terça-feira, 7 de dezembro de 2021 - 12:44 h

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / Preso no Rio tatuador suspeito de matar engenheiro em Penedo

Preso no Rio tatuador suspeito de matar engenheiro em Penedo

Matéria publicada em 7 de novembro de 2015, 09:11 horas

 


morto

Engenheiro foi morto em agosto deste ano com um tiro na cabeça dentro de um bar, em Penedo
(Foto: Reprodução Facebook)

Itatiaia- Policiais da 99ª DP (Itatiaia) prenderam na madrugada desta sexta-feira (6), o tatuador Luciano Bonfim Ferreira, de 41 anos, suspeito de matar com um tiro na cabeça o engenheiro civil Eduardo José Delforno, também de 41 anos. O crime ocorreu no dia 14 de agosto em um bar na Avenida das Mangueiras, no bairro de Penedo, em Itatiaia, no Sul Fluminense. Os dois participavam de um encontro de motociclistas na cidade.

Luciano foi preso na casa dele, na comunidade Tijuquinha próximo ao Morro do Banco, às margens de uma estrada de acesso à Barra da Tijuca, em Itanhangá. O pai do tatuador, Rubens Gomes Ferreira, de 73 anos, também recebeu voz de prisão porque estava com um revólver calibre 38, que a polícia suspeita que foi usado pelo filho para matar o engenheiro.

Rubens chegou a ser levado para a 16ª DP (Barra da Tijuca), mas pagou fiança e vai responder por porte ilegal de arma em liberdade. O delegado de Itatiaia, Vicente Maximiliano, disse que enviará a arma para o Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), no Rio, onde será feita o confronto balístico para saber se o tiro que atingiu a cabeça do engenheiro foi disparado do mesmo revólver que estava em poder de Rubens. Os agentes da 99ª DP tiveram apoio dos policiais da 16ª DP e do Core (Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil).

Já Luciano veio para a região com a equipe da 99ª DP para Itatiaia. O delegado o indiciou por homicídio qualificado por motivo fútil. Segundo o inspetor Ricardo Lamin, no dia do crime o engenheiro estava no banheiro do bar, quando a faxineira entrou para limpar o local. Luciano entrou em seguida e usou o banheiro na frente da faxineira que se queixou da atitude com o engenheiro.
– Eduardo José saiu do banheiro, mas Luciano chegou em seguida, e mesmo observando a presença da mulher, expôs suas partes íntimas e passou a urinar perto da faxineira do bar. Ela saiu e comentou com o engenheiro sobre a falta de respeito praticada pelo tatuador, que ouviu que estavam falando dele e passou a discutir com o engenheiro. Com a arma em punho, ele mandou que Eduardo se ajoelhasse e disparou um tiro em sua cabeça – detalhou Lamin.

Por Dicler de Mello e Souza


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

13 comentários

  1. O que eu queria é saber o motivo, o que aconteceu, quais foram os fatos que precederam esse assassinato. Mas jamais saberei porque a vítima morreu e não pode dar seu depoimento.

  2. Eu sei que a dor da família é para sempre, mais no Brasil, para essa situação mudar tem que ser olho por olho , dente por dente, é simples matou, tem que morrer do mesmo jeito, manda esse vagabundo que matou covardemente o engenheiro ficar de joelho e da um tiro na cabeça desse pilantra, se sobreviver vai pra cadeia. Simples assim !!

  3. Parabéns à equipe da 99 DP, eu confesso que duvidava que esse crime fosse solucionado, graças a Deus eu estava errado, de novo meus parabéns e respeito a todos os policiais.

  4. Quem é cristão tem por obrigação de se unir pra tirar esse crápula do Cunha da vida política, ainda mais que ele usa a igreja pra disfarçar seus crimes. Temos que agir rápido antes que ele faça mais estragos.

  5. tem cara de bandido mesmo

  6. Aos que apoiam o desarmamento do cidadão de bem, até parece que o cidadão com sua arma registrada vai sair matando por aí, quem tem coragem pra tirar a vida do outro por motivos fúteis não tem medo de lei, não tem medo de nada! Com lei de desarmamento ou não eles vão continuar matando! Até agora não mudou nada!

  7. Se matar por coisas banais…

    • Em teoria sua tese é válida, mas na prática não… Na prática não existe um limite físico ou moral diferenciando o dito “cidadão de bem” do mau elemento, pois tanto um pratica, em maior ou menor escala, atos viciosos, antiéticos e imorais, quanto o outro pode possuir seus próprios códigos de conduta e modo particular de encarar a vida…

      Um exemplo. Dê um revólver para um cidadão de bem qualquer. Depois de um dia estafante de trabalho, ele chega em casa e vê sua mulher praticando atos libidinosos com o vizinho… Se ele tiver o revólver na mão, irá atirar. A emoção do momento falará mais alto que a razão. Se a arma ficou no carro, a chance de consumar o crime é menor. Se ele não tiver qualquer arma, é pouco provável que a tragédia aconteça…

      A diferença entre cidadão de bem e bandido é tão simplesmente a predisposição em cometer crimes e sua efetiva execução, a ficha criminal. Dê arma a um cidadão de bem e façam dele um bandido de ocasião…

  8. Para aqueles que querem a sociedade armada, este crime absurdo mostra como isso pode ser perigoso.

    Qualquer idiota armado passa a se achar valentão, acha que tem o direito de desrespeitar os outros sem ser criticado ou questionado. Caso contrário, ele saca a arma que dizem ser para “assustar bandido” e mata cruelmente um cidadão de bem.

  9. Parabéns pelo trabalho investigativo a toda equipe policial!!

  10. É o total sentimento de impunidade que faz um energúmeno cometer um crime desses…Parabéns à polícia judiciária que investigou e, de forma coordenada, efetuou a prisão deste elemento nocivo à sociedade.

  11. Ótima notícia. Pena que demorou para encontrá-lo. Que o tranquem e joguem a chave fora.

Untitled Document