sábado, 22 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Antonio Furtado participa de reunião para tratar da concessão da Rodovia Presidente Dutra

Antonio Furtado participa de reunião para tratar da concessão da Rodovia Presidente Dutra

Matéria publicada em 23 de janeiro de 2020, 19:31 horas

 


Antonio Furtado acompanha de perto questão da concessão da Dutra
(Foto: Arquivo)

Volta Redonda – A questão da licitação de concessão da Rodovia Presidente Dutra (BR-116) foi assunto da reunião que aconteceu na quarta (22/01) na Associação Comercial do Rio.  Além do deputado federal Delegado Antonio Furtado, estiveram presente o secretário de Transportes do Estado, Delmo Pinho, o prefeito de Barra Mansa, Rodrigo Drable, o procurador Geral de Barra Mansa, Vasco Francisco Viana, Antônio Cardoso, empresário de Volta Redonda, Gilson de Castro, presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de  Volta Redonda, e Cleverson Stocco, diretor da CDL de Volta Redonda, todos preocupados com a possibilidade da instalação de uma praça de pedágio em Floriano, distrito de Barra Mansa .

– Assumimos uma posição favorável ao povo do Estado do Rio, especialmente do Sul Fluminense. Não estamos contra o ministro Tarcísio, da Infraestrutura, nem contra o Presidente Bolsonaro, apenas queremos que os entes públicos e as concessionárias cortem despesas para não aumentar os custos e repassá-los aos motoristas. Não aceitaremos, em hipótese alguma, prejudicar a população e quem utiliza a rodovia – explicou o deputado Antônio Furtado.

Serão realizadas audiências públicas para que a população possa conhecer o processo da concessão e também tenha a oportunidade de opinar sobre as questões abordadas.– É fundamental que o Estado do Rio nos represente em Brasília, pois pleiteamos, inclusive, a diminuição dos valores de pedágio, que este valor seja compartilhado com outras regiões e haja melhorias na qualidade das vias públicas – considerou o prefeito de Barra Mansa.

De acordo com os representantes na reunião,  antes de discutir a questão do pedágio no Rio, é necessário um estudo para observar os locais mais adequados e sem onerar a população. Posição como a do Presidente Jair Bolsonaro, no sentido de ser contrário à majoração de pedágio, bem como novas praças, retirada da rodovia Rio-Santos do projeto, e de diminuir a tarifa, também foram apontadas.

– O pedágio é caro.  Na ponte Rio-Niterói o valor do pedágio foi reduzido em 30% e ainda aumentou o volume de obras, por que não podemos fazer o mesmo na Dutra? Apenas nove por cento das viagens são pedagiadas no Estado. Os moradores do Vale do Paraíba não podem pagar por todas as pessoas que utilizam a rodovia. São necessários mais estudos sobre o tema – afirmou Delmo Pinho.

Os impactos econômicos para os diversos setores da região Sul Fluminense, caso uma nova praça de pedágio seja instalada na região, foram considerados. Setores como os industriais, comércio e turismo tendem a serem os mais afetados.

– Temos em Volta Redonda mais de 2 mil pessoas que trabalham em Resende e Porto Real. Todas serão prejudicadas, e também a economia da região, se houver um novo pedágio. Temos que ter transparência, saber qual a receita do pedágio da Dutra para calcular um valor que seja justo – ressaltou Antônio Cardoso.

Cancelar a licitação não é uma possibilidade considerada pelas autoridades, já que o prazo do contrato com a concessionária que administra a rodovia encerra este ano.

– Se ano que vem não tivermos a Nova Dutra, ou outra concessão, será um desastre.  Por isso precisamos tratar de modo responsável desse assunto que envolve a mobilidade e sua logística. Não podemos impor aos particulares e caminhoneiros uma despesa acima de sua capacidade contributiva – finalizou Antonio Furtado.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    Grande bosta!!!

  2. Avatar

    O problema com o deputado delegado ou delegado deputado é a confusão que ele faz, assim como o Samuca. Será que esse povo que ele fala são os empresários? Ele confundiu povo com os policiais na reforma da previdência, pois lutou o quanto pode para beneficiar a classe dos policiais deixando de fora o povo. E agora?

    Tomara ele tbm leia atentamente os documentos. Se deixar para os assessores policiais vai votar errado novamente.

    • Avatar

      a julgar pelo discurso simplista , o senhor é um que provavelmente dará seu voto a este indivíduo
      o que é ruim tende a se aproximar

    • Avatar

      Vladimir Spetsnaz

      Eu não estou falando para a classe dos policiais; povo é diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document