quinta-feira, 15 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / TJRJ realiza mais uma ação em prol da mulher vítima de violência

TJRJ realiza mais uma ação em prol da mulher vítima de violência

Matéria publicada em 20 de agosto de 2018, 11:44 horas

 


Rio de Janeiro – O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) promove amanhã, terça-feira, 21, às 11 horas, a cerimônia de assinatura do Protocolo Violeta/Laranja-Feminicídio, com o objetivo de acelerar o acesso à Justiça às mulheres sobreviventes e eventuais familiares em situação de extrema vulnerabilidade e em risco de grave morte ou de lesão à sua integridade física. A cerimônia será realizada no Fórum Central do TJRJ, no Centro do Rio.

O protocolo foi elaborado pelo grupo de trabalho GT-Feminicídio, contando com a atuação e colaboração das quatro varas criminais da capital com competência de tribunal do júri, do I Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Capital, e do Núcleo de Defesa dos Direitos da Mulher Vítima de Violência de Gênero da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (Nudem).

O protocolo objetiva assegurar que medidas protetivas de urgência sejam concedidas em espaço de tempo adequado nos crimes de feminicídio, reduzindo o tempo entre o registro do fato e a decisão judicial que as concede.

Titular da 2ª Vara Criminal da Capital, a juíza Elizabeth Machado Louro comemorou a formalização do protocolo, que acredita que irá ajudar no momento em que as vítimas prestarem depoimento em juízo.

“Esse protocolo veio em muito boa hora, pois avalio que a atuação da equipe multidisciplinar do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher é muito importante para as vítimas e testemunhas, como familiares, vizinhos e amigos que chegam vulneráveis por todo o trauma sofrido ou vivenciado. Muitas vezes, na hora do depoimento em juízo, elas chegam muito confusas, não muito seguras de sua memória. Então, esse atendimento prestado pelas psicólogas e assistentes sociais auxilia para que as vítimas e as testemunhas se sintam mais seguras para prestar seu depoimento”, avaliou Elizabeth Louro.

A magistrada revelou que tem esperança de o protocolo também ser adotado em relação ao atendimento ao homem agressor.

“Espero que o protocolo também possa alcançar os homens, para que eles não voltem a repetir os atos, inclusive com outras pessoas. Porque esse homem que pratica o feminicídio não é como o criminoso comum. Muitas vezes ele é vítima do patriarcado, de uma cultura machista. E esse atendimento multidisciplinar pode contribuir para que esse agressor se conscientize e se recupere. De uma forma geral, acredito que o protocolo poderá dar mais efetividade aos processos, não se limitando apenas ao aspecto punitivo”, afirmou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. ssssssss djhdkjhdjkdhjkhjkdhdkjhkjdh

Untitled Document