideia poderia ser levada para outros municípios.
– Ela é uma artista e tudo o que ela faz fica bacana. O que me chama atenção e acho incrível no trabalho dela, é o fato dela reutilizar produtos que poderiam ser jogados fora, também. Ela é muito econômica, criativa e se preocupa com a ecologia. Somos amigas e ela sempre foi muito próxima da gente e quando eu a vi fazendo esse trabalho na rua, quis compartilhar com todos; até para dizer para ela, o quanto ela é especial. Quis fotografar e compartilhar porque achei interessante ela estar se dedicando em fazer algo tão bacana, em um domingo de manhã. Enquanto vivemos um momento com tantas notícias ruins, alguém estar embelezando a cidade, é incrível. Tudo que ela põe a mão fica incrível, na verdade. Seja com pintura, ou com trabalhos artesanais. A gente precisa disso no país. Encontrar pessoas que façam coisas boas, em uma época tão dura. Uma iniciativa assim deixa a gente feliz – comenta.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document