terça-feira, 19 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / PF e PM coíbem crimes ambientais em Angra

PF e PM coíbem crimes ambientais em Angra

Matéria publicada em 23 de outubro de 2019, 11:03 horas

 


As denúncias podem ser anônimas para preservar a vida do cidadão
(Foto: Divulgação)

Angra dos Reis – Agentes  ambientais da Polícia Militar e  policiais federais coibiram  na terça-feira (22), em duas ações diferentes,  praticas de crimes ambientais em Angra dos Reis. Numa das investidas, cinquenta mil metros quadrados de área degradada foi descoberta pelos policiais militares lotados na Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) Juatinga. O flagrante ocorreu após eles receberem informações sobre a localização de crimes ambientais feita ao Linha Verde (0300 253 1177), programa do Disque Denúncia voltado para meio ambiente.

Segundo os agentes da 4ª UPAm, após recebimento das informações, procederam às imediações da Rua Sergipe, entre Itinga e Bracuí, onde constataram que no local havia indícios de loteamento irregular, desmatamento e construção irregular em uma área de brejo.

Os lotes já estavam divididos e demarcados, com abertura de uma possível rua e corte de árvores de várias espécies. No terreno havia uma máquina retroescavadeira parada, mas sem nenhum responsável pelo equipamento.

Os agentes não localizaram o suspeito do ilícito ambiental. Os policiais registraram a ocorrência na 166ª DP (Angra dos Reis).

Outro crime ambiental

Na outra ação, desta vez realizada pela Polícia Federal e o Grupo Especial de Polícia Marítima (Gepom), dois homens foram detidos porque pescaram numa área de preservação ambiental, em Piraquara, também em Angra dos Reis. A investida ocorreu na Estação Ecológica de Tamoios, na Baía da Ilha Grande.

Levados para a Delegacia da Polícia Federal de Angra dos Reis, os pescadores pagaram fiança para responderem em liberdade, pelo crime ambiental.  Os barcos, o equipamento utilizado na pesca e o pescado foram apreendidos.

Em Angra dos Reis, a população pode denunciar qualquer crime ambiental ao Linha Verde, através do telefone 0300 253 1177 (custo de ligação local) ou ainda pelo aplicativo disponível para celulares “Disque Denúncia RJ” onde é possível enviar fotos e vídeos. Em todos os canais, o anonimato é garantido ao denunciante.E


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar
    EDMUR FERREIRA DA SILVA

    Pena que quando ocuparam e degradaram a Prainha de Mambucaba não existis polícia ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document