segunda-feira, 24 de janeiro de 2022 - 22:10 h

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Dilma inicia agenda de trabalho de 2016 com desafios na política e na economia

Dilma inicia agenda de trabalho de 2016 com desafios na política e na economia

Matéria publicada em 4 de janeiro de 2016, 11:33 horas

 


Brasília – Após passar o réveillon com a família em Porto Alegre (RS), a presidente Dilma Rousseff inicia hoje (4) a agenda de trabalho de 2016 no Palácio do Planalto com desafios nas áreas política e econômica. A previsão é que, pela manhã, a presidente reúna-se com o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, e tenha reuniões com assessores. As informações são Agência Brasil.

A presidente Dilma manifestou otimismo com 2016 na mensagem de Ano-Novo aos brasileiros, que postou nas redes sociais. Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo no dia 1° de janeiro, a presidenta também disse esperar um ano melhor e falou sobre temas da economia e política, como o controle da inflação, a manutenção dos ajustes necessários para o equilíbrio fiscal e o pedido de impeachment em análise na Câmara dos Deputados. Sobre a inflação, Dilma disse que o controle da taxa é uma prioridade do governo. “Ela [inflação] cairá em 2016, como demonstram as expectativas dos próprios agentes econômicos”.

Em relação ao momento político que o governo atravessa, registrou no artigo: “Mesmo injustamente questionada pela tentativa de impeachment, não alimento mágoas nem rancores. O governo fará de 2016 um ano de diálogo com todos os que desejam construir uma realidade melhor”.

Nos últimos dias de trabalho de 2015, a presidente Dilma fez uma reunião com a equipe econômica do governo e assinou o decreto que reajustou o salário mínimo para R$ 880 a partir de 1° de janeiro.

A presidente também sancionou com vetos a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016. O texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União, com data de 31 de dezembro, e traz, entre os vetos, dispositivo que previa reajuste para os beneficiários do Bolsa Família. A presidente justificou que o reajuste não está previsto no projeto de Lei Orçamentária de 2016. “Assim, se sancionado, o reajuste proposto, por não ser compatível com o espaço orçamentário, implicaria necessariamente no desligamento de beneficiários do Programa Bolsa Família”, explicou na justificativa ao veto.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. DEIXE DE VOTAR E REELEJA OS MESMOS

    Bom! Muito bom a megera ficar só nas redes sociais enganando somente os petistas que apoiam ela.

    O problema é ela ir na TV para enganar o POVINHO noveleiro e esportistas de sofá, como os urubus, florminenses, vaiscaindos e o estrela solitária há décadas.

    Interessante é a petista comunista dizer que a inflação cairá em 2016, segundo os agente econômicos (petistas, claro!), os mesmos agentes econômicos que destruíram o MEU BRasil. Vem m**** por aí.

    O que tem a dizer os eleitores petistas e demais simpatizantes das bandeiras vermelhas comunistas?

Untitled Document