terça-feira, 2 de junho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / Moradores temem por usuários de drogas que ficam em praça do Aterrado

Moradores temem por usuários de drogas que ficam em praça do Aterrado

Matéria publicada em 5 de abril de 2020, 12:35 horas

 


Polícia Civil ressalta a importância de fazer boletins de ocorrência para investigações de casos de roubos e assaltos; PM diz que faz ronda na região

Volta Redonda – Moradores do bairro Aterrado procuraram o DIÁRIO DO VALE para denunciarem o uso de drogas em ruas que ficam no entorno da Praça Independência II e Luz, principalmente durante a noite. Imagens captadas através de câmeras de segurança de um dos prédios, que fica na Rua Simão da Cunha Gago, registram a presença dos usuários no local. Síndicos de prédios que ficam no entorno chegaram a contratar empresas privadas de segurança, mas a medida não tem surtido efeito, segundo eles.

A Assessoria de Imprensa 28º BPM ( Batalhão da Polícia Militar) informou que o policiamento na região é realizado diuturnamente com viaturas e motocicletas, sempre com o objetivo de coibir ações de criminosos. De acordo com dados divulgados pelo setor de inteligência da unidade, as estratégias demonstram uma queda de índices criminais de 50.0% no número total de roubo de rua na área do Batalhão, contabilizando os três primeiros meses do ano, se comparado com o mesmo período de 2019.

– Ressaltamos como de fundamental importância a colaboração da população com o registro de ocorrências em delegacias para a transmissão de informações que possam conduzir às autoridades aos trâmites investigativos necessários para a prisão dos criminosos. Nossa Central 190 e o Disque Denúncia do Batalhão – 0800 0260 667 – também seguem à disposição em tempo integral – diz a nota do Batalhão, enviada ao DIÁRIO DO VALE.

O delegado titular da 93ª DP (Volta Redonda), Wellington Vieira, também se pronunciou. O delegado afirma que, em alguns casos, a própria vítima não registra o fato e, com isso, a Polícia Civil não toma conhecimento da infração, e menciona a responsabilidade social da prefeitura sobre o caso.

– Recebemos diversas ocorrências relacionadas a roubo, mas nada envolvendo pessoas que estejam em situação de rua. A prefeitura de Volta Redonda tem uma secretaria específica para tratar desse assunto; um órgão muito importante por sinal. A gente sabe que não resolve, mas ajuda bastante – disse o delegado.

Wellington Vieira solicita à população que, caso alguém presencie e/ou seja vítima de qualquer crime, que solicite ajuda e leve a reclamação até a 93ª DP para que a Polícia Civil tome providências e prenda os responsáveis.

– Precisamos tomar conhecimento sobre o caso. Peço que mais pessoas compareçam à delegacia e relatem quais são os locais onde estão acontecendo esses delitos para eu tomar providências. Se as vítimas não veem à delegacia, não ficamos sabendo -, explicou.

‘Teia Invisível’

Desde que assumiu a 93ª DP em outubro de 2019, Wellington Vieira modificou alguns serviços na unidade. Em novembro do mesmo ano retornou o serviço, intitulado de ‘Teia Invisível’, lançado em 2012, que antes não estava sendo utilizado, como mais uma ferramenta para facilitar a comunicação da população com a polícia. O serviço, que é gratuito e garante o anonimato do denunciante através do Disk 197, tem desde então, contribuído diariamente com a Polícia Civil. Quem tiver o interesse em colaborar através do serviço, terá que aguardar no mínimo, o tempo de um minuto e meio para ser atendido. Isso porque a ligação chega ao Ciosp (Centro Integrado de Segurança Pública de Volta Redonda), antes de chegar à delegacia.

Para finalizar, o delegado ressaltou a importância da denúncia nesses casos.

– O tráfico de drogas é um vetor de outros crimes, como: roubo de veículos, roubo dentro de estabelecimentos comerciais, residências, roubo de transeuntes nas ruas e principalmente de tentativa de homicídio ou homicídio. O usuário financia o tráfico, logo, tem sua responsabilidade também. É importante que todos colaborem e caso sejam vítimas desses crimes, entre outros, peço que nos comuniquem. Sabemos que nem todas as pessoas que vivem em situação de rua estão relacionadas ao crime, mas caso haja suspeita, pedimos que este morador entre em contato com os órgãos competentes e com a polícia – finalizou.

Prefeitura faz abordagens periódicas

Através de uma nota, a Secretaria Municipal de Ação Comunitária de Volta Redonda informou que por meio do Centro Pop, realiza abordagens periódicas à população de rua do município. As ações têm como objetivo apresentar os trabalhos e a rede de assistência para esse público. A abordagem é feita diariamente com o intuito de encaminhar essas pessoas para os nossos serviços.

Ainda segundo a nota, a prefeitura de Volta Redonda conta com uma rede de serviços para essa população. O Centro Pop, que proporciona às pessoas em situação de rua o acesso a alimentação, higiene pessoal, provisão de documentação civil, atendimento psicossocial e, quando necessário, são encaminhadas para a rede de serviços socioassistenciais e demais políticas públicas.

E ainda tem o Quarto de Passagem e o Abrigo Municipal Seu Nadim. Além do SAM (Serviço de Atendimento ao Migrante), na Rodoviária Prefeito Francisco Torres. Ainda segundo a nota, a Secretaria Municipal de Saúde também oferece auxílio através do ‘Consultório na Rua’, que cuida da saúde dessas pessoas.

Rondas

Já a Guarda Municipal de Volta Redonda informou que realiza rondas constantes pelas ruas da cidade. “A GMVR não faz abordagem em moradores em situação de rua. Apenas se houver algum comportamento suspeito ou flagrante. Denúncias devem ser feitas pelo 156 ou 190”, explicou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

7 comentários

  1. Avatar

    Nós moradores do bairro Aterrado devemos muito as pessoas que (fazem doações de comida durante a noite nessa referida praça) já cheguei a perguntar para um desses doadores porque não distribuem essas comidas no bairro onde esses doadores moram, e ele respondeu que não queriam eles por lá.
    Essas pessoas em condições de rua só tem a preocupação de conseguir alguns trocados para comprar a bebida alcoólica, porque a comida já está garantida.
    Nunca vão sair dessa praça!!!

  2. Avatar

    Ir a delegacia é ser mau atendido, com descaso e sem retorno da reclamação. Isso não muda. Já fui assaltado duas vezes e não fui a delegacia. Para mim é perda de tempo.

  3. Avatar

    Interessante seria saber se usuários drogas e moradores de rua também morrem pelo vírus…. A preocupação e com todos???)

  4. Avatar

    Boa matéria, assim as autoridades tomam ciência do abuso que estamos
    presenciando na regiao…Na pracinha, rua Simao Gago, Coroados, na beira
    rada o Rio Paraiba , por alguns populares de rua.
    Cada dia pior transitar tanto a pe ,quanto de carro…uso indiscriminado de
    droga a qualquer hora..sao agressivos, intimidam com olhares , e durante
    a noite muita briga, andam para la e para ca falando alto, mulheres as ve-
    zes envolvidas e agredidas..sacodem os portões dos prédios,
    Realmente estão alterando muito a segurança

  5. Avatar

    os viciados em drogas ajudam espalhar o virus por todos os bairros a policia deveria prender os viciados ou fazer blitz nas entradas das principais favelas da cidade e revistar todos os carros e motos dos viciados playboizada viciada transportando virus pra todo lado em busca da erva e o pó maldito

Untitled Document