terça-feira, 15 de junho de 2021 - 06:44 h

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Antonio Furtado discute mudanças no sistema prisional com Arthur Lira

Antonio Furtado discute mudanças no sistema prisional com Arthur Lira

Matéria publicada em 13 de maio de 2021, 18:16 horas

 


Antonio Furtado participa de reunião que pode gerar comissão externa de deputados federais sobre sistema prisional
(Foto: Assessoria de Imprensa)

Volta Redonda – O deputado Delegado Antonio Furtado (PSL/RJ), o presidente da Câmara dos Deputados,  Arthur Lira (PP/AL), o presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, o deputado Emanuel Pinheiro (PTB/MT), e o deputado Capitão Alberto Neto (Republicanos/AM) discutiram, em reunião realizada na quarta (12), em Brasília, o problema dos presídios no Brasil. Para os parlamentares, a seriedade do assunto requer a criação de uma Comissão Externa com o objetivo de investigar e analisar as denúncias de déficit de vagas, atuação dos crimes organizados e utilização de aparelhos celulares nas unidades prisionais.

– Temos um problema no sistema prisional brasileiro que precisa ser resolvido. Não se trata de transformar os presídios em hotel 5 estrelas, mas é fazer com que cumpram o  papel de ressocialização. Da maneira como é hoje, os presos, em via de regra, saem muito pior do que entram. Sabemos que os presídios se transformaram em verdadeiros  escritórios do crime organizado. Nossa ideia é ir aos presídios e apurar a situação. Verificar como o crime organizado tem o domínio desses espaços, que deveriam ser regrados e disciplinados pelo Estado – esclareceu o deputado federal Delegado Antonio Furtado.

De acordo com dados do Sistema de Informações do Departamento Penitenciário Nacional (Sisdepen), o Brasil possui cerca de 760 mil presos. Desse total, quase 680 mil estão em uma unidade prisional, quando o número de vagas é de pouco mais de 440 mil. Ou seja, um déficit de quase 240 mil vagas.

– Entendemos que não adianta, apenas, a polícia prender. No momento no qual o criminoso adentra no sistema prisional, precisa ser ressocializado, e não somente punido. Querendo ou não, mais cedo ou mais tarde, esse preso volta para a sociedade e não pode estar pior do que quando entrou. Acaba sendo um retrabalho para os órgãos de segurança e um prejuízo muito grande para a população. Normalmente, esses criminosos voltam ainda mais violentos e agressivos. A sociedade não precisa disso. Temos que resolver o problema – argumentou Furtado.

A solicitação para a criação da Comissão Externa será, oficialmente, enviada para apreciação do presidente da Câmara na próxima semana. Ao ser aprovada, são indicados os nomes dos deputados que integrarão o trabalho, entre eles, os parlamentares que participaram da solicitação.

– Podem contar com o meu apoio. Antes mesmo de ser  presidente da Câmara dos Deputados, eu já era favorável a uma modificação no sistema prisional. De fato temos uma graduação e a pós graduação do crime organizado nos presídios brasileiros. Precisamos de ações que consigam reverter esse problema – afirmou o presidente da Câmara, Arthur Lira.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Queremos saber o quanto está custando o preso.com alimentos,energia elétrica,banho,remédio,serviço carcerário,bota estes criminósos para trabalhar,com melhor conduta vai dar banho em corpos no IML.

Untitled Document