>
quinta-feira, 11 de agosto de 2022 - 12:34 h

TEMPO REAL

 

Capa / Política / CORE completa 53 anos e Furtado visita instalações da unidade no Rio

CORE completa 53 anos e Furtado visita instalações da unidade no Rio

Matéria publicada em 5 de julho de 2022, 20:45 horas

 


Foto: Divulgação
Antonio Furtado conversou com policiais do CORE

Rio – O deputado federal Delegado Antonio Furtado esteve na Cidade da Polícia Civil, no Rio, para visitar as instalações da CORE (Coordenadoria de Recursos Especiais). A unidade completou 53 anos nesta segunda-feira, dia 04. O parlamentar conheceu um pouco da rotina dos agentes e, diante de algumas demandas, se comprometeu em viabilizar recursos para compra de equipamentos, além de apresentar propostas legislativas que assegurem a atuação dos policiais. Desde 2019, até o momento, o deputado destinou quase R$ 9 milhões à Polícia Civil.

As atividades da CORE envolvem incursões operacionais em áreas de alto risco, ações em ambientes confinados, desativação de artefatos explosivos, missões com auxílio de cães farejadores, intervenção em sequestros e assaltos, entre outras atribuições. Logo que chegou à unidade, Furtado participou de uma palestra ministrada pelo Delegado Fabrício Oliveira, coordenador da CORE, que divulgou alguns dados sobre o atual cenário de enfrentamento ao narcotráfico. Cerca de 40 policiais também estavam presentes. Pelo menos 10 deles relataram já terem sido baleados em confrontos.

– Sabemos qual é a nossa missão e não vamos desistir nunca. A sociedade precisa de nós e vamos continuar trabalhando para combater as ações criminosas. No entanto, a cada dia enfrentamos mais dificuldades para exercer a função que nos cabe. Esbarramos em diversos problemas. E ainda assim, seguimos firmes. No caso de apreensão de aparelho celular, por exemplo, não podemos acessá-lo sem autorização judicial. Essa liberação pode demorar meses. Quanto mais tempo aguardamos, menos chances de encontrar informações comprobatórias – frisou.

Fabrício ainda falou sobre a política de desencarceramento adotada em decisões judiciais. O policial civil justificou a afirmação destacando o caráter desfavorável da audiência de custódia, que hoje integra o processo criminal e analisa a legalidade da prisão. Para ele, esse instrumento é uma verdadeira ferramenta para reduzir o número de pessoas nos presídios e, como consequência, liberá-las às ruas.

– É uma tamanha insegurança jurídica. Nós prendemos e daqui a pouco os criminosos já estão soltos, colocando novamente a vida de cidadãos de bem em risco. E para piorar, é extremamente difícil acompanhar essas solturas. Enquanto os criminosos nos enfrentam com recursos, armas e táticas militares, nós policiais sequer podemos contar com um “auxílio enfermo” caso seja necessário. Os direitos humanos também valem para os agentes que se arriscam todos os dias – ressaltou.

Depois da palestra, Furtado visitou as instalações do esquadrão antibombas. Em seguida, andou em um veículo blindado, utilizado para proteger a vida dos agentes e romper barreiras físicas, como barricadas de pneus, facilitando a entrada em comunidades durante as operações.

– Pude vivenciar muitas experiências e conhecer um pouco mais da rotina desses heróis. É preciso valorizá-los. Atualmente, percebemos uma inversão de valores e conceitos. Lugar de bandido é na cadeia. Nas ruas, precisamos de policiais trabalhando com condições adequadas. A maior parte das pessoas presas e mortas em confrontos tem registro criminal e isso é um fato comprovado. É uma  realidade diária de perigo, combatida com coragem e dedicação. Uma vocação realmente admirável, uma missão baseada no compromisso em garantir segurança. Saí da CORE ainda mais orgulhoso e pronto para buscar mais investimentos para a Polícia Civil. Como sempre faço questão de dizer, quem cuida e protege, também merece ser cuidado e protegido – concluiu o deputado.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Juvenal Juvêncio

    Esse palhaço está gastando dinheiro público com propaganda antecipada, não é, gentalha? Povo fuleiro!

Untitled Document