segunda-feira, 18 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Alerj discute retomada das obras do Comperj

Alerj discute retomada das obras do Comperj

Matéria publicada em 26 de julho de 2016, 20:23 horas

 


Participando: Dr. Julianelli discutirá retomada das obras do Comperj (Foto: Divulgação Alerj)

Participando: Dr. Julianelli discutirá retomada das obras do Comperj
(Foto: Divulgação Alerj)

Rio – As comissões de Trabalho, Tributação e Economia da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, junto com o presidente da Casa, deputado Jorge Picciani (PMDB) vão marcar, durante o recesso parlamentar, no mês de agosto, reunião com o governador em exercício, Francisco Dornelles (PP), o secretário executivo do Programa de Parcerias e Investimentos do Governo Federal, Moreira Franco, e com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, para discutir a reabertura do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí. Para o presidente da Comissão de Trabalho, deputado Paulo Ramos (PSol), esse é o momento de pressionar o governo.
As obras do Complexo foram iniciadas em 2008. No auge do seu funcionamento, 30 mil funcionários trabalharam diretamente no Comperj, informou o representante do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (SINAVAL), Jorge Faria. Hoje apenas mil operários estão no local. “Muitos trabalhadores foram afetados com a paralisação e precisamos pressionar politicamente para que haja uma mudança”, afirmou Paulo Ramos.
O custo anual para preservação dos equipamentos já instalados no Comperj é de cerca de R$ 10 milhões. De acordo com o presidente da Comissão de Tributação, deputado Luiz Paulo (PSDB), os custos para retomar o funcionamento do Complexo serão enormes, caso demore a reabrir. “Os materiais que já foram adquiridos vão se deteriorar rapidamente e a perdas serão altas”, afirmou.
A Petrobras já investiu U$$ 13 bilhões no Comperj e ainda falta construir a Central de Utilidades – que vai fornecer água, energia, gases e produtos para o funcionamento do Complexo – a refinaria e a unidade de processamento de gás. Segundo Luiz Paulo, para a construção do último item será necessário um investimento no valor de U$$ 2,3 bilhões. “Precisamos é dar efetividade a esse processo e fazer com ele se conclua” disse Luiz Paulo.
O prefeito de Itaboraí, Helil Cardozo (PMDB), reforçou que com a retomada das obras serão abertos mais novos 4 mil empregos no município que, segundo ele, foi um dos mais atingidos com a paralisação do projeto. “E também vamos conseguir aumentar a arrecadação de ISS em cerca de R$ 7 milhões”, informou.
Também estiveram presentes na audiência o presidente da Comissão de Economia, Waldeck Carneiro (PT) e os deputados Dr. Sadinoel (PMB) e Dr. Julianelli (PSol).


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document