sexta-feira, 15 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Audiência na Comissão de Educação da Câmara debate doutrinação nas escolas

Audiência na Comissão de Educação da Câmara debate doutrinação nas escolas

Matéria publicada em 25 de março de 2015, 08:52 horas

 


Formação de professores e conteúdo de livros didáticos. Esses foram alguns dos temas debatidos hoje (24) na audiência pública cujo tema foi doutrinação política e ideológica nas escolas, promovida pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, por sugestão do deputado Izalci Lucas (PSDB-DF).

Izalci é autor de um projeto de lei (PL) que trata, por exemplo, das diretrizes da educação e da proibição de professores utilizarem as aulas para impor ideias políticas ou religiosas.

Na opinião do professor de sociologia do Departamento de Educação da Universidade de Brasília (UnB) Braúlio Porto de Matos, o problema da doutrinação começa na formação dos professores, que, para ele, é essencialmente esquerdista. Ele citou nomes de personsalidades que influem na formação dos docentes, dentre eles, o do educador Paulo Freire.

Para Bráulio Matos, Freire é dos autores nos quais os profissionais não deveriam se apoiar, por ser, em seu entendimento, um doutrinador a serviço do governo na época. Conhecido por defender a alfabetização como um processo de conscientização, o pernambucano Paulo Freire graduou-se em direito e deu aulas de língua portuguesa, além de história e filosofia da educação. Preso em 1964, após o golpe militar, exilou-se e viveu 16 anos fora do país.

Outro integrante da mesa de debates da audiência pública, o professor do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná, Luis Lopes Filho, avaliou os livros didáticos usados hoje em sala de aula como desatualizados e “esquerdistas”. “Esses livros não entregam o que eles prometem. Muitos deles dizem, às vezes citando grande nomes da pedagogia como Paulo Freire, que a prioridade é ensinar a pensar, mas apresentam questões muito polêmicas sob um único viés”.

Ele citou como exemplo o agronegócio, “visto como algo ruim, que desapropria o camponês, provoca inchaço nas grandes cidades, gera desigualdade, produz a fome. Tudo isso são afirmações altamente questionáveis. O êxodo rural não prejudicou a nossa capacidade de abastecer o mercado de alimentos”.

Sobre a ausência de professores, pesquisadores, movimentos sociais e outras entidades que apresentassem ideias opostas na audiência, o deputado Izalci disse que sugeriu “alguns nomes, e caberia aos outros deputados sugerir algumas pessoas. Evidentemente, é a primeira audiência pública. Evidente que agora podem haver outras e acho que caberia chamar outros segmentos para ouvir, sugerir. O importante é o debate”.

O secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios, que participou da audiência, explicou que a escolha do livro didático para as escolas públicas é feita pelos próprios professores e que as obras são selecionadas por mais de mil professores universitários. “Se há um entendimento de que um livro didático não atende à necessidade, se um professor exagerou na maneira como manifesta suas opiniões pessoais ou qualquer outro tema, a comunidade escolar deve ser capaz de discutir”, disse, cobrando uma mínima intervenção do Estado, cujo papel é defender o currículo comum. Palácios não acompanhou a audiência até o final.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar
    ÊTA POVINHO corrupto

    Os livros foram escolhidos por mais de mil professores universitários, mas esses professores são todos petistas, com raríssimas exceções. Claro que o livro teria conteúdo doutrinário. Daquele tipo de vida igual a das abelhas e a das formigas, onde um só reina e os outros o abastecem e obedecem, sem levar em conta as suas necessidades e o seu crescimento pessoal. Assim como o PT quer, mas com um detalhe: quem não é petista é abelha ou formiga.

    Um professor petista na sala de aula: Ele senta em cima sua mesa ou da carteira, onde devia ter um aluno, e põe os pés na cadeira e explica o livro (sem usar o quadro) para os alunos que estão sentados corretamente em suas carteiras. Faz isso para desmotivar os alunos e serem iguais as formigas, isto é, não precisam aprender muito (os resultados do IDEB estão aí para constatarem) para não reivindicarem maiores salários e progresso para assim terem só o salário mínimo. Igualdade social se vê por aqui bem ao estilo petista. kkkkkkkkkkkkk

    E tem eleitor que ainda vota nessas peças.

Untitled Document