terça-feira, 7 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / manchete1 / Xandinho é condenado a 12 anos de prisão pelo assassinato de um caminhoneiro

Xandinho é condenado a 12 anos de prisão pelo assassinato de um caminhoneiro

Matéria publicada em 10 de dezembro de 2014, 12:50 horas

 


Crime foi em frente a uma boate no Jardim Amália, após o réu discutir com a vítima

 Xandinho já está preso desde a ocasião do crime

Xandinho já está preso desde a ocasião do crime

Volta Redonda
Alexandre Pançardes Junior, o “Xandinho”, de 20 anos, acusado de matar com um tiro no pescoço, em agosto de 2013, o caminhoneiro Marlon do Valle Garcia, de 22 anos, foi condenado a 12 anos e 10 meses de prisão. O julgamento aconteceu ontem à noite (9) na 1ª Vara Criminal e foi presidido pelo juiz Ludovico Couto Colacino.

Xandinho responde por homicídio duplamente qualificado, por impossibilidade de defesa da vítima e por motivo torpe. O crime foi em frente a uma boate no Jardim Amália, após o réu discutir com a vítima.

Na época, o assassinato foi gravado pelo circuito de monitoramento de um prédio localizado próximo à boate. Marlon morava em Barra Mansa. O crime foi flagrado pelo circuito de monitoramento de um prédio e mostra quando Pançardes saca um revólver da cintura, vai até o carro onde Marlon está e discute com a vítima.

Marlon desce do carro, os dois continuam a discussão mesmo com o irmão de Marlon, Jaderson Luiz do Valle Garcia, tentando apaziguar a situação. Pançardes insistia que a vítima se ajoelhasse e pedisse perdão. Logo depois, “Xandinho” dispara um tiro que atinge o pescoço de Marlon, que não resistiu e morreu no local. O suspeito foge em um Fiat Palio.
De acordo com amigos de Marlon, a desavença entre ele e “Xandinho” teria começado em uma exposição agropecuária em Rio Claro, em maio. Na noite do crime, a vítima e “Xandinho” já teriam discutido dentro da boate.

O irmão de Marlon contou em depoimento que Pançardes mencionava a todo o momento a briga que eles tiveram em Rio Claro, quando os dois se confrontaram devido ao fato de “Xandinho” ter agredido outro irmão da vítima.

Passeata

O crime revoltou parentes e amigos do caminhoneiro, que saíram em carreata pelas ruas de Barra Mansa e Volta Redonda. Cerca de 800 pessoas – segundo cálculos da PM – em mais de 300 veículos se mobilizaram em frente à delegacia de Volta Redonda, onde reivindicaram justiça.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document