sexta-feira, 15 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / 1.000% de aumento na apreensão de munição a caminho do Rio de Janeiro

1.000% de aumento na apreensão de munição a caminho do Rio de Janeiro

Matéria publicada em 6 de novembro de 2017, 09:46 horas

 


f0d0737b-3c58-42e0-80cc-e416f323e7be

Em 113 dias da Operação Égide, foram recolhidas 73.076 unidades de calibres usados em revólveres, pistolas, metralhadoras e fuzis
(Foto: Divulgação PRF)

Brasília– Como parte da estratégia de combate ao crime organizado no Rio de Janeiro, o Ministério da Justiça e Segurança Pública vem registrando um significativo aumento no número de munições de armas de fogo apreendidas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas vias que ligam estados da faixa de fronteira e o Rio de Janeiro. Em 113 dias da Operação Égide, foram recolhidas 73.076 unidades de calibres usados em revólveres, pistolas, metralhadoras e fuzis – número 1.035% superior aos do mesmo período em 2015 e 488% maior que em 2016.

A Operação Égide é desenvolvida pela PRF em parceria com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) desde 10 de julho deste ano. O objetivo é reforçar o combate ao tráfico de armas, drogas e produtos contrabandeados. As ações acontecem em três etapas simultâneas: nas rodovias federais que cruzam estados de fronteira (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul); nos grandes corredores rodoviários (Goiás, São Paulo e Minas Gerais); e no Rio de Janeiro.

Do início da Operação até 31 de outubro, foram apreendidas 3.255 munições nas rodovias federais dos estados de fronteira (1553,56% mais que em 2015 e 939,98% mais que em 2016), 53.840 nos estados de SP, MG e GO, (elevação de 326,61% em relação há dois anos e 190,63% superior ao ano passado) e 15.981 somente no estado do Rio de Janeiro (11.480,43% mais apreensões que em 2015 e 90,41% acima do apreendido em 2015).

Os números também aumentaram em relação às apreensões de armas de fogo e drogas ilegais, prisões de acusados de crimes e veículos recuperados. O saldo está sendo contabilizado pela PRF. A Operação Égide integra as ações do Plano Nacional de Segurança Pública, cujos três eixos prioritários são redução de homicídios dolosos, feminicídios e violência contra a mulher; racionalização e modernização do sistema penitenciário; e combate integrado à criminalidade organizada transnacional.

Articulação

Para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim, é fundamental inibir os meios logísticos de grandes quadrilhas, buscar a fonte de dinheiro. “Trata-se de uma ação contínua para obrigar o crime organizado a gastar os recursos que tem. O governo federal cercou a chegada de munição na capital e no estado do Rio de Janeiro. Os bandidos estão perdendo a guerra da logística porque houve estrangulamento logístico”, afirmou.

As ações têm o Rio como foco, pois há uma força-tarefa do governo federal em andamento devido à crise de segurança pública no estado, mas beneficiam todos os estados do país. As ações também contam com a participação da Força Nacional de Segurança Pública e da Polícia Federal, especialmente nas cidades do Rio de Janeiro (RJ) e de Foz do Iguaçu (PR), assim como colaboração com as Forças Armadas, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e policias estaduais.

“A cooperação federal, inédita na forma em que está acontecendo no Rio de Janeiro, possibilitou à PRF resultados expressivos no controle da violência nas rodovias federais, incluindo a diminuição drástica da incidência de roubo de cargas nos trechos policiados pelas nossas equipes. Através da parceria com a Senasp, pudemos aumentar o número de equipes em trechos estratégicos e também estamos utilizando melhor a tecnologia e a inteligência policial”, destacou o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Renato Dias.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Poucos talvez saibam, mas a mente criadora por trás destes sucessos é um homem modesto chamado Santos Cruz, general-de-Divisão, atual Secretário Nacional de Segurança Pública. Este senhor comandou tropas brasileiras no Haiti, na pior fase, passando o rodo geral nas gangues de Cité Soleil. Até pouco tempo, estava comandando a missão da ONU no Congo, e pra variar, passou o rodo em 03 dos 50 grupos criminosos que assolam aquele país! Ele não brinca em serviço e tem a lealdade dos FE do EB…vai morrer muito vagabundo ainda…a Sucuri só tá começando a voltear a presa…

  2. Avatar
    Cadê a renovação na política vereador e prefeito

    Até que enfim trabalhando

Untitled Document