sexta-feira, 23 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Pezão discute reforma do Estado com 14 governadores

Pezão discute reforma do Estado com 14 governadores

Matéria publicada em 27 de novembro de 2015, 07:17 horas

 


Aperto: Pezão afirma que previdência custa R$ 16 bilhões por ano no Estado do Rio

Aperto: Pezão afirma que previdência custa R$ 16 bilhões por ano no Estado do Rio

Rio –  O governador Luiz Fernando Pezão voltou a defender a necessidade de uma reforma previdenciária e uma ampla discussão sobre as dívidas dos estados, durante reunião de trabalho do Pacto pela Reforma do Estado, coordenada pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC), em São Paulo, nesta quarta-feira (25). O encontro, que reuniu outros 14 governadores e líderes empresariais, foi pautado por propostas de eficiência no setor público.

– Só acredito que conseguiremos avançar com setor produtivo caminhando junto com o setor público. Todas as questões são relevantes, mas a situação da previdência, para mim, é primordial. As pessoas estão se aposentando cada vez mais novas. Eu tenho R$ 16 bilhões para cuidar da previdência e R$ 18 bilhões para o restante. Essa conta não fecha. Precisamos criar uma pauta, ver os pontos em comum, e levá-la o mais rapidamente possível ao Congresso – afirmou Pezão.

A dívida dos estados

Pezão destacou ainda que as dívidas dos estados com a União precisam ser revistas.

– A taxa que a gente paga é a mesma desde quando as dívidas foram negociadas. Ninguém está aguentando pagar. O Rio renegociou, em 1999, R$ 22 bilhões, pagamos R$ 45 bilhões e devemos quase R$ 70 bilhões. Já sugeri que, pelo menos, seja feito um fundo para parcerias público-privadas, para movimentar a economia – complementou Pezão.

O Pacto pela Reforma do Estado foi firmado durante o Congresso Brasil Competitivo, realizado em setembro. Desde então, os chefes de Estado têm unido esforços com o Movimento Brasil Competitivo. A ideia é construir uma pauta de consenso e um plano de trabalho conjunto, entre os gestores estaduais, para auxiliar a União a enfrentar e superar a atual crise econômica do país. O projeto busca a apresentação de soluções, a curto prazo, que contribuam para um Estado mais eficiente.

Além de Pezão, estiveram presentes os governadores do Camilo Santana (Ceará); Marconi Perillo (Goiás); Pedro Taques (Mato Grosso); Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul); Fernando Pimentel (Minas Gerais); Simão Jatene (Pará); Ricardo Coutinho (Paraíba); Beto Richa (Paraná); Paulo Câmara (Pernambuco); José Ivo Sartori (Rio Grande do Sul); Confúcio Moura (Rondônia); Geraldo Alckmin (São Paulo); e Marcelo Miranda (Tocantis); e Paulo Hartung (Espírito Santo).


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Perguntinhas! Por que será que os números da Previdência não fecham? Por que é sempre o trabalhador que deve pagar as contas enquanto um político com apenas dois mandatos aposenta-se e tem “fôro privilegiado”? Quantas pessoas conseguirão aposentar-se em um futuro próximo? A “expectativa de vida” é elevada todos os anos pelo IBGE, mas o órgão não diz nada sobre a “piora das condições de vida” da população basta ver o caos na “saúde, educação, segurança, empregabilidade,etc”.

Untitled Document