segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Pezão defende aliança entre PMDB e PT e critica mudança na aposentadoria

Pezão defende aliança entre PMDB e PT e critica mudança na aposentadoria

Matéria publicada em 10 de julho de 2015, 18:42 horas

 


Pezão: ‘A gente ajudou a eleger, tem que ajudar a governar’

Pezão: ‘A gente ajudou a eleger, tem que ajudar a governar’

Rio –  O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, defendeu que a aliança entre PMDB e PT continue até o final do governo da presidente Dilma Rousseff e disse que, vai pedir apoio às medidas provisórias que estão no Congresso Nacional.

— [Vamos] pedir solidariedade. O PMDB é importante, está lá com Michel Temer, Paulo Hartung, os governadores todos. Para nos unirmos, conversarmos e ajudar o Brasil a crescer — disse o governador, que defendeu a aliança do partido com o governo.

— A gente ajudou a eleger, agora tem que ajudar a governar, como sempre o PMDB fez. Ainda mais tendo o vice-presidente. Sou favorável que se mantenha [a aliança]. Só quero que em 2018 a gente tenha candidato — afirmou Pezão.

Temer defende reedição da aliança entre PMDB e PT

Pezão participou na manhã desta sexta (10) de uma audiência pública para apresentar o projeto da ferrovia que ligará portos do Rio de Janeiro e Espírito Santo, na Associação Comercial do Rio de Janeiro.

O governador criticou as propostas de mudança na aposentadoria em discussão no Congresso Nacional, que estendem a regra de aumento do salário mínimo ao benefício, e disse que prejudicam o ajuste fiscal e só jogam o ônus do veto para a Presidência da República.

— Não adianta ficar falando em impeachment e ficar discutindo questões dentro do Congresso Nacional que infelizmente a gente tem visto. Algumas medidas sendo votadas botando o ônus para a presidenta vetar. Isso não ajuda. Mexer com aposentadoria hoje, que é o maior déficit dentro dos governos, só prejudica o ajuste dos estados, municípios e do governo — avaliou o governador.

Pezão defendeu que a presidente Dilma Rousseff vete a alteração, argumentando que é preciso ter uma fonte de financiamento. “Sei que o aposentado lutou e contribuiu, mas onde arranja [esse recurso]?”.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

7 comentários

  1. Avatar

    Este governador acabou de perder o meu voto. O aposentado neste pais é uma das classes mais prejudicadas. Estamos perdendo todo ano poder aquisitivo. Quem sempre pagou 10 salarios minimos de INPS, , hoje não chega 3. País injusto para as pessoas de bem.

  2. Avatar

    Qualquer jornal que escreve “presidenta” revela em qual mão anda comendo.

  3. Avatar

    Ajudaria bastante se as regras fossem a mesma para esses Políticos profissionais . Além do mesmo tempo de serviço e a mesma idade mínima, ter também os mesmos descontos , os mesmos cálculos, com o mesmo teto máximo permitido para nós, trabalhadores que carregam esse país.

  4. Avatar

    e ai pezao voce e aposentado ta com muito dinheiro

  5. Avatar

    Esse Pezão…
    Trabalha cara, paga INSS sobre 10 salários mínimos e depois tem o benefício caindo todo ano até chegar próximo ao mínimo que você vai ver o que é bom. O trabalhador que contribuiu com o INSS com descontos referentes a mais que o salário mínimo não pode ser prejudicado. Isso é roubar do aposentado.

  6. Avatar

    facil PEZAO e so repatriar o que foi desviado da petrobras incluindo o que o PMDB levou que da e sobra.

Untitled Document