segunda-feira, 12 de abril de 2021 - 18:22 h

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / Jovem fere ex-namorada com estilete em Barra do Piraí

Jovem fere ex-namorada com estilete em Barra do Piraí

Matéria publicada em 25 de março de 2021, 15:40 horas

 


Delegado diz que a intenção do suspeito era deixar uma marca na ex

Barra do Piraí – Policiais civis da 88º DP, coordenados pelo delegado titular Rodolfo Atala, prenderam nesta quinta-feira, dia 25, um jovem, de 22 anos, que foi indiciado por ameaça e violência doméstica. Ele é suspeito de ferir a ex-namorada a golpes de estilete, no Centro de Barra do Piraí, por não se conformar com o fim do relacionamento amoroso do casal.

Atala explicou que a intenção do suspeito foi deixar uma marca na vítima. “Possivelmente para que ela, ao ver a cicatriz, se lembre dele”. O jovem ainda ameaçou a ex, por meio de mensagens enviadas pelo WhatsApp, quando soube que ela foi à delegacia para registrar queixa contra ele.

A vítima contou que o ex-namorado era extremamente possessivo e a que iria matá-la, caso fosse procurar a polícia. Ela explicou ainda ao delegado, que sofreu um relacionamento abusivo, com agressões físicas e verbais.

O delegado disse que apesar de ter passado por diversos episódios de terror, a vítima sempre teve medo de denunciar o ex, que passou a persegui-la após término do romance.

Após o registro feito na Delegacia de Barra do Piraí pela vítima, policiais civis saíram em perseguição e encontraram o suspeito em uma casa, em Piraí (município vizinho). Levado para a 88ª DP, o jovem deparou-se com a mãe da vítima.

Segundo Atala, a mulher o chamou de covarde e disse que, agora, ele irá pagar o que fez à Justiça.

– A maioria dos casos de violência doméstica são subnotificados, sequer chegam ao conhecimento da polícia. É muito importante que as mulheres se encorajem e denunciem os agressores à Polícia Civil. Todos os casso serão analisados e terão uma resposta firme. É preciso combater com contundência todo tipo de violência contra a mulher, seja física, sexual, patrimonial, psicológica, inclusive assédio sofrido nas relações de trabalho – disse Atala, acrescentando que as pessoas podem contar com a Polícia Civil.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document