Carreatas e passeatas: sábado de campanha tem trânsito pesado na caça aos indecisos - Diário do Vale
quarta-feira, 22 de setembro de 2021 - 22:56 h

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Carreatas e passeatas: sábado de campanha tem trânsito pesado na caça aos indecisos

Carreatas e passeatas: sábado de campanha tem trânsito pesado na caça aos indecisos

Matéria publicada em 6 de outubro de 2018, 11:43 horas

 


 

Motoristas tentam fugir do trânsito pesado entre Niterói e Aterrado


Volta Redonda –
Considerado praticamente como último dia de campanha, o sábado está com movimentação intensa de candidatos atrás dos votos indecisos. Carreatas e passeatas estão acontecendo em diversos locais, geralmente em pontos de maior fluxo de pessoas e carros. Resultado: o trânsito está mais pesado do que de costume.

Quem pega a saída do bairro Niterói para o Aterrado, por exemplo, deve exercitar a paciência. O caminho, que já não é dos mais fáceis aos sábados em geral, neste dia 6 está mais complicado. “A gente até sabe que os caras (candidatos) tem de ir atrás de votos, mas atravancar o tráfego não vai me fazer votar”, disse Rogério Lima.

Para Marilene Castro, que estava com o carro parado num congestionamento, estes tipos de eventos já fazem parte da cultura brasileira. “Brasileiro deixa tudo para última hora. Tanto o eleitor para escolher candidato como candidato ir atrás de voto. Num país de primeiro mundo a coisa é mais organizada”.

Célio Machado parou o carro e afirmou que vai esperar o trânsito fluir de novo. “Acho gostoso. Sou aposentado, não estou com pressa de nada. Já escolhi meus candidatos e estou tranquilo. Deixa a turma pedir voto”.

Dia da Votação

Neste domingo (7), os eleitores vão às urnas escolher o novo presidente do Brasil, os governadores dos 26 estados e do Distrito Federal. Também serão escolhidos os 1.059 deputados estaduais das assembleias legislativas e 24 deputados distritais, 513 deputados federais e dois terços, ou seja, 54 senadores (que ficarão os próximos oito anos no Congresso).

A ordem de votação sofreu uma pequena mudança este ano em relação ao pleito de 2014, quando o primeiro voto foi dado para o deputado estadual. A mudança decorre da Lei nº 12.976, de maio de 2014, que alterou o parágrafo 3º do artigo 59 da Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997) .

Ordem de votação

O eleitor escolherá primeiro o deputado federal (quatro dígitos). Depois, será a vez de votar para um deputado estadual (cinco dígitos), dois senadores (três dígitos), um governador (dois dígitos) e, por fim, o presidente da República (dois dígitos).

Ao digitar os números, aparecerão a foto, o número, o nome e a sigla do partido do candidato. Se as informações estiverem corretas, aperte a tecla verde Confirma. Para o cargo de senador, o eleitor deve fazer a operação duas vezes.

A urna eletrônica também tem a tecla Corrige, que permite ao eleitor mudar o voto caso detecte algum erro.

A Justiça eleitoral disponibilizou um simulador de votação para o eleitor praticar e não se confundir no dia da votação.

Voto na legenda

Nos casos de deputado federal e estadual, o eleitor pode votar no partido, sem escolher um candidato específico. Neste caso, é preciso apertar dois dígitos (números do partido). Antes da confirmação do voto, a urna apresentará a informação do respectivo partido e mensagem alertando ao eleitor que, se confirmado o voto, ele será computado para a legenda.

Voto nulo e em branco

Há opção de anular o voto, nesse caso, basta votar em um número inexistente – que não seja de nenhum candidato ou partido – e confirmar.

Para votos em branco, há uma tecla específica na urna eletrônica.

Os votos nulo e em branco não são considerados válidos, ou seja não entram na contagem para escolha de um candidato, são usados apenas para estatísticas.

Cola eleitoral

Para facilitar e dar agilidade à votação, a Justiça Eleitoral sugere que o eleitor leve para a cabine de votação a cola eleitoral, em papel, com os números dos seus candidatos. Celulares não são permitidos na cabine de votação.

Para serem eleitos chefes do Poder Executivo já no primeiro turno, os candidatos a presidente e os governadores precisam receber mais da metade dos votos válidos, excluídos brancos e nulos. Caso isso não aconteça, será realizado um segundo turno, em 28 de outubro, entre os dois que obtiverem maior votação.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document