sábado, 7 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / Onze pés de maconha são apreendidos em uma residência em Paraty

Onze pés de maconha são apreendidos em uma residência em Paraty

Matéria publicada em 11 de novembro de 2019, 21:12 horas

 


Homem de 23 anos foi preso por policiais militares do 33º em casa; ele assumiu ser o proprietário da planta

Pés de Maconha foram encontrados no Sertão do Taquari em Paraty (Foto: Cedida pela PM)

Costa Verde – Policiais militares do 33º BPM apreenderam na tarde desta segunda-feira (11), na Estrada da Cachoeira da Pedra Lisa, no Sertão do Taquari, em Paraty, onze pés de maconha, que estavam plantados no quintal de uma residência. Segundo a PM, o local é comandado por uma facção criminosa.

De acordo com a PM, os policiais receberam uma denúncia anônima indicando que no endereço, um homem, de 23 anos, estaria plantando em seu quintal, além de mandiocas, alguns pés de maconha, e que a droga estaria sendo cultivada com o objetivo de ser processada e vendida. Cientes da informação, os PM’s foram até o local, e ao chegarem, abordaram o suspeito, que, ao ser perguntado sobre a posse de algum material ilícito no interior da residência, teria confirmado de forma livre e consciente que havia plantado a droga há aproximadamente 6 meses e que seu padrasto havia feito o mesmo, há pouco tempo.

Ainda segundo a PM, quando perguntado se as plantas estariam sendo cultivadas para serem preparadas e vendidas, ele teria respondido que não sabia a finalidade. Após a primeira abordagem, o suspeito encaminhou os policiais militares até o local onde foram recolhidos, os onze pés de maconha. O suspeito recebeu voz de prisão e foi conduzido até a sede da 167°DP (Paraty).


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Não ficamos sabendo do destino das plantas.

  2. Avatar

    Ohhhhhh. Nossa … Meu deus… gente… País de merda mesmo. No Brasil é crime ter plantas dessa natureza. Que atrasado nós somos. Sociedade do atraso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document