>
domingo, 22 de maio de 2022 - 01:03 h

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Executivo da CSN calcula que região ganhará cinco mil empregos com ‘Lei do Aço’

Executivo da CSN calcula que região ganhará cinco mil empregos com ‘Lei do Aço’

Matéria publicada em 27 de novembro de 2020, 16:31 horas

 


Barreto fala durante assinatura da regulamentação da Lei do Aço
(Foto: Imprensa CSN)

Volta Redonda – O Diretor Executivo Comercial da CSN, Luis Fernando Martinez, afirmou que devem ser gerados cerca de 5 mil empregos diretos na região, com a regulamentação da Lei Estadual 8.960/20, que estabelece um regime diferenciado de tributação do ICMS para indústrias do setor metalmecânico instaladas no Estado do Rio de Janeiro. Martinez e o Diretor Institucional e Jurídico da CSN, Luiz Paulo Barreto, participaram nesta quinta-feira, 26 de novembro, no Palácio Guanabara, no Rio de Janeiro, da cerimônia de assinatura da regulamentação pelo Governador em exercício, Cláudio Castro, e pelo Secretário de Fazenda, Guilherme Mercês.

A nova legislação prevê um regime diferenciado de tributação do ICMS para indústrias do setor metalmecânico instaladas no Estado do Rio de Janeiro. A medida reduz a carga tributária das empresas de metalurgia e siderurgia e traz aumento de competitividade para o estado. Atualmente, as empresas que não fazem parte da zona incentivada pela Lei 6.979/15 estão sob o regime de 20% de alíquota final de ICMS. Com a regulamentação da lei e adesão pelos contribuintes, os estabelecimentos contarão com uma tributação mais simples, de 3% na saída sobre o valor faturado, além da possibilidade de aquisição de alguns bens com diferimento, o que beneficia o fluxo de caixa.

O Diretor Executivo Comercial da Companhia Siderúrgica Nacional, Luis Fernando Martinez, revelou que, com a regulamentação da lei, 20 empresas já demonstraram interesse em se instalar no estado.

“Eu diria que este projeto vai reindustrializar o Rio de Janeiro. O Sul Fluminense é uma região muito poderosa porque a partir dela você consegue servir toda a região Sudeste. Nós estamos falando de um faturamento das empresas em torno de R$ 6 bilhões e uma geração de empregos da ordem de 5 mil funcionários diretos”, afirmou o executivo, que também pontuou que a atração de novas empresas, como montadoras e empresas de autopeças fortalecem toda a cadeia.

Martinez também destacou a possibilidade de integração do Polo Metalmecânico com o Porto de Itaguaí, para escoar os produtos produzidos por essas empresas para exportação ou mesmo para o mercado interno.

O Diretor Institucional e Jurídico da CSN destacou a importância do Estado do Rio de Janeiro para o início do processo de industrialização do Brasil, com a inauguração da CSN em 1941. Segundo ele, a nova lei dá ao Estado do Rio de Janeiro uma simetria de condições em relação a outros estados, o que assegura competitividade para a Indústria Fluminense.  “Hoje, nós vamos dar um segundo impulso a essa industrialização no Estado do Rio de Janeiro,  permitindo que a indústria do aço e a sua cadeia de produção tenham condições de igualdade de competir, fornecer, fabricar e comercializar os seus produtos”, afirmou.

Diretor da empresa Perfimax, sediada em Santa Catarina, Lucas Martarello contou que pretende expandir os negócios para o Rio de Janeiro em 2021.

“Estamos há 28 anos no mercado do aço e agora estamos investindo no Rio de Janeiro por causa do incentivo do Polo Metalmecânico. Nós já temos o planejamento para produzir cerca de 5 mil toneladas de material e queremos expandir a empresa em 2021, atuando na geração de empregos e contribuindo com o desenvolvimento social e econômico da região”, disse o empresário, que trouxe uma unidade de beneficiamento de aço para Pinheiral este ano.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Esse cara é cômico???

Untitled Document