segunda-feira, 15 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Banco VR de Fomentos discute economia solidária com grupo da prefeitura de Maricá

Banco VR de Fomentos discute economia solidária com grupo da prefeitura de Maricá

Matéria publicada em 19 de julho de 2018, 22:32 horas

 


Representante da secretaria de Economia Popular e Solidária da prefeitura de Maricá esteve na cidade para troca de experiências

 

Conversa: Nelsinho Kruschewsky trocou ideias com colegas da prefeitura de Maricá
(Foto: Secom PMVR)

Volta Redonda – O coordenador de Políticas Públicas da Moeda Social da Secretaria de Economia Popular e Solidária da prefeitura de Maricá, Natan Melo Costa, esteve em Volta Redonda no final da manhã desta quinta-feira, dia 19, para trocar experiências e conhecer os projetos do Banco VR de Fomento. Na pauta da visita, os assuntos principais foram economia solidária e o atendimento ao MEI (Micro Empreendedor Individual).
— O município de Maricá já trabalha com a moeda social digital e possui Banco Comunitário e queremos passar nossa experiência para os gestores de Volta Redonda, além de aprender com as boas práticas implantadas neste município — afirmou Natan Costa.
O coordenador do Banco, Nelson Kruschewsky, lembrou que esta é uma visita em retribuição às duas vezes em que esteve em Maricá – ao lado da secretária de Políticas para Mulher, Direitos Humanos e Idosos de Volta Redonda, Dayse Penna – em janeiro e março deste ano.
— Fomos conhecer o programa de economia solidária de Maricá para trazermos ideias para Volta Redonda — disse Nelsinho.
“No primeiro momento vamos apresentar o funcionamento da moeda social digital e do Banco Comunitário de lá para os representantes do Fórum de Economia Solidária de Volta Redonda e da Incubadora Tecnológica de Economia Solidária do Médio Paraíba, que fica na UFF (Universidade Federal Fluminense) Campus Aterrado”, contou o coordenador do Banco VR de Fomento, acrescentando que a tarde será dedicada a mostrar o trabalho do Banco e suas diversas áreas de atuação. Um dos destaques será o atendimento ao Micro Empreendedor Individual (MEI).
De acordo com o professor da UFF, Luiz Henrique Abegão, do departamento de Administração da Universidade, é bom conhecer o modelo da moeda digital de Maricá e de seu Banco Comunitário. “Pegamos o exemplo e adaptamos à realidade de Volta Redonda”, por isso a importância da discussão em grupo.
O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, afirma que o fomento à economia solidária já é realidade no município.
— No ano passado, realizamos o 1º Festival de Economia Solidária, com a criação da moeda social digital Arigó, que circulou durante o evento. E o 2º festival do tipo está agendado para os dias 31 de agosto e 1º de setembro no Memorial Getúlio Vargas, na Vila — declarou samuca.
O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Joselito Magalhães, disse que o governo municipal está investindo em todas as frentes do empreendedorismo. “Estamos fomentando a economia solidária, identificando as pessoas que atuam nessa área e verificando suas necessidades”.
— Quanto ao micro empreendedor individual, a gestão atual também realizou diversas ações, como a retirada de taxas, capacitação e orientação em parceria com o Sebrae e o incentivo para participação nas compras publicas — completou.
A visita do representante do município de Maricá promoveu troca de experiências sobre esse tema e também sobre o MEI. “É bom lembrar que as boas práticas implantadas no município de valorização do Micro Empreendedor Individual rendeu um dos prêmios de Prefeito Empreendedor do Sebrae para Volta Redonda”, disse Samuca.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Parabéns Nelsinho Gonçalves a economia solidária é um instrumento poderoso de fomento da economia em período de crise. Excelente, moderna, e forte iniciativa ação de fortalecimento econômico notadamente das pessoas mais carentes e do pequeno comerciante

  2. Esse evento foi muito importante, para troca de experiencias, sabendo que a economia solidária é uma realidade possível para Volta Redonda.

Untitled Document