Pezão nega acusações de Costa na Operação Lava Jato

Por Diário do Vale

Rio

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, disse em depoimento de sua delação premiada que arrecadou R$ 30 milhões para o “caixa dois” da campanha dos peemedebistas Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, candidatos à reeleição para governador e vice-governador, respectivamente, em 2010. Em resposta, Pezão classificou como absurdas as denúncias de Costa. O governador ainda voltou a negar qualquer recebimento de recursos do ex-diretor da Petrobrás.
– Isso é um completo absurdo. Não tive nenhuma conversa com o senhor Paulo Roberto Costa, e nem com ninguém da Petrobras para pedir ajuda de campanha. Não pedi e não recebi nenhum recurso dele. Estou muito tranquilo desde o primeiro momento – reiterou o governador.
Pezão voltou a afirmar que está à disposição da Justiça e do Ministério Público, caso seja necessário.
– Nada chegou oficialmente para mim. Venho enfrentando as especulações sobre a citação do meu nome me colocando à disposição do STF, STJ e MP. Para mim, é uma surpresa muito grande ter meu nome mencionado. Tenho profundo respeito pela Justiça e torço para que essa investigação fortaleça a nossa democracia – declarou Pezão.?
Segundo Costa, cada empresa deu “contribuição” no total de R$ 30 milhões. O Consórcio Compar pagou R$ 15 milhões, de acordo com o delator, e “o restante foi dividido entre as outras empresas, entre elas, Skanska, Alusa e UTC”.
– Paulo Roberto Costa fez contatos com empresas que atuavam na obra do Comperj e solicitou que elas fizessem doações para o ‘caixa dois’ da campanha de Sergio Cabral. Participaram da reunião representantes das empresas Skanska, Alusa e Techint. Do consórcio Compar (OAS, Odebrecht e UTC), ninguém participou da reunião, mas o consórcio foi o principal ‘pagador -afirmou o ex-diretor, que ainda disse que “o dinheiro saiu do caixa das empresas e a operacionalização ocorreu entre Regis e as empresas, mas não sabe precisar detalhes de como isso ocorreu”.
Pezão, como ocupa o cargo de governador do Rio, deverá ser alvo de um inquérito específico no STJ (Superior Tribunal de Justiça), onde ele detém foro privilegiado. Ele tem negado irregularidades. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pode entregar ainda essa semana ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedidos para investigar governadores citados durante a operação.

Negociações

O delator ainda contou aos investigadores que reuniu-se com Cabral, a quem conhecia desde 2007, no primeiro semestre de 2010 “para tratar de contribuições [ajuda] para a campanha” de reeleição de Cabral. Na mesma reunião, segundo Costa, estavam o atual governador Pezão -que então era candidato à vice na mesma chapa de Cabral- e o secretário de Estado da Casa Civil, Regis Fichtner. Em seguida, Costa fez outra reunião, desta vez com empreiteiras que mantinham contratos com a Petrobras.
A PGR (Procuradoria Geral da República) entregou ao ministro Teori Zavascki um resumo das declarações prestadas dentro do acordo de delação premiada por Costa e por outro delator da Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef. No documento, a PGR informa que Costa descreveu todo o processo de arrecadação para um “caixa dois” de Cabral, que governou o Estado do Rio de 2007 a 2014.

Advertisement

Dilma
Pezão também comentou o discurso da presidenta Dilma Rousseff, anteontem (8), em cadeia nacional de rádio e televisão. Ele avaliou que as medidas anunciadas pelo governo federal são necessárias. “Ela está certa nesse chamamento. É um momento difícil da economia, principalmente para o estado [do Rio de Janeiro], pois temos uma economia muito dependente do petróleo”, acrescentou o governador.

Advertisement

VOCÊ PODE GOSTAR

3 Comentários

Marina 10 de março de 2015, 21:06h - 21:06

Que vergonha para nosso País ! saudades dos militares . Fora Dilma , Fora PT e fora Pesão e junto o Prefeito Netto de Volta Redonda . VÃO COM DEUS OU ENTÃO COM O DIABO PARA PAGAR O ROUBO .

EMPRESTADO À BARRA DO PIRAI 9 de março de 2015, 22:48h - 22:48

Não votei no Pezão, mas espero que isso realmente sejam “denúncias infundadas”, conforme ele e o Cabral disseram. Porém o dito popular diz: onde há fumaça, há fogo!

EDIGAR SILVA 9 de março de 2015, 21:46h - 21:46

Big Foot!!! Até tu Brutus!!! Papai e mamãe vão morrer de desgosto!!!

Comments are closed.

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996