quinta-feira, 21 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / Corpo de Bombeiros esclarece boato sobre taxa de incêndio

Corpo de Bombeiros esclarece boato sobre taxa de incêndio

Matéria publicada em 2 de julho de 2017, 22:01 horas

 


Rio – O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ), esclareceu, por meio de nota, algumas dúvidas com relação ao pagamento da guia de 2017 da taxa de incêndio, cujo vencimento está programado para entre os dias 10 e 17 deste mês. Isso ocorreu porque um boato surgido nas redes sociais levantou a suspeita sobre a veracidade dos boletos.

O boato se baseou nos números iniciais do código de barras, já que algumas guias o número que inicia a sequência é “000”, enquanto o número correspondente ao banco a que se destinará o pagamento (Bradesco) usa o número “237”.

Segundo a corporação, os boletos – cuja linha digitável inicia com a identificação do banco como “000” – são legítimos. Os documentos impressos neste modelo seriam de contribuintes que não possuem o CPF/CNPJ cadastrado no site do Corpo de Bombeiros (www.funesbom.rj.gov.br). Sendo assim, o pagamento somente poderá ser recebido pelo Bradesco, de acordo com a nova plataforma de cobrança do Banco Central.

O Corpo de Bombeiros explicou ainda que os contribuintes que identificarem, no ato do pagamento, divergências nos valores da cobrança de suas taxas de incêndio ou suspeitarem de fraude de boletos, podem acessar o site da corporação para emitir 2ª via do boleto.

A corporação esclarece, ainda, que em relação à diferença entre o valor do título e o efetivamente cobrado pelo banco, identificada até o momento em alguns boletos, não significa fraude. Trata-se de uma incompatibilidade de registros na base de dados do banco, especificamente para os boletos não compensáveis, com pagamento exclusivo no Bradesco, cujos titulares não possuem CPF/CNPJ registrados no Funesbom.

A taxa de incêndio é uma obrigação tributária estadual, instituída no Código Tributário do Estado do Rio de Janeiro. O não pagamento leva o contribuinte a ter o nome inscrito na dívida ativa do estado.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    Minha farinha é pouca, meu pirão primeiro, quem quiser receber taxa de incêndio que vá cobrar do bispo. Ai eleitor OTÁRIO, vc mesmo votou nesses crápulas para ficarem inventando taxas para a população pagar.

  2. Avatar
    الفتح - الوغد

    Já fizeram alguma vez auditoria nessas contas que recebem os fundos arrecadados pela cobrança da taxa de incêndio? Contas do governo são sempre uma caixa-preta…

    Só em VR deve existir uns 80 mil imóveis. O menor valor (imóveis residenciais até 50m²) é de cerca de 28 reais. Só aí dá mais de dois milhões e duzentos mil reais em um ano. Vamos considerar que muitos imóveis são bem maiores, afora os não comerciais, que pagam muito mais (às vezes o quádruplo)… É muito dinheiro para uma taxa destinada para a compra de equipamentos e veículos…

  3. Avatar

    Mais um brinde do estado do Rio de Janeiro. Em Minas Gerais até existe a taxa, mas apenas para o comércio.

  4. Avatar
    agafjgjjkWantuil fortes Silvério

    É uma taxa criada entre Deputados estadual e TCE , Se sua casa acontecer um incêndio e for perda total O estado vai ter dá outra casa ? Agora vejam bem em Vredonda só à rua 33 na vila , É suficiente para manter à manutenção dos carros da corporação. Para aonde vai o restante ,Que é igual à 99,99% ? Eu não pago isso é rrrrrrrrr

Untitled Document