quarta-feira, 8 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Atual administração de Quatis pagou mais da metade da dívida herdada

Atual administração de Quatis pagou mais da metade da dívida herdada

Matéria publicada em 12 de dezembro de 2019, 22:49 horas

 


Bruno afirma que dívidas tornaram mais difícil investir no início do mandato

Quatis – Em janeiro de 2013, quando tomou posse para o exercício do seu primeiro mandato à frente da Prefeitura de Quatis, o prefeito Bruno de Souza (MDB) encontrou dívidas deixadas pelas administrações anteriores, cujo montante em números atualizados chega a R$ 14.684.479,90. Deste total, a atual administração da cidade já pagou R$ 7.447.102,68 ao longo dos últimos seis anos e dez meses (janeiro de 2013 a outubro de 2019), o que representa, portanto, mais de 50 por cento do débito existente em dezembro de 2012.

A existência das dívidas no final de 2012 pode ser comprovada no portal da transparência, na página eletrônica do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro) e no SIGFIS (Sistema Integrado de Gestão Fiscal), um dos mecanismos de controle das contas públicas. Para o prefeito Bruno de Souza, “o pagamento destes antigos débitos por parte da sua administração foi preponderante para a recuperação da credibilidade do Município junto aos órgãos externos”.

– Graças ao compromisso da nossa administração com a população do nosso Município, a cidade de Quatis hoje cresce com responsabilidade. Fizemos um volume significativo de obras, algumas aguardadas há muitos anos pelos moradores, como, por exemplo, o asfaltamento do Loteamento Céu Azul. Em breve, iniciaremos novos investimentos. Os salários são pagos dentro do prazo constitucional. Traduzindo em miúdos: a nossa administração paga a conta de outros governos, garante o funcionamento da máquina administrativa e realiza investimentos sem ter firmado nenhum financiamento novo, isto é, sem endividar a prefeitura – declarou o prefeito.

 

Dívida impediu investimentos em 2013

 

Calculada em aproximadamente R$ 15 milhões, as dívidas deixadas em dezembro de 2012 para a administração do prefeito Bruno de Souza (MDB), cujo primeiro mandato na chefia do poder executivo começou no dia 01º de janeiro do ano seguinte, corresponderam a cerca de 30 por cento do orçamento aprovado para exercício financeiro de 2013: cerca de R$ 49 milhões. Isso significa dizer que, por conta destas dívidas, o Município teve R$ 1,2 milhão a menos para investir todo mês, durante o período de um ano, em mais obras e serviços em favor dos moradores de Quatis.

O prefeito Bruno de Souza (MDB) frisa, no entanto, que apesar desta realidade financeira contrária, “a nova administração municipal não ficou de braços cruzados a partir de 2013, tendo trabalhado muito para equilibrar as contas da prefeitura, gerando assim os recursos necessários ao pagamento de dívidas herdadas dos governos anteriores às gestões 2013-2016 e 2017-2020; para pagar as contas do Município em dia, e ainda realizar investimentos visando melhorar a qualidade de vida da população quatiense”.

– O nosso governo não parou. Adotamos várias medidas de contenção de despesas, principalmente nos gastos de custeio, que perduram até hoje, mesmo com o equilíbrio financeiro que promovemos ao longo destes seis anos e dez meses. Trabalhamos pelo incremento das receitas, e buscamos verbas fora do Município. Todo esse esforço apresenta hoje resultados positivos, reconhecidos, inclusive, pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, e nos permite continuar realizando um volume significativo de investimentos nas comunidades da área urbana e da zona rural – declarou o prefeito.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    Enquanto em VR as dívidas só crescem e a capacidade de investimentos fica ZERADO + os pagamentos de juros e amortização para 2020 e anos seguintes.

    Isso pq o prefeito pegou empréstimo (que ele diz que é ajuda da CAIXA) de R$ 80 milhões AUTORIZADO pela maioria dos 21 vereadores. Pegou empréstimo pq a PMVR não tinha mais como investir. E os vereadores acreditaram.

Untitled Document