quinta-feira, 17 de outubro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Geraldo Alckmin fala a pré-candidatos tucanos no Rio

Geraldo Alckmin fala a pré-candidatos tucanos no Rio

Matéria publicada em 13 de junho de 2016, 19:36 horas

 


Aprendizado: Geraldinho do Gelo assistiu a palestra de Alckmin

Aprendizado: Geraldinho do Gelo assistiu a palestra de Alckmin

Rio – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, esteve no Rio de Janeiro na manhã de sábado, dia 11, para conversar com os pré-candidatos do PSDB a prefeito e a vereador que vieram de todo o estado para participar do curso de formação política realizado pelo diretório regional do partido, em parceria com a secção Rio do Instituto Teotônio Vilela (ITV). O PSDB do Rio de Janeiro entra fortalecido no processo eleitoral de 2016, com uma quantidade maior e mais competitiva de postulantes em relação a eleições anteriores: já são 55 pré-candidatos a prefeito; e 17 a vice. O pré-candidato a prefeito de Volta Redonda pelo PSDB, Geraldinho do Gelo, esteve presente.
— O governador frisou bastante a importância dos prefeitos eleitos esse ano serem empreendedores, para que consigam atrair investimentos para suas cidades e atravessar a crise financeira. Também citou a importância de termos propostas concretas e de qualidade, principalmente na área de desenvolvimento, saúde e educação — destacou Geraldinho, ressaltando que Alckmin frisou a importância dos candidatos serem de ‘Ficha Limpa’.
Também compareceram ao evento três pré-candidatos a vereador em Resende e o pré-candidato tucano à prefeitura da cidade, o ex-deputado Noel de Carvalho.
Na pauta do encontro, a experiência de Geraldo Alckmin como candidato que já foi eleito vereador e prefeito de sua cidade natal – a paulista Pindamonhangaba; a deputado estadual; a deputado federal; e quatro vezes ao governo do estado de São Paulo – uma como vice.
O governador abordou temas como a necessidade da reforma política, declarando preferência pelo voto distrital e fazendo ressalvas sobre o sistema partidário inchado que, em vez de fortalecer a democracia no Brasil, gera uma crise de representação. Falou das dificuldades que os governos municipais vão enfrentar com a falta de recursos – só o Fundo de Participação dos Municípios diminuiu 21% – e da necessidade de bons gestores para contornar essas dificuldades, com uma política fiscal e monetária rígida e, sobretudo, com valores.
“Cada vez mais, a política se distingue pelos valores. E alguns valores são essenciais, como a inclusão e o empreendedorismo. Vivemos uma crise sem precedentes, e os municípios vão ser governados sem dinheiro. Precisamos de prefeitos que sejam líderes, capazes de atrair investimentos; gerar empregos; e dar atenção às prioridades da população, como a saúde, especialmente num momento em que a União diminui o orçamento para o setor”, chamou ele atenção, acrescentando que as eleições municipais são as que mais permitem a aproximação com a população:
— Laços de lealdade e afeto são faculdades da política. Vocês têm que estudar, se preparar, elaborar propostas. Preparem-se sem descanso e cerquem-se das melhores pessoas. Prometam de menos e façam demais — disse ele a uma plateia de 400 pessoas.
O senador José Aníbal, presidente nacional do ITV, traçou um histórico da social democracia mundo a fora, apresentando seus resultados positivos para países como Portugal, Espanha, e para o próprio Brasil, quando governado pelo PSDB. O parlamentar criticou ainda o corporativismo brasileiro, que gera desigualdade. “O Brasil vive uma brutal desigualdade, com a força das corporações que se apropriam da renda nacional. Corporativismo é, às vezes, pior do que a corrupção”, declarou.
O presidente da Executiva Estadual do PSDB, o deputado federal Otavio Leite, conduziu a abertura do evento e destacou que é característica do PSDB primar pela qualidade de seus pré-candidatos. E disse que grandes homens públicos como Geraldo Alckmin e José Aníbal são inspirações aos postulantes.
— É difícil exercer o mandato num momento em que a crise diminui a capacidade de investimento. E o que vai contar é a capacidade de gerir, de ser criativo, de tomar decisões. Estamos tocando. Procurando fazer o PSDB crescer, com proposta, conteúdo, diálogo e enfrentamento político. Temos acervo. Não máquina. Homens com experiência podem nos inspirar mais — disse ele.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

11 comentários

  1. Avatar

    Fora tucanos!!!!

  2. Avatar

    COXINHAS GOLPISTAS!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. Avatar

    O Sr. Geraldo Alckmin não está fazendo nada pela apuração do superfaturamento no caso da merenda escolar do governo dele em São Paulo. É o pior escândalo de políticos pois tira diretamente a comida da boca das crianças paulistas.

  4. Avatar

    Só uma perguntinha que não ofende Geraldo Alckmin porque o senhor não deixa abrir, sequer uma CPI no seu governo bloqueia todas.

  5. Avatar

    O Brasil perdeu a oportunidade de ser liderado por ele quando teve o maior aporte de recursos da história, preferiu ser liderado por um analfabeto bom de papo é uma incompetente destemperada

    • Avatar
      Wantuil fortes Silvério

      Pereira, discordo de vc Geraldo Alckmin e Fernando Henrique e Aercio neves são iguais e trambiqueiro .Que é o igual à Lula que é trambiqueiro também.para ser político, não precisa de capacidade, Basta sê desonesto. Se boa gente não fica lá.

    • Avatar

      Cadê a merenda das crianças ?

  6. Avatar

    Eu vou votar no Alckmin em 2018…. será presidente do Brasil. Está em seu quarto mandato a frente do Governo do Estado de São Paulo, não é processado por corrupção e é um dos mais bem avaliados. Que todas as suspeitas sejam investigadas e se foi culpado por algum esquema, que seja preso, como foi o Zézim Dirceu, Vacari. Mas até agora pra mim ele é honesto.

  7. Avatar

    Teve explicação sobre os escândalos no governo paulista do PSDB? O mais triste, a Merenda Escolar, e as Obras do Metrô-SP, do Trem, do Rodoanel, todas com acusações de desvios de verba, junto com a vergonha internacional da Alston e Siemens. Quase 20 anos de corrupção sem explicação. Não vamos nem falar da Privataria Tucana no Governo FHC e da Lista de Furnas com Aécio, Serra e o Aloysio Nunes atual líder do Temer no Senado.

  8. Avatar

    Mas… que horas é a merenda, chefia?

Untitled Document