segunda-feira, 24 de janeiro de 2022 - 20:09 h

TEMPO REAL

 

Capa / manchete1 / Delegada de Cabo Frio conclui investigação sobre assassinato de voltarredondense

Delegada de Cabo Frio conclui investigação sobre assassinato de voltarredondense

Matéria publicada em 1 de março de 2015, 20:22 horas

 


Natana Sanches

Vítima: Nascida em Volta Redonda, Natana morava em Cabo Frio há três anos

 

Cabo Frio

 

A delegada titular de Cabo Frio, Flávia Monteiro, em uma recente entrevista coletiva, deu como elucidado o caso do assassinato da voltarredondense, Natana Sanches, de 25 anos. Ela foi encontrada morta no dia 1º de janeiro deste ano, no Parque Municipal do Dormitório das Garças, em Cabo Frio, Região dos Lagos. No início, peritos acreditavam se tratar de um acidente de trânsito, já que a vítima foi encontrada na lagoa com sua motocicleta Honda Bizz por cima, aparentando ter se afogado após o acidente.

A policial concluiu que o principal suspeito do crime foi o namorado da vítima, Antônio Carlos Silva Escudeiro, o Tony, de 38 anos, que já estava preso desde o dia 2 de janeiro porque, ao chegar na delegacia para prestar depoimento, foi constatado que havia contra ele um mandado de prisão por sequestro em 2008.

No primeiro depoimento, Tony, que era casado, disse que passou o réveillon com a família em casa e que dormiu por volta das 3 horas da manhã, após ter assistido, através do computador, o seriado House. Confirmou que tinha um caso antigo com a vítima, ainda do período em que ela trabalhava em uma farmácia.

As investigações continuaram e após morte de Natana, a mulher de Tony, ao saber que estava sendo traída por ele entregou o computador, que pertencia ao casal, por livre e espontânea vontade, onde peritos constataram a primeira mentira do suspeito

– Ele não viu nenhum seriado como tinha afirmado, e tem mais, o computador foi desligado por volta das 3 horas – disse a delegada.

Com a ajuda de imagens de um sistema de segurança de um estabelecimento comercial, descobriram que o acusado tinha saído de casa por volta das 3 horas e só retornando por volta das 5 horas. Exatamente o período em que Natana foi morta. As imagens mostram o suspeito jogando algo fora: os policiais acreditam ser o chip do telefone da vítima.

Diante de todas as provas  e depoimentos a delegada não teve mais dúvidas sobre a autoria do homicídio da vítima por parte do amante, então pediu sua prisão preventiva, que foi acatada pelo Ministério Público. Antônio Carlos Escudeiro ficou preso, além do sequestro cometido anos atrás, também pela morte de Natana Sanches Campos.

A jovem foi enterrada no dia 2 de janeiro, no Cemitério Portal da Saudade, em Volta Redonda. Natana morava há pelo menos três anos em Cabo Frio e trabalhava há cerca de 15 dias em uma estação de TV. Ela deixa uma filha de três anos de idade.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document